divulgação

Cães de Guerra

Quer entender este mundo surreal? Chame os profissionais da comédia


Veja aqui a vídeo-resenha


Entre 2005 e 2008, dois garotões de Miami sem nenhuma qualificação (um era trambiqueiro e o outro, massagista) se aproveitaram das guerras no Iraque e no Afeganistão e viraram magnatas da venda de armas e suprimentos para o Pentágono. Os dois se deram tão bem que, a certa altura, ganharam um contrato de 300 milhões de dólares, para fornecer ao comando militar americano 100 milhões de cápsulas de fuzil AK-47, a arma preferida de guerrilheiros, terroristas, traficantes e congêneres em todo o mundo. E onde se vai achar tal quantidade de uma munição tão escusa? Em lugares duvidosos como a Albânia, onde o cinza dos tempos de bloco comunista continua vigorando, mediante a intercessão de uma gente muito mal-encarada. E aí, claro, a coisa toda vira forrobodó. O mais interessante: um forrrobodó verídico, muito noticiado nos Estados Unidos no final da década de 2000 pelo que tinha de vexaminoso para o Pentágono e de absolutamente surreal para qualquer padrão mais ou menos sensato de interpretação.

Com Jonah Hill e Miles Teller no papel dos rapazes empreendedores, Cães de Guerra segue a linha de O Lobo de Wall Street e A Grande Aposta: reproduz com ritmo alucinatório e um saborosíssimo senso do absurdo uma história que tinha mesmo de ser real, porque roteirista nenhum seria capaz de imaginá-la – ou pelo menos convencer alguém de que ela poderia ter acontecido como aconteceu. E, exatamente como A Grande Aposta, aquela sensacional bola curva sobre a crise financeira de 2008 dirigida pelo Adam McKay de O Âncora – A História de Ron Burgundy, este Cães de Guerra leva a assinatura de Todd Phillips, o diretor de besteróis como Starsky & Hutch e os três Se Beber, Não Case!. Faz sentido, na verdade: o mundo anda tão insensato que acho que só profissionais do nonsense mesmo é que ainda conseguem compreendê-lo.


4 comentários em “Cães de Guerra”

      1. O filme nada mais é que um “besteirol americano”, cheio de piadas e situações sem justificativa com um humor bem idiota. A crítica dela acertou em cheio nesse requisito, tanto que se você for analisar outros críticos profissionais verá que a maioria deles não pensam diferente e alguns ainda pegam mais pesado com o filme. Se você gostou da “comédia”, ok, gosto é gosto, mas está totalmente errado se acha que a crítica dela não foi coerente e séria.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s