Jura que você nunca viu… “Desejo e Reparação”?

Um punhado de pequenos acontecimentos, uma tragédia: no seu melhor trabalho, e com um elenco formidável, o diretor Joe Wright honra um grande livro

Um dos livros mais extraordinários deste novo século, Reparação, do inglês Ian McEwan, começa por tratar das pequenas coisas que estão se passando numa mansão no campo, num dia de verão de 1935, e de como elas levam Briony Tallis, de 13 anos, a contar uma mentira grave. Daí para a frente, McEwan desenha os círculos que se espraiam a partir dessa mentira através das décadas. Ela moldará a vida de Briony até a velhice. E será não apenas a razão das tragédias que se abaterão sobre duas outras pessoas, como a pior dessas tragédias, sempre. Publicado em 2001, o romance é um feito de narrativa e estrutura: lança um olhar arguto e original sobre o ponto conflagrado em que o sentimento pessoal e as convenções de classe colidem. E, mais do que qualquer outro, dialoga com toda a grande tradição literária britânica e a estende até o presente. Reparação é, enfim, um colosso, e só isso bastaria para cercar de suspeitas sua adaptação como um muito assumido filme “de Oscar”. Mas Desejo e Reparação foi uma boa notícia. Na verdade, considerando-se tudo em que poderia errar, uma ótima notícia: cumpre os cuidados obrigatórios do gênero com o figurino e a direção de arte, sem nunca perder de vista a riquíssima matéria-prima em que se baseia (veja lá embaixo onde assistir).

Dirigido pelo inglês Joe Wright, que dois anos antes, em 2005, fizera um excelente trabalho com o Orgulho & Preconceito de Jane Austen, Desejo e Reparação começa acelerado. Briony (Saoirse Ronan), uma petulante aspirante a escritora, lateja de frustração por perceber que não vai conseguir encenar para a família a sua primeira peça, e também de ressentimento – da janela de seu quarto, ela vê a irmã mais velha, Cecilia (Keira Knightley), se despir para entrar numa fonte diante de Robbie (um esplêndido James McAvoy), o filho da governanta, por quem a menina alimenta uma paixonite. Briony entendeu, da cena, mais do que gostaria de ter entendido; mas não tem maturidade para compreender sua essência. A partir daí, enquanto a trilha sonora se soma ao ra-ta-tá da máquina de escrever de Briony e acentua a sua fúria crescente, todos os outros elementos que estão em jogo nesse dia começam a confluir em sua visão distorcida. Do amigo da família que está de olho – e mãos – em quem não deveria a uma carta que nunca deveria ter sido entregue, o caos vai se avolumando e se precipitando. Cecilia e Robbie serão engolidos por ele; e Briony passará o resto da vida buscando alguma forma de reparação (o “desejo” do título brasileiro é perfeitamente gratuito) pelo crime que cometeu.

Ian McEwan é um mestre dessas guinadas do prosaico para o incontrolável, e o diretor Joe Wright faz jus a ele, ponto por ponto, nesse primeiro ato admirável. Quem leu o livro há de reparar que até os comentários mais abstratos de McEwan – por exemplo, sobre a maneira como o constrangimento dá lugar à desinibição e à confiança imediatas no momento em que Cecilia e Robbie fazem sexo pela primeira (e última) vez – encontram uma tradução visual fiel na direção de Wright e na interpretação dos atores. No segundo ato, em que Briony (agora vivida por Romola Garai) trabalha como enfermeira de guerra enquanto Robbie padece no front, as emoções são mais convencionais do que aquelas evocadas pelo escritor. Ainda assim, Wright se sai com uma seqüência épica da evacuação das tropas britânicas de Dunquerque, em que, em quase dez minutos sem cortes, compõe um diorama do horror da guerra e instantaneamente se estabeleceu como uma cena antológica do cinema. No terceiro e derradeiro ato, Briony, agora com 77 anos e interpretada por Vanessa Redgrave, volta a se expor como uma narradora das menos confiáveis – mas por motivos opostos aos que a moveram naquele dia de 1935. Reparação é todo construído em torno do ato de observar, interpretar e registrar – o ofício básico de um romancista –, e filmes quase que invariavelmente falham nesse tipo de transposição. Desejo e Reparação é uma bela exceção. Por pouco, muito pouco, não é tão arrebatador quanto o texto em que se inspira. Além disso, foi decisivo para a carreira de vários de seus atores: Saoirse Ronan ganhou a primeira das três indicações ao Oscar que já acumula (ela está só com 25 anos); catapultou James McAvoy; terminou de completar a virada de Keira Knightley, que começara justamente em Orgulho & Preconceito; e plantou a primeira bandeira importante de Benedict Cumberbatch no cinema. Haja olho para escolher elenco.


Video Resenha


DESEJO E REPARAÇÃO
(Atonement)
Inglaterra/França, 2007
Direção: Joe Wright
Com Keira Knightley, James McAvoy, Saoirse Ronan, Romola Garai, Benedict Cumberbatch, Vanessa Redgrave, Juno Temple, Brenda Blethyn, Alfie Allen, Harriet Walter, Tobias Menzies, Gina McKee, Anthony Minghella
Onde assistir: GloboPlay, Looke, Prime Video, Apple TV

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s