PURO VENENO

Em Amor & Amizade, a inglesa Kate Beckinsale acerta o tom como protagonista de uma cínica (e deliciosa) adaptação de uma pouco conhecida novela de Jane Austen

Publicada pela primeira vez em 1871, mais de cinco décadas após a morte da autora, a novela Lady Susan revela uma Jane Austen (1775-1817) muito mais abertamente sulfúrica do que a escritora se permitiu ser nas obras que encaminhou ela própria às editoras: a personagem-título, uma beldade que já vai lá pela metade dos seus 30 anos e enviuvou há pouco, é de uma patifaria escandalosa. Mas ela é também de uma clareza de juízo a respeito de si mesma que a torna ideal para Whit Stillman, um dos mais mordazes cineastas americanos. Surpresa: Susan Vernon é ideal também para a inglesa Kate Beckinsale – uma atriz de longa carreira, mas que nunca conseguira impor uma marca decisiva a um papel. Como a manipuladora, insensível e irreprimivelmente inteligente protagonista, Kate é o maior dos muitos deleites de Amor e Amizade (Love & Friendship, Inglaterra/Irlanda/Holanda/França/Estados Unidos, 2016).

Jane Austen escreveu Lady Susan aos 19 anos, em forma epistolar: em 41 cartas trocadas entre personagens diversos, vê-se que Susan Vernon, que gosta de viver bem mas não ficou em boa situação depois da morte do marido, explora todas as possibilidades para resolver o dilema. Para a filha Frederica, de 16 anos, Susan planeja uma união com James Martin, um ricaço abestalhado (ela tem péssima opinião sobre o intelecto da filha). No seu caso, as coisas são mais complicadas: Susan adoraria ficar com Lorde Manwaring, um sonho de homem, mas existe uma Lady Manwaring no meio do caminho.

Stillman penou para adaptar a novela; é provável que Austen a tenha engavetado por, assim como o diretor, considerá-la imperfeita ao ponto de não poder ser corrigida. Stillman, porém, teve um lampejo: depurou o caldo das cartas numa narrativa que quase sempre assume o ponto de vista de Reginald DeCourcy (Xavier Samuel), sobrinho de Susan pelo lado do marido. Reginald é apresentado a Susan quando ela vai se refugiar na casa do cunhado, à espera de que esfriem os rumores sobre seu comportamento desavergonhado com Lorde Manwaring. Ao cumprimentá-la, o rapaz diz, ferino: “Lady Susan, sua reputação a precede”. Reginald posa de cético mas se fascina com Susan e passa a defendê-la com um tantinho mais de paixão do que seria apropriado. Mas não com mais paixão do que o diretor: Susan Vernon é o que se chamaria de uma boa bisca, mas talvez sua índole não seja a única culpada – ter tanto espírito e inteligência e ser obrigada a fazê-los caber em uma vida tão estreita exige que se desenvolva alguma ferramenta de sobrevivência. A de Susan é o cinismo corrosivo, assim como o foi para a própria Jane Austen. Stillman compreende, e homenageia a ambas.

Publicado originalmente na revista VEJA em 18/08/2016

Uma consideração sobre “PURO VENENO”

  1. Num momento de tanta estupidez crônica e aguda, é um imenso prazer ler o que vc escreve a partir de, mais do que um intelecto que transcende a si mesmo, uma sensibilidade capaz de perceber nuances e significados que só as mentes mais refinadas e os espíritos mais evoluídos têm condição.

    Por favor, se puder informar onde posso ver esse filme, agradeço.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s