divulgação

Star Trek: Sem Fronteiras

Terceiro filme da saga é simpático, mas é um entreato que chegou antes da hora

null

É quase como assistir à versão longa de algum dos oitenta episódios da série original, a que foi exibida entre 1966 e 1969: os cenários são uma imitação mais caprichada daqueles planetas de cartolina dos quais o capitão Kirk e o sr. Spock tinham de sair correndo toda semana, a Enterprise apanha feio, o motor pifa e quase não volta a funcionar, os membros da tripulação se desgarram uns dos outros e trocam muitas farpas e one-liners entre si. Star Trek: Sem Fronteiras é o mais familiar, o mais afetivo e o mais passadista dos filmes da série relançada em 2009 – e contém todas as vantagens e desvantagens que essa abordagem pode trazer a um terceiro capítulo, aquele meio de caminho que tradicionalmente constitui o momento mais delicado na vida de uma franquia.

divulgação

Depois de uma volta às origens do time em Star Trek (2009) e de tanta ação em escala intergaláctica em Além da Escuridão: Star Trek (2013), deve ter parecido lógico e natural que, agora, Kirk & cia. fizessem um inventário de suas atividades até aqui, e começassem a pensar no que o futuro pode trazer que não seja mera repetição do que eles já viveram. Mas eu me pergunto se essa pausa para balanço não chegou antes da hora: sob o comando do diretor Justin Lin, de quatro Velozes e Furiosos, Sem Fronteiras escapa cedo demais da trajetória traçada por J.J. Abrams. Com tudo que tem de prazeroso, este filme tolhe a saga antes de ela ter atingido sua envergadura plena, e muda o tom antes que a ambição com que se acenara até aqui tenha rendido todos os seus frutos. É um entreato necessário – mas colocado na ordem incorreta.

divulgação

Não que eu tenha formulado esse raciocínio enquanto via o filme: com roteiro co-escrito pelo inglês Simon Pegg, o sempre impagável oficial mecânico Scotty, Sem Fronteiras flui bem e é saboroso. Os diálogos são uma delícia, e a habilidade de Justin Lin para equilibrar as participações do elenco é incontestável. Pegg e Karl Urban (o dr. McCoy) continuam sendo meus favoritos, mas Sofia Boutella, a marroquina que fazia Gazelle, a assassina com próteses de lâminas em Kingsman: Serviço Secreto, é um achado como Jaylah, a garota extraviada no planeta distante em que a Enterprise vai realizar uma malfadada missão de resgate. Como sempre, aliás, a certa altura a Enterprise fica aos pedaços, e a cena da sua destruição é uma beleza. Mas ela é uma exceção: as cenas de ação tendem a ser confusas (em vez de grandiosas, como nos dois primeiros filmes) e o vilão interpretado por Idris Elba – irreconhecível – é uma decepção.

divulgação

É nele que se percebe como este episódio se apequena em relação aos anteriores: Krall é um desses vilões “da semana”, e o tema que ele coloca em pauta é tão contra-intuitivo que demora-se a entender sua queixa (Krall é uma espécie de terrorista do Isis sideral; ele reclama que a Federação, com seus ideais de paz impostos por meio de patrulha, é uma entidade colonialista que pretende extinguir seu modo de vida violento). Em sua encarnação cinematográfica,  é uma ideia que só se prova grande quando é grande também a ameaça a ser enfrentada. E, por mais simpática que seja a interação entre os personagens, e por mais bonita que seja a homenagem à tripulação original e especialmente a Leonard Nimoy, que morreu em 2015 (Anton Yelchin, morto em junho, ganha uma dedicatória nos créditos finais), essa é a matéria-prima dos seriados de Star Trek para a TV. No cinema, simpatia, um vilão queixoso e um planetinha perdido nos confins do universo são muito pouco.


