Esqueça que é Carnaval com… “Os Outros”

Nicole Kidman, uma casa assombrada, nenhum efeito especial: só medo de verdade

É uma lástima que o diretor chileno-espanhol Alejandro Amenábar não tenha nem passado perto de cumprir a promessa com que acenou nos seus três primeiros filmes – Morte ao Vivo, Preso na Escuridão e este Os Outros, que está disponível no Netflix (e que, quando eu vi no cinema, me fez pular da poltrona uma dúzia de vezes e, que vergonha, dar pelo menos um grito). Aliás, pretendo ver Regression, o último filme dele, com Ethan Hawke e Emma Watson, só para conferir se é tão ruim quanto dizem. Mas o que foi bem feito continua bom, e este terror em que Nicole Kidman está ficando meio louca dentro de uma casa fechada e sempre às escuras é muito bom. E está no texto aí embaixo, mas eu vou frisar: as fotos de defuntos em poses cotidianas não são invenção nem imitação. São genuínas, foram cedidas a Amenábar por um museu e provam (mais uma vez) que os vitorianos de fato tinham uns parafusos a menos.

Leia a seguir a resenha que escrevi em 2001, quando o filme foi lançado.


Terror à antiga

Em Os Outros, com Nicole Kidman, os fantasmas estão na tela e na cabeça da plateia

Em todos os 101 minutos de Os Outros, não há uma única tomada de computação gráfica. Como se trata de um filme de terror, é um feito a celebrar. Significa que o diretor Alejandro Amenábar encontrou um meio bem mais eficaz de apavorar o público do que conjurar seres ou aparições de mentirinha. Amenábar simplesmente usa a cabeça — a sua, para bolar um roteiro de primeira, e a da plateia, que exercita a imaginação do começo ao fim (surpreendente, por sinal). Esse não é o único aspecto “retrô” de Os Outros. Toda a trama se passa numa velha casa assombrada, e ninguém diria que ainda há tanta novidade a tirar de um tema que conta com décadas de bons (e maus) serviços prestados ao cinema.

others_mat1

Os Outros se passa em 1945, ao fim da II Guerra, na Ilha de Jersey, único território inglês que foi ocupado pelos alemães. Lá, uma jovem e empertigada senhora, Grace (Nicole Kidman), habita uma mansão vitoriana isolada num pântano. A casa vive trancada, e não só por causa da proximidade dos nazistas. Uma rara doença impede que seu casal de filhos seja exposto a qualquer luz mais forte que a de um lampião. Todas as cortinas devem permanecer cerradas e nenhuma porta deve ser aberta sem que a anterior seja trancada. É uma prisão, e às escuras. Talvez por isso os empregados de Grace tenham sumido durante a noite. Essas regras, porém, não parecem assustar os três novos criados, que batem à porta sob pretexto de ter trabalhado lá em outros tempos — a governanta Bertha Mills (Fionnula Flanagan), um jardineiro e uma jovem muda. Logo, a senhora Mills terá se transformado num amparo para Grace, que vive na expectativa improvável de que seu marido volte da guerra. A governanta acalma a patroa com pílulas e abafa as brigas entre mãe e filha. A criança jura que há “intrusos” na casa. Diz que conversa com um menino e que vê amiúde uma senhora que parece ser cega, mas enxerga. Grace, uma católica rigorosa, não quer nem ouvir falar dessas aparições sobrenaturais.

divulgação

A essa altura, a plateia já está de cabelos em pé, e por causa de recursos bem manjados — neblina, assoalhos que rangem, criados taciturnos, móveis cobertos por lençóis. É um verdadeiro compêndio do terror literário e cinematográfico baseado exclusivamente na sugestão. Amenábar, um chileno criado na Espanha, domina bem esse arsenal. Combina a economia de Alfred Hitchcock (não por acaso sua protagonista tem o prenome da atriz Grace Kelly e se penteia como ela em Janela Indiscreta) com o tom sinistro de clássicos como o romance A Volta do Parafuso, de Henry James. Mas nem tudo o que há de macabro em Os Outros saiu da ficção. As fotos de defuntos que Grace encontra num álbum são autênticas, e foram cedidas por um museu americano. Na era vitoriana, era comum que os familiares fotografassem os mortos como se estivessem vivos, em poses cotidianas, para preservar sua memória.

