A irregular “Godfather of Harlem” resgata a vida de um mafioso negro

A série recupera a trajetória de Bumpy Johnson, que era visto nos anos 60 como um benfeitor no bairro negro nova-iorquino ao mesmo tempo que o inundava de heroína

Ellsworth “Bumpy” Johnson é uma dessas figuras que não se encaixam nos ultradelimitados conceitos contemporâneos de correto e incorreto: nascido na Carolina do Sul e despachado aos 11 anos para o Harlem nova-iorquino, quando seu irmão foi acusado de matar um branco, Bumpy pode ser visto como emblema da afirmação racial — e também, muito objetivamente, como um criminoso, se não traidor, já que nos anos 60 inundou o Harlem negro com um de seus flagelos, a heroína (ao mesmo tempo, em razão da generosidade, era visto no bairro como benfeitor). Abarcar essas contradições é uma das ambições de Godfather of Harlem (Estados Unidos, 2019), disponível na íntegra no app da Fox e à taxa de um episódio por semana, desde a sexta-feira 19, no canal Fox Premium. Criada por Chris Brancato e Paul Eckstein, de Narcos, a série descarta a tumultuada vida pregressa de Bumpy (Forest Whitaker) para apanhá-lo já maduro, em 1963, quando saiu da penitenciária de Alcatraz e pôs-se a recuperar seus domínios das mãos do mafioso Vincent Gigante (Vincent D’Onofrio) — que, claro, não gostou da ideia.

O intuito é pintar as muitas facetas das relações raciais na década do movimento pelos direitos civis, incluindo figuras com que Bumpy de fato se relacionou, como o ativista Malcolm X (Nigel Thatch, destaque do elenco), e outras com as quais não se sabe ter tido associação — caso do congressista Adam Clayton Powell (Giancarlo Esposito) e do boxeador Muhammad Ali, então Cassius Clay (Deric Augustine). A trilha de rap traz o assunto para o presente, mas a abrangência e o didatismo prejudicam a série. Com dez episódios que às vezes giram em falso — gasta-se muito tempo com um inane romance inter-racial —, Godfather teria mais impacto se seus criadores fizessem como seu protagonista e cortassem na carne, sem dó.

Publicado em VEJA de 24 de junho de 2020, edição nº 2692

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s