Divulgação

Mente Criminosa

Desperdício de Kevin Costner é pecado

Divulgação

Ryan Reynolds é um agente da CIA em Londres e está falando ao celular com sua mulher quando percebe estar sendo perseguido – o que, neste tipo de filme, significa que em cinco minutos, no máximo, a mulher será uma viúva, e que Reynolds terá pegado seu cheque (como ele iria saber que Deadpool ia faturar tanto que nem precisaria desse bico?) e se mandado, deixando um tremendo abacaxi para Kevin Costner descascar, com a ajuda meio aturdida de Gal Gadot, Gary Oldman e Tommy Lee Jones.

Divulgação

Costner, aqui tem um daqueles nomes inventados de personagem de filme do Luc Besson – Jericho Stewart –, e é um psicopata e sociopata rematado, que mete medo até nos guardas do corredor da morte. Mas quem dera este fosse mesmo um filme de Besson: como em Lucy, que dirigiu, ou em 3 Dias para Matar, que ele produziu e Costner estrelou, Besson certamente teria tratado o absurdismo de Mente Criminosa com o humor e o atrevimento que ele exige – e não com a mão pesada e a falta de imaginação e de ironia do diretor Ariel Vromen. A saber: como explica um cientista (que Tommy Lee Jones interpreta com o ar arrependido de quem assinou o contrato sem ler), Jericho tem uma curiosa atrofia no córtex cerebral que o torna o candidato ideal no qual implantar as memórias do recém-assassinado Reynolds. Se a transferência der certo, pronto: Gary Oldman, o chefe da CIA em Londres, ficará sabendo onde Reynolds escondeu o hacker “O Holandês” (Michael Pitt) antes que um transtornado terrorista espanhol (Jordí Mollà) ponha as mãos nele.

Divulgação

O pen-drive com um programa de destruição mundial, o hacker e o terrorista compõem juntos aquilo que Alfred Hitchcock designava como um “MacGuffin”: um artifício que empurra os protagonistas e antagonistas no tabuleiro do enredo, mas ao qual não se deve dedicar muita atenção nem explicação. Ariel Vromen, porém, confunde a árvore com a floresta: tem na mão Kevin Costner, experimentando pela primeira vez na vida os sentimentos de que sua atrofia cerebral o privara e atrapalhando-se todo com a coisa (principalmente porque, bem, ele ainda é um psicopata), mas insiste em perseguir seu MacGuffin, para o qual ninguém dá a mínima. Vromen dirigiu um filme até interessante, embora também pesadão – O Homem de Gelo, com Michael Shannon. Mas aqui desperdiça matéria-prima de primeira: o Costner tranquilão e relax da meia-idade, que aprendeu a se divertir com pouco e a carregar nas costas, com raça e graça, até bobagens como esta aqui.


Trailer


MENTE CRIMINOSA
(Criminal)
Inglaterra/Estados Unidos, 2016
Direção: Ariel Vromen
Com Kevin Costner, Kevin Reynolds, Gal Gadot, Gary Oldman, Tommy Lee Jones, Michael Pitt, Jordí Mollà, Antje Traue, Amaury Nolasco
Distribuição: Califórnia

Uma consideração sobre “Mente Criminosa”

  1. Cara, é impressão minha ou o seu senso de humor ficou ainda mais afiado?

    Porque essa alfinetada (melhor dizer facada no fígado) é do tipo original:

    “um cientista (que Tommy Lee Jones interpreta com o ar arrependido de quem assinou o contrato sem ler)”

    rerere… impiedosa. quanto veneno…

    adoro essa maldade.

    Curtir

Deixe uma resposta para Ernesto Ribeiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s