others_mat3

Outro ponto alto de Os Outros é a atuação de Nicole Kidman, que acerta no timbre, entre a histeria e o controle. É um favor que ela fica devendo ao seu ex-marido, Tom Cruise. O astro viu o filme anterior de Amenábar (este é apenas o seu terceiro), Preso na Escuridão, e ficou impressionado não só com a atriz principal — Penélope Cruz, com quem está namorando —, como com a habilidade do diretor em manipular a percepção da plateia. Reservou para si uma refilmagem de Preso na Escuridão, intitulada Vanilla Sky (na qual Penélope repete seu papel), e dispôs-se a bancar a produção de Os Outros. A pré-estreia americana do filme, aliás, rendeu uma saia justíssima. Na véspera de assinarem seu divórcio, Cruise e Nicole tiveram de comparecer à festa, como bons profissionais. Cronometraram sua chegada para não trombarem, mas Nicole aproveitou para dar uma alfinetada no ex-marido: disse que já pode usar saltos altos à vontade. Quem se saiu realmente bem em toda essa história, contudo, foi Amenábar: aceitou os 20 milhões de dólares financiados por Cruise, mas fez questão de filmar na Espanha, com uma equipe espanhola. Garantiu para si o melhor de dois mundos — dinheiro em quantidade americana, mas com a liberdade criativa de que se pode usufruir na Europa. A julgar por seus filmes e por sua sensatez, ele vai longe.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 31/10/2001
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2001

OS OUTROS
(The Others)
Estados Unidos/Espanha/França, 2001
Direção: Alejandro Amenábar
Com Nicole Kidman, Fionnula Flanagan, Christopher Eccleston, Eric Sykes, Elaine Cassidy, Alakina Mann, James Bentley

4 comentários em “Esqueça que é Carnaval com… “Os Outros””

  1. Realmente é um filme surpreendente, fiquei pasmo! Contudo, pude observar que o diretor foi inspirado em filmes, como: O Sexto Sentido, Os Inocentes, A Troca (1980) e com um episódio (me fugiu o nome) da série original de Além da Imaginação.

    Curtir

  2. MEU DEUS! Amo esse filme ele é ótimo, já perdi as contas de quanto assistir.
    Primeira vez que vi ele foi no Corujão. (MEDO)
    O Começo do filme é top demais ”Estão preparadas crianças?”

    Curtir

  3. “Os Outros” foi para mim uma prova de que um filme tem o poder de nos transformar, no sentido de que toda a resolução de Alejandro Amenábar sobre céu e inferno, a vida e a morte, me fez questionar ainda na pré-adolescência o sentido (ou melhor, a falta dele) de todas as coisas que martelavam na minha cabeça quando frequentava um grupo de jovens em uma igreja. E o fato do filme ser assombroso como poucos perturbou por um longo tempo os meus pensamentos.

    Além das imagens post-mortem, algo que me deixou muito estarrecido em “Os Outros” foi o tratamento sobre a xerodermia. Há uma edição nacional dupla em DVD que traz um extra sobre essa doença rara e é de uma tristeza imensa ver o cotidiano de muitas famílias ser drasticamente modificado ao trocarem a noite pelo dia para preservarem as crianças acometidas pela xerodermia.

    No mais, eu gosto muito dos filmes seguintes de Amenábar, especialmente “Alexandria”. Lamentavelmente, “Regressão” não vai pelo mesmo caminho, parecendo o grito desesperado de um ateu para provar as suas convicções.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s