divulgação

Esqueça que é Carnaval com… “Os Indomáveis”

Não venha dizer que não gosta de faroeste: este é dos bons – e tem Russell Crowe e Christian Bale

Às vezes é um alívio estar redondamente enganada: em 2008, quando resenhei este faroeste manda-bala com Russell Crowe e Christian Bale, o formato clássico do gênero andava mesmo em baixa – não do ponto de vista criativo, mas sim da disposição da plateia. Pois de lá para cá o western ganhou aquele ânimo. Novos faroestes têm sido feitos às dezenas. Bravura Indômita, de 2010, foi a maior bilheteria da carreira dos irmãos Joel e Ethan Coen; Django Livre, de 2012, foi o recordista de renda de Quentin Tarantino (e Os Oito Odiados vem fazendo ótima figura). Como eu adoro westerns, acho que todas essas são ótimas notícias. E acho também que é uma ótima ideia dar uma espiada neste filme do diretor James Mangold, que está disponível no Netflix. Uma curiosidade: quem faz o filho adolescente de Christan Bale no filme é Logan Lerman. Fiquei bem impressionada com o talento dele na ocasião. E, apesar de coisas como a fraquinha série Percy Jackson, ele continua a confirmar a boa impressão em trabalhos como As Vantagens de Ser Invisível, Ligados pelo Amor e Noé.

Leia a seguir a resenha que escrevi em 2008, quando o filme foi lançado.


Como antigamente

Os Indomáveis é um belíssimo exemplar do faroeste tardio. Pena que o público não queira mais saber do gênero

Há mais de quarenta anos a morte do faroeste vem sendo continuamente anunciada – e também esperançosamente desmentida por cineastas que retornam ao gênero para garimpar as riquezas em que ele é pródigo: o melhor cenário possível para contrapor os homens à natureza e para encenar o embate entre civilização e selvageria, entre a lei e a falta dela, entre a retidão e o banditismo, entre a família e a violência. Mas, exceto por uma ou outra palpitação, como Os Imperdoáveis, de Clint Eastwood, no que toca ao público o western está, de fato, se não morto, pelo menos bem moribundo. Brad Pitt, que quase sempre atrai bilheterias decentes, não conseguiu fazê-lo com O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford, que, a rigor, nem faroeste era.

divulgação

E o mesmo destino teve Os Indomáveis. Refilmagem de um bangue-bangue de segunda linha (e ainda assim muito bom) de 1957, ele traz Russell Crowe como Ben Wade, líder de uma gangue que assalta trens e diligências, e Christian Bale como Dan Evans, o fazendeiro pobre como rato de igreja que, para salvar sua propriedade do confisco, pede 200 dólares para levar o ardiloso Wade até o trem que o conduzirá à prisão. O bandido não tem a menor dúvida de que seu bando irá resgatá-lo. Caprichoso como ele só, então, consente em dar uma mãozinha ao fazendeiro e se deixar escoltar por ele: Evans o enfrentou três vezes num único dia, e um sujeito assim merece algum respeito.

divulgação

Nas mãos de James Mangold, um desses diretores versáteis que fazem de tudo, a trama se desenrola que é uma beleza. Dan Evans voltou amputado da Guerra Civil (1861-1865) e, como diz à mulher, está há três anos tentando se manter em pé sobre uma perna só, brigando com a seca, com seu fiador e com a decepção dos filhos. A fazenda é tudo o que sua família tem. Então, se for preciso, dará a vida por ela, para que a família e a terra continuem existindo além dele. Ben Wade se tornou criminoso em razão de contingências ainda mais desesperadoras – mas insiste que é “podre até a medula”, ou não duraria cinco minutos na companhia de um bando violento como o seu.

divulgação

De certa forma, tanto Wade quanto Evans precisam interpretar um personagem para consumo público. E ambos, portanto, têm mais em comum entre si do que com as pessoas de suas respectivas estirpes. Esse tipo de oposição é a verdadeira essência do faroeste, e Mangold a desdobra em detalhes que revelam conhecimento do gênero e também paixão por ele: a maneira distinta como cada personagem desmonta de seu cavalo, a trilha que cita a tradição, mas também a renova, os planos vastos em que a poeira levantada pela gangue traz o medo bem antes que os próprios bandidos cheguem. Os Indomáveis não revisa nem subverte os pontos cardeais do faroeste, como Os Imperdoáveis. É um legítimo western crepuscular, como os lançados nos anos 50 e 60, quando a amargura se insinuou no gênero. É bonito, empolgante e muitíssimo bem-feito, e tem em Christian Bale um intérprete à altura dos melhores. Pena se pouca gente se animar a vê-lo.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 13/02/2008
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2008

OS INDOMÁVEIS
(3:10 to Yuma)
Estados Unidos, 2007
Direção: James Mangold
Com Christian Bale, Russell Crowe, Logan Lerman, Ben Foster, Peter Fonda, Dallas Roberts, Vinessa Shaw, Alan Tudyk, Gretchen Mol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s