divulgação

Hoje é dia de ver (ou rever)… O Guerreiro Genghis Khan

Quer fazer um épico? Chame um russo

Por razões variadas (entre as quais, claro, pesa bastante a ascendência), sou fã do cinema russo e tento segui-lo tanto quanto possível. O que nem sempre é fácil, já que bem pouco dele chega aqui – e olhe que estou usando “russo” no sentido amplo: se é ex-União Soviética está valendo. Ainda que as diferenças e pendengas entre as ex-repúblicas sejam imensas (tanto que todo mundo correu para se separar na primeira oportunidade), existem dados culturais comuns muito fortes. Por exemplo, a quedinha para a grandiosidade na hora de fazer filmes. Sergei Bodrov, o diretor do muito curioso, interessante e original O Guerreiro Genghis Khan, que estou recomendando hoje, é russo mesmo; Timur Bekmambetov, o diretor do Ben-Hur de produção americana que estreia neste 18 de agosto, é do Cazaquistão – mas a vontade deles de pintar na maior tela possível, o gosto pelas paisagens vastas, a identificação com temas e personagens de grande escala, tudo isso é igual e faz parte de uma cultura muito arraigada, que é anterior à União Soviética mas foi também muito reforçada durante a existência dela. Esse, enfim, é um pessoal que gosta de sagas. E são bons nelas.

divulgação

É um bocado intrigante que Sergei Bodrov tenha dedicado tanto esforço a contar a história de Genghis Khan, o mongol que iniciou um império que, no século 13, com seu neto Kublai Khan (aquele que deu lugar em sua corte ao veneziano Marco Polo), chegou a abranger mais de metade do mundo conhecido de então. A Rússia foi um dos territórios conquistados por Genghis, e ele está longe de ser uma figura querida por lá. Na resenha que você lê aqui, eu conto minhas teorias a respeito da fixação de Bodrov com o personagem. Passados alguns anos desde que escrevi a resenha, eu acrescentaria mais um dado a ela: O Guerreiro Genghis Khan é um filme que procura alguma origem e algum sentido, e talvez a perda de seu filho, também chamado Sergei, em 2002, tenha a ver com essa sensação que Bodrov imprime ao filme, de busca sem gratificação. (Sergei Jr. interpretou o nadador do lindo Leste/Oeste, dirigido por Régis Wargnier, e morreu em uma avalanche no Cáucaso, aos 31 anos.) Mas, com ou sem teoria, o filme é belíssimo. Ele está disponível na Netflix e também no Looke, onde pode ser alugado de forma avulsa.

Leia aqui a resenha que publiquei quando o filme foi lançado nos cinemas:


Os lobos da estepe

Pode-se ver O Guerreiro Gêngis Khan apenas como um belo épico sobre o legendário conquistador mongol. Mas se pode também enxergar nele o desejo do diretor Sergei Bodrov de que a Rússia de hoje se alce da desordem ao poder

Se, como muitos acreditam, o épico é uma arte finada, então o russo Sergei Bodrov acaba de contribuir com um impulso valente para ressuscitá-la. Em O Guerreiro Genghis Khan, o diretor se vale de um tema típico do gênero – o da figura histórica que realizou feitos incalculáveis (leia-se, conquistou vastas extensões territoriais e matou muita gente) – para tirar dele um filme tão grandioso quanto curioso. Bodrov reafirma sem nenhuma reserva a tradição cinematográfica que o inspirou: o que não falta aqui são batalhas tremendas, cavalgadas em câmera lenta e paisagens dramáticas, fotografadas com o apuro formal que outra tradição – no caso, a das artes visuais russas – aprimorou. Ao mesmo tempo, o diretor inclina essas tradições em um ângulo inesperado, que autoriza a enxergar aqui uma confluência forte entre reverência e heresia.

divulgação

Genghis Khan narra a ascensão do menino Temudjin, filho de um dos inúmeros chefes tribais que nos séculos XII e XIII repartiam, com muita má vontade mútua, as estepes da Mongólia, até sua metamorfose em khan, ou líder supremo, dos mongóis e formador de um império que, com seus descendentes, logo viria a abarcar metade do mundo então conhecido. Na historiografia ocidental, e também na russa, o nome Genghis é virtualmente sinônimo de ferocidade e rapacidade, e só pela simpatia que Bodrov dedica a ele o filme já seria surpreendente. Mas há muitos outros elementos dissonantes em jogo aqui. Por exemplo, a opção pelo naturalismo no tratamento de um gênero que é antinaturalista por excelência: Genghis Khan é repleto de entreatos, em que Bodrov pouco faz além de observar seus personagens – muitos interpretados por não atores. A trilha sonora também rejeita a exaltação de praxe, trocando-a pelos sons estranhíssimos e angustiantes do canto gutural mongol. E, da mesma maneira que se move com veemência sempre que se move, o filme é capaz de longas pausas que não são prenúncio de nenhuma ação, ao contrário do que acontece, por exemplo, em uma produção como Lawrence da Arábia. O que realmente convida à indagação em Genghis Khan, entretanto, é o simples fato de ele existir – e de Bodrov ter investido tanto de si nesta história (que ele planeja transformar em trilogia).

divulgação

A vida de Genghis Khan é razoavelmente bem documentada, mas Bodrov nem sempre segue os registros. O que interessa ao diretor é que, em síntese, Temudjin se ergueu de um sistema social nomádico e primitivo, e de um infortúnio – o assassinato do pai, quando ele tinha 9 anos – que o condenou a uma juventude de escravidão, fugas e penúria, para dominar o mundo. A maioria dos cineastas do que foi o império soviético enfrenta em algum grau uma divisão íntima, decorrente de sua história tão conturbada, entre o movimento e a estase, entre avançar e rememorar, entre comemorar e lamentar. São dilemas que acometem artistas que só filmaram sob o comunismo, e também os mais jovens, que começaram quando o regime já havia ruído.

