“Alias Grace”: a melhor atuação feminina que você vai ver em 2017

A canadense Sarah Gadon mostra fibra de aço e uma riqueza atordoante na ótima minissérie da Netflix

Como estamos entrando em dezembro e não há mais tantas séries nem filmes para estrear aqui até a virada do ano, vou fazer um veredito antecipado: o de que em 2017 você não vai ver um desempenho feminino mais hábil, original e atordoante que o de Sarah Gadon na minissérie Alias Grace, que entrou há algumas semanas na Netflix. A série toda é um affair canadense: baseia-se num romance que a escritora canadense Margaret Atwood publicou em 1996, foi criada pela atriz e cineasta canadense Sarah Polley, é dirigida pela canadense Mary Harron (de Psicopata Americano) e até tem uma ponta do mais ilustre diretor canadense, o loucão David Cronenberg (aqui no papel de um reverendo). E, finalmente, trata de um caso célebre da crônica canadense: de como, em 1843, a empregada doméstica Grace Marks, então com 16 anos de idade, virou figura notória no Canadá – então ainda uma colônia britânica – ao ser presa pelo assassinato de seu patrão, Thomas Kinnear, e possivelmente também da governanta dele (que estava grávida de Kinnear). Se mulheres homicidas são, ainda hoje, muitas vezes mais raras do que homens homicidas, é natural que, no provinciano Canadá da era vitoriana, o caso tenha provocado furor – especialmente porque os assassinatos vinham cercados de sugestões sexuais e porque Grace era muito jovem e muito bonita, com um ar inocente que ia contra as suposições acerca da aparência e do caráter da autora de um crime violento. Durante o julgamento, Grace e o outro empregado da propriedade, James McDermott – um imigrante irlandês, como ela – deram inúmeras versões contraditórias sobre o que teria acontecido. James a teria obrigado a participar dos crimes, dizia Grace. Ela o havia seduzido a cometer os assassinatos, dizia James. Ele foi enforcado; ela foi condenada à pena perpétua e acabou passando 29 anos na prisão.

blogib_alias-grace_mat1

O livro e também a série são um estrondo. Eles introduzem um elemento ficcional para investigar a personagem real: um médico da então muito nova ciência das doenças da mente passa vários dias entrevistando Grace, no que é efetivamente uma longa sessão de psicanálise. O objetivo é que o médico, Simon Jordan (o inglês Edward Holcroft, único com passaporte estrangeiro da turma e também ele ótimo ator), confirme a inocência de Grace para que um reverendo e seus seguidores possam fazer uma petição mais sólida pela libertação dela. De cara, Grace se prova um páreo e tanto para o seu analista. Tendo nascido miserável, passado por privações e abusos indescritíveis e então se visto no meio do clamor gerado pelos assassinatos e em seguida no horror de um manicômio e da prisão, Grace sobreviveu, até ali, por ser uma observadora muito arguta das expectativas que os outros têm em relação a ela, e por saber projetar uma persona que atenda ou desafie essas expectativas, conforme o caso. Serena, composta, recatada, sempre com uma touca engomada cobrindo sua cabeça (no livro há uma passagem memorável, em que o médico imagina que cheiro teriam os cabelos dela), Grace espera Simon Jordan todas as manhãs na sala da casa do diretor da prisão, onde ela trabalha como arrumadeira durante o dia. Enquanto borda uma colcha (à maneira da Penélope da Odisseia), Grace conta sua versão dos fatos para o médico, provocando-o com sua deferência e também com sua ardileza: como ele pode saber se o que ela diz é verdade? Pois não pode, avisa a ele a própria Grace. Nem Simon nem o espectador – nem muito menos a história – poderão ter certeza.

blogib_alias-grace_mat2

Essa ambiguidade é a única coisa de si de que Grace é dona de fato. É a sua arma de sedução, também, no sentido literal da palavra e no seu sentido mais amplo, já que seu recato é ele próprio uma promessa de coisas que estão sendo negadas a quem as deseja. E é assombrosa a quantidade de matizes diferentes que Sarah Gadon consegue dar às infinitas encarnações de Grace que vão surgindo à medida que ela narra sua história. Loira bem clara, de físico e rosto muito delicados e olhos azuis grandes, Sarah Gadon em geral é aproveitada em papeis em que seu aspecto reflete uma faceta de inocência da personagem. Desde bons papeis, como no ótimo Belle, até papeis medianos, como a da mulher do conde Vlad em Drácula – A História Nunca Contada. Admito que não conheço toda a carreira dela (ela fez várias séries de TV que nunca vi), mas, do que conheço, nunca antes eu tinha visto alguém usar a aparência de Sarah para confundir e provocar. Esse contraste pouco adiantaria, claro, se Sarah não fosse também uma atriz com fibra de aço sob aquela superfície límpida, e de um apuro técnico impressionante. São tão tensos e elétricos os encontros entre ela e Edward Holcroft que a conquista da diretora Mary Harron, aqui, é saber como interferir o mínimo possível e emoldurar ao máximo todas as coisas que estão se passando entre os dois. Até ver Alias Grace eu achava Sarah Gadon uma atriz competente. Agora, ela me parece verdadeiramente épica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s