“A Roda do Tempo”: não, LOTR e GoT ainda não têm substituto

Fantasia medieval estrelada por Rosamund Pike tem bons momentos, mas faltam grandiosidade e afinação

Assista aqui a resenha em vídeo:


Leia aqui a minha resenha da revista VEJA:

Rosamund Pike é a força que domina a série “A Roda do Tempo”

Novidade da Amazon é versão da saga fantástica de Robert Jordan — que, com Tolkien e George R.R. Martin, forma a elite do gênero

Em um lugarejo onde nenhum forasteiro teria o que fazer e no qual a vidinha é a mesma desde sempre, a festa em comemoração da chegada da primavera traz visitantes inesperados: Moiraine (Rosamund Pike), uma feiticeira da ordem das Aes Sedai, acompanhada de seu guardião, Lan (Daniel Henney); e um cavaleiro sinistro, de preto, com um capuz que cobre seu rosto. Moiraine causa sensação, mas a presença do cavaleiro das sombras é percebida apenas por alguns — os amigos Rand (Josha Stradowski), Egwe­ne (Madeleine Madden), Mat (Barney Harris) e Perrin (Marcus Rutherford). Não por acaso, são eles, justamente, o que Moiraine procura ali: um dos quatro tem de ser a figura descrita em uma profecia. Naquela mesma noite, a aldeia é atacada por trollocs, enormes criaturas animalescas que fazem parte do exército das trevas. E assim, com a fuga, os quatro amigos mais Nynaeve (Zoë Robbins), a curandeira local, formarão uma liga com Moiraine e Lan.

Apesar das várias coincidências — um cenário pastoral que tem de ser trocado por grandes perigos, magia, cavaleiros negros, criaturas hediondas, uma força maléfica que começa a se reerguer e até anéis (as Aes Sedai levam sempre uma joia em forma de serpente nos dedos) —, não se trata de uma versão de O Senhor dos Anéis. Trata-se, isso sim, da adaptação em forma de série da saga fantástica que, até ser ultrapassada pela Guerra dos Tronos, de George R.R. Martin, só perdia em vendas nesse segmento para a obra de J.R.R. Tolkien: A Roda do Tempo (The Wheel of Time, Estados Unidos, 2021), que tem já os três primeiros episódios disponíveis na Amazon Prime Video (os cinco restantes dessa primeira temporada — uma segunda já foi aprovada — entram semanalmente).

Muitas das semelhanças, é claro, se devem ao próprio formato europeu de saga heroica adotado em A Roda do Tempo. Escrita por Robert Jordan (1948-2007), um cavalheiro com barba de general da Guerra Civil que saiu condecorado do Vietnã, foi engenheiro nuclear na Marinha americana e era assíduo nos cultos da igreja episcopal de sua cidade na Carolina do Sul, a série de catorze livros e uma “prequel” não tem a ressonância mítica alcançada por Tolkien, um profundo conhecedor da cultura, da mitologia e dos idiomas nórdicos, que contêm a matriz dessas histórias. Mas Jordan inova em relação a Tolkien na preponderância dada ao xadrez político (no que precedeu o expoente nessa matéria, George R.R. Martin) e no protagonismo feminino não só forte, como também complexo.

Tecnicamente, homens e mulheres dividem por igual a cena em A Roda do Tempo. No subtexto, porém, elas dominam: as Aes Sedai são as canalizadoras do Poder, a força imanente à natureza, e têm autoridade para remover essa habilidade dos homens que tentem (ou, pior, que consigam) exercê-la, pelo que são também detestadas e perseguidas. A Roda do Tempo, porém, não incorpora noções demasiado idealizadas de sororidade: como qualquer lugar em que um círculo de poder se concentre, a Torre Branca, sede das Aes Sedai, ferve com rixas de poder e intrigas políticas. “Gosto do fato de que o que se tem aqui não é a mulher que sabe usar armas ou é forte no campo masculino. Há uma arena na qual as mulheres lutam sozinhas”, disse Rosamund Pike a VEJA.

Rosamund, sempre uma força, ajuda na constatação de que, não obstante a ótima participação de Daniel Henney, a metade feminina do elenco fica vários pontos à frente. Até o figurino de Moiraine, mais prático do que descrito nos livros, reproduz essa lógica de que ela e as outras personagens femininas têm um trabalho decisivo a ser feito. Bem produzida, com locações belíssimas na República Checa e momentos empolgantes, A Roda do Tempo talvez não seja capaz de transportar o espectador com intensidade comparável à da obra de Tolkien. Mas ajuda a amenizar a espera pela série O Senhor dos Anéis, também da Amazon, que deve estrear ano que vem, em 2 de setembro — bem a tempo do aniversário de Bilbo e Frodo Baggins, em 22 de setembro, consagrado pelos fãs como “Hobbit Day”.

Publicado em VEJA de 24 de novembro de 2021, edição nº 2765

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s