divulgação

Para a geração de Bodrov, que tem 61 anos e fez filmes antes e depois do fim da União Soviética, essas fraturas chegam a ser críticas. A crise, eventualmente, é benéfica à criação. Quando há talento, como no caso de Bodrov, ela faz surgir filmes extravagantes, conflituosos e ricos como O Guerreiro Genghis Khan. Entre os bons trabalhos do diretor está, por exemplo, O Prisioneiro da Montanha, sobre um velho checheno que quer trocar dois soldados russos por seu filho capturado; Bodrov não é defensor de um regime nacionalista e tirânico, mas um artista disposto a trazer à tona o que esse regime gostaria de manter submerso. Aqui, porém, a despeito de suas convicções, ele trai talvez involuntariamente a nostalgia funda dos seus compatriotas por uma grande Rússia. Espelhando-se na trajetória de um indivíduo, desafia os que descartam esse ex-império hoje tão reduzido a escombros e cindido por separatismos como um lobo que perdeu seu lugar na matilha. Temudjin, órfão de figura paterna e de liderança, extraviado entre clãs inimigos, derrotou não só outros lobos como matilhas inteiras. É como o vê Bodrov, ele próprio magnificamente extraviado entre um passado e um presente que, desconectados um do outro, só têm a oferecer aos russos insatisfação.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 10/01/2007
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2007

O GUERREIRO GENGHIS KHAN
(Mongol)
Rússia/Cazaquistão/Mongólia, 2007
Direção: Sergei Bodrov
Com Tadanobu Asano, Honglei Sun, Khulan Chuluun, Amadu Mamadakov

5 comentários em “Hoje é dia de ver (ou rever)… O Guerreiro Genghis Khan”

  1. OK; agora, falando restritamente sobre a arte do Cinema e das Letras:

    ESTE ARTIGO é um genial e definitivo estudo sobre o tema, uma introdução perfeita para os cinéfilos e um ensaio minucioso nas 3 camadas: o Cinema Épico Russo em geral, este filme em particular e a obra do corajoso e inovador cineasta Sergei Broder como um catalisador, tanto de estilos de outros diretores no gênero, como de sua própria vivência e idealismo pessoais. O paralelo que Boscov traça como fio unificador que liga os descaminhos da nação russa como povo e do artista como indivíduo é mesmo brilhante, poético em sua sensibilidade, como nenhum outro ensaísta jamais conseguiria em seu campo de estudos. Mais uma peça literária preciosa na Língua Portuguesa e tema de estudo para leitores de todo o mundo.

    ESTE FILME é inovador em seu olhar sobre o gênero, pelas razões descritas com exatidão por Boscov: a sobriedade da narrativa naturalista, a subversão estilística dentro do gênero épico e a radicalidade na trilha sonora. Para registro histórico: podemos classificar “O Guerreiro Genghis Khan” como uma corajosa reinvenção do Cinema Épico Mundial. E o que é melhor: fora de Hollywood, livre das amarras do cinemão engessado e mumificado do século 21.

    ESTE CINEASTA sintetiza em suas obra toda a evolução do Cinema Russo, antes e depois do fim da União Soviética: em todas as suas encruzilhadas, dilemas e soluções. Sergei Bodrov se consagra como o mais perfeito e digno representante de sua geração de artistas empenhados em reinventar a Linguagem Cinematográfica sem cair nas armadilhas tanto do sectarismo como do formalismo.

    Curtir

    1. Ai! Quando eu li meu erro de digitação em “suas obra”, dei uma topada na quina da mesa e machuquei meu pé direito. Agora o meu dedo médio está doendo tanto quanto meu orgulho ferido. A dor no pé passa, mas a vergonha fica. Mais um vexame pra memória… olha, se quiser aproveitar esse meu comentário e quaisquer outros que eu escrevi, fique á vontade. Mas me faça um favor e corrija isso. Hoje eu jogo esse teclado no lixo. Palavra de honra.

      Curtir

  2. Sergei Bodrov provavelmente faria filmes épicos sobre Adolf Hitler, Mao Tsé-Tung e Maomé, três outros personagens com as mesmas características e façanhas de Genghis Khan. Afinal, o que conta na Sétima Arte é a grandiosidade, né, gente?

    Curtir

      1. Finalizando, outra sugestão fílmica para Sergei Bodrov que nem o próprio xará Sergei Eisenstein realizou: um filme épico sobre aquele que a imprensa nos anos 1930 chamou de “o Genghis Khan no poder em Moscou”: ele mesmo, o filho do sapateiro, que apanhava do pai que nem um cachorro; Ossip Vissarianovich Djugashvili, o georgiano de 1,56 metro de altura com o braço esquerdo maior que o direito e dois dedos dos pés unidos (“a marca do demônio” como disse o recrutador do exército que o rejeitou); que estudou para ser padre num seminário em Tblisi, virou ateu comunista e assaltante de bancos com o nome de Koba (um herói folclórico da Geórgia similar a Robin Hood) escapou várias vezes de prisões e depois que tomou o poder total virou o Homem de Aço em pessoa: Stalin. Enfim, o sujeito que se tronou sinônimo de poder e que tornou a Rússia o império mais temido do mundo. Tudo a ver com a proposta idealista de boas intenções do camarada Bróder Sergei.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s