“Jurassic World: Reino Ameaçado”: além de espetáculo, sentimentos

Missão do diretor espanhol J.A. Bayona na quinta aventura da série é recuperar o deslumbramento do filme original, mas também dar a ela um quê de tragédia


Está provado, empiricamente, que a plateia não se cansa de ver dinossauros despedaçando entre os dentes os planos temerários dos homens e mulheres que pretendem fazer uso deles: com mais de 1,6 bilhão de dólares arrecadados em 2015, Jurassic World é a quinta maior bilheteria da história – e Jurassic World: Reino Ameaçado deve ir pelo mesmo caminho. Com uma diferença.

Além de oferecer espetáculo (e a primeira metade, em que um vulcão destrói com estrondo o paraíso dos dinossauros na Isla Nublar, é verdadeiramente espetacular), o filme dirigido pelo espanhol J.A. Bayona quer provocar sentimentos. Bayona, de O Impossível e Sete Minutos Depois da Meia-Noite, leva a história para um terreno inexplorado na série: aqui não são os homens que vão até os dinossauros, mas os dinossauros que vão até o território humano, assombrando uma imensa mansão gótica no norte da Califórnia. O matemático Ian Malcolm (Jeff Goldblum) avisa, e dá a senha para o próximo filme: agora, sim, é que o mundo jurássico vai começar de verdade – e ele vai ser um terror.


Assista aqui o video com a resenha:


Assista aqui a entrevista com J.A. Bayona:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s