Trailer


STAR TREK: SEM FRONTEIRAS
(Star Trek Beyond)
Estados Unidos, 2016
Direção: Justin Lin
Com Chris Pine, Zachary Quinto, Simon Pegg, Karl Urban, Idris Elba, John Cho, Zoe Saldana, Sofia Boutella, Anton Yelchin

11 comentários em “Star Trek: Sem Fronteiras”

  1. Gente, eu nunca fui ligado em Star Trek, e fui assistir o filme em 3D na última 2ª feira, e achei o filme muito fraco. Tanto que saí do cinema antes do filme acabar, o que nunca tinha feito; o mais próximo que cheguei perto foi o filme do Jet Li, “Herói”, lá de 2002, mas mesmo assim aguentei ficar e valeu a pena (mesmo com aquelas demoradas coreografias disfarçadas de luta.).
    Esse filme do Star Trek achei bem moroso, com humor ok, vilão clichê, história tanto previsível, e o 3D se mostrou totalmente dispensável; o que eu gostei mais foi do Spock e o personagem do Karl Urban. Só por esse filme eu não consigo entender como Star Trek conseguiu tantos fãs.

    Curtir

  2. Concordo com a Isabela quanto a parecer um episódio da TOS só que com duas horas. Mas é assim que ST foi: contada em episódios, muitos dos quais se fossem transpostos para o cinema seriam melhor que muitos filmes. Então não vejo ser “pouco para o cinema” é ser adequado. Aliás as vezes que ST tentou ser “muito para o cinema ” se perdeu. Tá na medida certa para agradar fãs e não fãs, como o cinema deve ser pensando em sua função principal para o publico: entretenimento.

    Curtir

  3. Acho que a Jornalista escreveu sobre o filme apenas para ter conteúdo atualizado no site, mas não deve ter acompanhado a obra inteira de Star Trek. Seria o mesmo que falar sobre um guitarrista, mas não ter a mínima noção do que é pegar numa guitarra e tocar algo de sua obra ou seja apenas críticas de alguém que não sabe e não sente nada sobre o assunto

    Curtir

  4. ela escreveu a percepção dela sobre o filme, ela esquece que existe uma horda de seguidores que irão escrever exatamento o contrario, a meu ver ela focou mais no roteiro, figurino,fotografia,que propriamente no todo da ação, ela se esquece que star trek é sobre novas tecnologias que irão aparecer daqui a 20,30 ou 40 anos a frente, tipo de tecnologia que não existia na decada de 1960, tablet,celulares,wifi, tela de oled e outras coisitas

    Curtir

  5. Uma vez eu fui assistir um filme altamente recomendado por esta crítica e me decepcionei…agora fiquei com um pé atrás com esta sub-avaliação de Star Trek…

    Curtir

    1. Então acho que você deveria fazer o contrário…deveria ir assistir Star Trek que é muito divertido!
      Afinal, se ela falou que um filme era bom e você viu que era ruim, agora com ela falando “mal” ou não tão bem do Star Trek, acho que você irá gostar…
      E deixe de acreditar apenas em críticos, principalmente dos que não conhecem bem sobre o tipo de filme que se está falando…
      Boa diversão!

      Curtir

  6. Discordo da jornalista. O filme consegue conciliar ação e os dramas pessoais presentes na série original, da qual vi todos, inclusive a terceira temporada não exibida no Brasil. É um grande avanço ao confuso e mal elaborado além da escuridão, que decorre da necessidade de rever metas. Os atores estão mais velhos, evidentemente, e isto ajudou a história a ficar mais adequada. Bom roteiro, boa guinada, e deixa a porta aberta para novas aventuras. Acho que falta a jornalista assistir mais os antigos episódios e entendê-los..

    Curtir

  7. Este Jornada nas Estrelas – Sem Fronteiras é dinâmico e respeita a idéia original da série que mostrou a essência do criador Roddenberry. O plot é focado no espaço ser a fronteira final, onde as viagens da nave continuam em sua missão exploratória de novos mundos , vovas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve. Desta forma, fora o excesso de ação que chega a ser hipnótico, chegamos a voltar no tempo, ano de 1979, quando Jornada nas Estrelas foi para o cinema com o primeiro elenco. Justin Lin encarou o desfio de recriar o espírito dos tripulantes da Enterprise com eficácia. Tudo para continuar com outros filmes da série no futuro. Ok!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s