O Mago das Mentiras

Ver filme da HBO sobre Bernie Madoff é como olhar para dentro do abismo

Há alguns dias, me mostraram fotos de um material experimental chamado Vantablack, que reflete praticamente zero de luz e resulta em um preto tão preto que os objetos recobertos com ela viram ausências. Uma das fotos, de uma pessoa envolvida em Vantablack, me abalou: é como se o espaço ocupado pela pessoa tivesse sido tragado e, no lugar dela, ficasse um hiato, um negativo, no universo físico. Pois pensei muito no Vantablack enquanto assistia a O Mago das Mentiras, o filme da HBO sobre Bernie Madoff, aquele investidor de Wall Street que está cumprindo 150 anos de pena pelos 65 bilhões (sim, com “b” mesmo) de dólares em fraudes que aplicou na sua clientela (nada de ficar flanando em Nova York, como nossos escroques nacionais; Madoff está mofando numa prisão federal, e lá vai continuar). Quando Robert De Niro está num dia bom, poucos atores se comparam a ele no dom para interpretar esses personagens de aura escura. E De Niro está num dia bom aqui, porque faz o espectador sentir o impacto existencial mesmo dos eventos: quando a fraude veio a público, a mulher e os filhos de Madoff foram pegos de surpresa não só pelo crime, mas pela presença densa e opaca que subitamente tomou o lugar do homem que eles conheciam (e adoravam).

blogib_o-mago-das-mentiras_mat1

Madoff era considerado um gênio. Foi um dos inventores da Nasdaq, a bolsa eletrônica de títulos que cresceu até se tornar a segunda maior do mundo. Fazia parte de dezenas de conselhos de entidades regulatórias do mercado. Ganhava bilhões para seus clientes, que iam do HSBC e do Banco da Escócia a Steven Spielberg e Eli Wiesel, o caçador de nazistas – além de muita gente miúda, que perdeu para ele tudo que tinha na vida. Nenhuma das investigações do FBI e da Comissão de Valores Mobiliários jamais revelou qualquer ilícito na sua firma. Seu irmão mais novo, Peter (Michael Kostroff), o idolatrava, assim como os filhos, Mark (Alessandro Nivola) e Andrew (Nathan Darrow) – os três trabalhavam com ele. A mulher, Ruth (Michelle Pfeiffer), que o conhecia desde que ela tinha 13 anos e ele, 16, beijava o chão em que ele pisava. Eles nunca tiveram motivo para desconfiar que sua fortuna era fraudulenta porque, ei, Madoff era um gênio. E, no entanto, em dezembro de 2008 eles descobriram que haviam passado a vida com um sociopata. Havia pelo menos quinze anos Madoff não realizava uma única operação financeira: tudo a que ele se dedicava era um colossal esquema de pirâmide – o maior de todos de que se tem notícia. A tramoia ficava escondida dentro de uma espécie de “departamento de operações estruturadas” num andar fechado da empresa, tocado por secretárias que preferiam não entender o que estavam fazendo e comandado por um grosseirão esperto (Hank Azaria). Mas, com a crise de 2008, os clientes de Madoff começaram a retirar mais dinheiro que o normal de suas (inexistentes) aplicações. Aí a pirâmide veio inteira abaixo, porque não havia mais como ir cobrindo os rombos de um com dinheiro de outro.

blogib_o-mago-das-mentiras_mat2

A desgraça desabou feio sobre Ruth, Andrew e Mark (não vou contar; é um turbilhão que vale a pena acompanhar), e eles nunca tiveram coragem sequer de se queixar – como poderiam, se estavam ligados ao homem responsável pela miséria de milhares de pessoas? Esses são os fatos, recuperados pelo diretor Barry Levinson (de Rain Man) em flashback e nas entrevistas que, na prisão, Madoff dá à jornalista Diana Henriques (interpretada pela própria), em cujo livro-reportagem o filme se baseia. O clima, porém, é de tragédia grega. Um único homem pode ser um abismo tão fundo que traga, para dentro dele, todo o mundo à sua volta. E, como qualquer abismo, o Madoff de Robert De Niro é de uma indiferença absoluta ao que devora. A gente conhece coisa parecida por aqui. Mas não deixa de ser assustador ver como o abismo pensa.


Trailer


O MAGO DAS MENTIRAS
(The Wizard of Lies)
Estados Unidos, 2017
Direção: Barry Levinson
Com Robert De Niro, Michelle Pfeiffer, Alessandro Nivola, Nathan Darrow, Hank Azaria, Michael Kostroff, Amanda Warren, Lily Rabe, Kristen Connolly, Steve Coulter e Diana Henriques.
Onde: HBO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s