“Doentes de Amor” e “De Volta para Casa”

Duas comédias românticas bem diferentes para o fim de semana

É muito bonitinha a maneira como Kumail Nanjiani (o Dinesh de Silicon Valley) conta a história do romance que virou sua vida de ponta-cabeça em Doentes de Amor, que está nos cinemas. Paquistanês cuja família emigrou para os Estados Unidos quando ele estava ainda no começo da adolescência, Kumail – que interpreta a si próprio – passou anos driblando as tentativas dos pais de colocá-lo num casamento arranjado, à moda paquistanesa: fingia que estava considerando a hipótese e, terminado o jantar semanal com a candidata da vez, ia cuidar da vida do seu jeito. Ou seja, tentando a sorte na comédia stand-up de Chicago, empurrando com a barriga a ideia de cursar Direito e, aí o inesperado, apaixonando-se pela universitária Emily Gordon (como ela não é atriz, quem a interpreta no filme é Zoe Kazan). Emily de paquistanesa não tinha nada; era americana da gema. Se a família de Kumail ficasse sabendo do namoro, seria um escândalo (mesmo; nenhum dos parentes foi visitar o bebê de um primo dele que se casou com uma irlandesa).

blogib_doentes-de-amor_mat1
Doentes de Amor

Sem saber o que fazer, Kumail não fez nada: manteve os pais na ignorância da namorada, e a namorada na ignorância das complicações. Até que uma hora, claro, a corda arrebentou – e quando Emily ficou muito doente, logo em seguida, ele não só caiu em si (era ela “a” garota), como teve de pular miudinho para convencer os pais dela (Ray Romano e Holly Hunter, ótimos) de que não era um canalha insensível que iria enganar Emily de novo. Seguindo a linha anti-romance de 500 Dias com Ela, o filme é uma graça: espirituoso, refrescante e cheio de observações bem-humoradas sobre as pequenas guerras culturais domésticas. Assim como Aziz Ansari – também de origem paquistanesa – na série Master of None, Kumail toca de maneira direta, mas delicada, no egoísmo dos filhos de imigrantes que não percebem o sacrifício que os pais fizeram ao deixar seu país natal para trás, e da perplexidade desses pais quando percebem que vai ser impossível obrigar os filhos a viver em Chicago ou Nova York como se estivessem no Paquistão. Uma delícia de programa.

blogib_de-volta-para-casa_mat1
De Volta para Casa

De Volta para Casa, que também acaba de entrar em cartaz, é mais convencional, mas tem bons momentos – com Reese Witherspoon, eles costumam ser garantidos. Reese é Alice, que acabou de separar do marido (Michael Sheen) e mudou-se com as duas filhas pequenas de Nova York para Los Angeles, para a casa que herdou do pai – que foi um daqueles cineastas independentes festejados dos anos 70, à moda de John Cassavetes. Alice está naquele meio de caminho: não sabe se a separação vai dar em divórcio ou não, se quer ficar em Los Angeles, se um dia vai ter coragem para recomeçar. Por um acaso, ela ganha um trio de hóspedes: três amigos de 20 e poucos anos que fizeram um curta-metragem que rodou os festivais e que agora querem transformá-lo em longa. E, com um deles – Pico Alexander, o mais bonitinho e sem sal do trio completado por Nat Wolff e Jon Rudnitsky –, ela começa uma ficância.

blogib_de-volta-para-casa_mat2
De Volta para Casa

O bom achado do filme são os relacionamentos cordiais: Alice e o ex-marido não estão em guerra (não, ele não arrumou uma mulher mais nova; o casamento se desgastou mesmo) e ainda são amigos; os meninos são boa gente e bons hóspedes; as filhas de Alice são educadas e fofinhas, e não brigam entre si; e a mãe de Alice (Candice Bergen, muito bonitona) não é uma megera e não fala mal do ex-genro, embora não seja grande fã dele. Só por evitar o clichê das traições e dos relacionamentos competitivos e entender que, mesmo com boa vontade, essas mudanças são difíceis, De Volta para Casa já ganha muitos pontos. E ganharia mais ainda se, nas cenas em que está todo mundo conversando e se divertindo, não encobrisse os diálogos com música, apelando para aquelas montagenzinhas de gente feliz. O bate-papo informal e corriqueiro, quando bem escrito, pode ser muito informativo sobre os personagens (além de divertido). Emudecer as falas é o tipo de preguiça que não se justifica, ainda mais com bons atores em cena.


Trailers


DOENTES DE AMOR
(The Big Sick)
Estados Unidos, 2017
Direção: Michael Showalter
Com Kumail Nanjiani, Zoe Kazan, Ray Romano, Holly Hunter, Anupam Kher, Zenobia Shroff, Vella Lovell
Distribuição: Califórnia

DE VOLTA PARA CASA
(Home Again)
Estados Unidos, 2017
Direção: Hallie Meyers-Shyer
Com Reese Witherspoon, Jon Rudnitsky, Nat Wolff, Pico Alexander, Michael Sheen, Candice Bergen, Lake Bell
Distribuição: H2O

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s