Divulgação

X-Men – O Filme

A vingança dos excluídos

Os mutantes do gibi X-Men chegam às telas com ótimos efeitos, um bom roteiro e a mesma angústia de sempre

Estamos no ano de 1944. No campo de concentração de Auschwitz, judeus caminham pela lama gelada, rumo à câmara de gás. As imagens escuras e opressivas parecem anunciar mais um drama sobre o Holocausto. Nada disso. Trata-se de um filme de ação repleto de efeitos especiais, baseado na história em quadrinhos mais vendida de todos os tempos: X-Men – O Filme. Não há nada de estranho, contudo, nesse começo tão trágico. A exemplo do clima melancólico que imperava no primeiro Batman, de 1989, aqui os super-heróis não festejam seus poderes excepcionais. Pelo contrário. Têm dificuldade em domá-los e são alvo de hostilidade por parte do resto da humanidade. Pior: geralmente, a revelação de que têm dons especiais surge durante as atribulações da adolescência. É o caso da jovem Vampira, capaz de drenar a força vital de um ser humano com um simples toque. Namorados? Nem pensar. Por isso os X-Men vivem isolados, sempre ocultando seus poderes. É o que faz Wolverine, que tem uma fantástica capacidade de cicatrização e também de ferir os outros, com as gigantescas lâminas de metal que saltam por entre seus dedos. Ser um X-Man – ou, em português claro, um mutante – é um fardo difícil de suportar.

Assistir ao filme, por outro lado, não é sofrimento nenhum. Até a trama faz sentido. Num futuro próximo, um senador fóbico tenta instilar o ódio aos mutantes entre a população americana. Os X-Men reagem ao ataque de formas diversas. O time do Professor Xavier, um telepata, acha que é possível a convivência entre o Homo sapiens e o Homo superior. Os seguidores do neurótico Magneto, por outro lado, querem declarar guerra aos seres humanos comuns. Magneto tem lá suas razões, já que viveu na pele a perseguição nazista. Na visão dos roteiristas, a causa dos mutantes equivale à luta pelos direitos civis nos anos 60, e Xavier e Magneto correspondem a seus dois líderes mais notórios: o pacifista Martin Luther King e o radical Malcolm X (nenhum parentesco com os mutantes, ao que se saiba). É uma idéia ambiciosa, mas o diretor Bryan Singer dá conta dela. Ele consegue falar de preconceito e ostracismo sem banalizar esses temas, e também sem subtrair do filme a diversão. Hollywood, afinal, não gasta 75 milhões de dólares numa produção para estimular o civismo.

A decisão de pôr Singer atrás das câmaras causou espanto. Jovem (34 anos) e temperamental, ele tinha apenas dois filmes dignos de nota no currículo: o ótimo Os Suspeitos e O Aprendiz, baseado em Stephen King, sobre um garoto que chantageia um criminoso nazista para que ele lhe narre as atrocidades que perpetrou. Detalhe: Singer nunca havia dirigido nada que se parecesse com uma cena de ação. E também nunca tinha lido uma revistinha dos X-Men – nem uma página. Esse fato fez com que leitores dos quadrinhos enchessem páginas e páginas na internet com rumores e, principalmente, temores de que ele pudesse meter os pés pelas mãos. Todos eles foram silenciados com a estréia do filme. O enredo condensa toda a origem dos mutantes sem cometer nenhuma traição. E, graças à providencial ignorância do diretor, agrada igualmente a quem nunca deu a mínima para o gibi.

A originalidade de Singer pode ser conferida na escolha do elenco. Shakespearianos experimentados, como Patrick Stewart e Ian McKellen, convivem pacificamente com uma ex-Bond girl (a holandesa Famke Janssen) e até uma modelo, a escultural Rebecca Romijn-Stamos. O grande trunfo de X-Men – O Filme, no entanto, é o desconhecido Hugh Jackman, que interpreta Wolverine, o mais popular de todos os mutantes. Este australiano (sim, eles continuam a atacar) de 31 anos é um achado. Desde sua primeira cena, ele toma conta do filme. Jackman sabe combinar o humor seco do personagem e seu jeitão anti-social àquele coração mole que Wolverine esconde sob seu esqueleto metálico. Somando-se o carisma do ator aos espantosos 54 milhões de dólares arrematados por X-Men – O Filme no fim de semana de estréia nos Estados Unidos, já se pode dar como líquido e certo: X-Men 2 vem aí.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 09/08/2000
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2000

X-MEN – O FILME
(X-Men)
Estados Unidos, 2000
Direção: Bryan Singer
Com Hugh Jackman, Ian McKellen, Patrick Stewart, Famke Janssen, Anna Paquin, James Marsden, Bruce Davison, Halle Berry

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s