divulgação

Stranger Things

Um mundo sem celular, Google e rede social: o segredo da série é fazer você viver uma infância que não existe mais


Atenção. Pessoas mais sensíveis podem achar que contém Spoilers


No começo, eu estava me divertindo como criança caçando os ovos do coelhinho na Páscoa; para quem atravessou os anos 70 e 80, Stranger Things é uma cesta cheia de easter eggs: não tem fim a lista de referências de que os irmãos Matt e Ross Duffer se aproveitam nesta série produzida pelo Netflix. Aliás, a primeira delas é justamente a escalação de Winona Ryder, que foi a “it girl” da década, e a participação de Matthew Modine, outro nome importante da safra.

divulgação

Depois, a trilha sonora é que começou a bater: a música-tema e a trilha incidental, bárbaras, com aqueles sintetizadores de filme do John Carpenter. Should I Stay or Should I Go, do Clash, tem uma função importante na trama. Atmosphere, do Joy Division, em uma cena que sem música já seria de cortar o coração? Me ganhou. (Por outro lado, é imperdoável a versão de Peter Gabriel para Heroes, de David Bowie, mas foi a única bola-fora da seleção musical.)

Lá pelo quarto episódio, porém, veio uma mudança decisiva: tudo com que Stranger Things vinha acenando nesse início de repente se condensou em algo bem mais sólido do que uma recriação retrô, e maior do que a soma das suas boas partes. De mansinho, os irmãos Duffer foram passando dessa nostalgia pelas coisas para um outro tipo de nostalgia, que cala mais fundo.

divulgação

Primeiro, a nostalgia por um mundo tão próximo e cada vez mais distante: um mundo sem celular, sem Google, sem rede social, sem WhatsApp, sem Waze e sem WikiLeaks, no qual os segredos podem permanecer assim, secretos – e no qual os telefones têm de ser plugados na tomada, as pessoas ficam sem notícias umas das outras durante horas a fio (ou até dias!), têm de consultar um mapa (de papel) para chegar num lugar que não conhecem, e no qual a criançada não joga online, cada um em sua casa, e sim se junta no porão para brincar de Dungeons & Dragons – ou pega suas bicicletas e sai para a rua, sem supervisão dos pais. Em Stranger Things, a cidadezinha de Hawkins, Indiana, em 1983, é uma espécie de parque temático da infância perdida. Quem experimentou essa liberdade e essa impressão de que o mundo é grande e cheio de aventuras morre de saudade; quem nunca viveu isso vai se sentir em um lugar meio mágico.

divulgação

Segundo, os irmãos Duffer conseguem evocar uma saudade sentida e genuína das amizades profundas da infância, daquela lealdade a toda prova, da sensação de que, sem seu amigo, falta um pedaço em você. O mistério sobrenatural da série? Bacaninha. Essa onda de sentimento que invadiu a história? É dela que, tendo visto os oito episódios inaugurais, vou sentir mais falta até a segunda temporada estrear.

Irmãos Duffer, muito prazer: confesso que nunca tinha ouvido falar em vocês. Fui pesquisar e encontrei no currículo desses gêmeos de 32 anos uma meia-dúzia de curtas, uma breve contribuição aos roteiros da série Wayward Pines (que é produzida por M. Night Shyamalan e eu não vi) e uma estreia na direção no ano passado com o longa Hidden, com Alexander Skarsgard (quero ver mas está difícil de achar).


Outras coisas que eu já sei sobre os Irmãos Duffer:


Eles são tão espertos que fizeram três séries em uma (ou três filmes em uma série, ao seu gosto).

divulgação

Garoto dá tchau para os amigos, pega a bicicleta e então some misteriosamente; o sumiço parece ter algo a ver com as coisas sigilosas que acontecem dentro do edifício ultra-guardado de um certo Laboratório de Energia próximo à cidadezinha de Hawkins. Um filme de uma hora e meia ou duas teria de se ocupar a) de como a mãe do menino insiste em afirmar que ele está vivo e o procura sem descanso, embora todos achem que, coitada, ela ficou louca; b) de como o xerife meio preguiçoso primeiro reage com ceticismo às afirmações da mãe, mas então começa a pegar uma pista aqui, outra ali de que há mesmo coisas estranhas acontecendo, e fica ele próprio obcecado em desvendar o mistério; c) de como os melhores amigos do garoto desaparecido põem na cabeça de que é missão deles localizá-lo porque, afinal, melhores amigos nunca abandonam uns aos outros – e se envolvem em perigos muito maiores do que três pré-adolescentes deveriam ter de enfrentar. Com mais de seis horas líquidas de narrativa, porém, os irmãos Duffer podem fazer esses três “filmes” ao mesmo tempo, entrelaçando-os de maneira a acentuar as curvas da história. O resultado: o mais longo filme de verão dos anos 80 já produzido.


Eles são sentimentais.

divulgação

Winona Ryder é o primeiro nome do elenco e, em tese, a protagonista: é a mãe que não desiste de forma nenhuma de encontrar seu filho caçula e não está nem aí se julgam que ela é doida quando diz que ele está se comunicando com o menino por meio das lâmpadas da casa. Só que Winona é, também, a atriz mais fraca entre o elenco principal. Ela leva um baile nas cenas com David Harbour, que faz o xerife da cidadezinha. Mas imagino que os irmãos Duffer tenham se apaixonado por Winona vendo Os Fantasmas se Divertem, Atração Mortal e Edward Mãos-de-Tesoura. E com paixão não tem conversa.


Eles viram todo o cinema (e a TV) dos anos 80.

divulgação

Acho que não escapou nada aos irmãos, mas arrisco dizer que entre as coisas favoritas deles estão as adaptações de Stephen King (especialmente Conta Comigo e Colheita Maldita), tudo que John Carpenter já fez (com destaque para as trilhas dele e para Halloween e O Enigma de Outro Mundo), os filmes de Steven Spielberg (E.T. – O Extraterrestre e Contatos Imediatos do Terceiro Grau certamente encabeçam a lista), Gatinhas e Gatões e todas as comédias adolescentes de John Hughes (que são mesmo essenciais à vida neste planeta) – e por aí vai, numa lista que inclui de tudo, de It, Tron, Poltergeist e Goonies a Labirinto e A Testemunha.


Eles gostam de Guillermo del Toro e assistiram a Corrente do Mal.

divulgação

A primeira parte da afirmação não é hipótese: os irmãos Duffer foram procurar o mesmo ateliê de efeitos visuais que costuma trabalhar com Del Toro, a Spectral Motion. Repare como o monstro que raptou Will (e que vai sendo mostrado beeeeeem aos poucos, como em Tubarão) lembra algumas das criaturas de Hellboy e O Labirinto do Fauno. A segunda afirmação é suposição minha, mas eu apostaria as moedinhas perdidas aqui em casa nela: é verdade que Corrente do Mal se inspira muito no cinema de John Carpenter, mas Stranger Things, em certos planos mais longos e estruturados, em que o tempo parece estar suspenso, dá pistas de se inspirar no original e também na releitura.


Eles têm um talento instintivo para escolher crianças.

divulgação

Não me encantei de cara com os amigos de Will (Noah Schnapp), o menino desaparecido. Achei Mike (Finn Wolfhard), Dustin (Gaten Matarazzo) e Lucas (Caleb McLaughlin) um pouco estridentes no início, e me pareceu que a maneira como os personagens eram escritos (o sensível, o espertinho e o encrenqueiro) não lhes estavam fazendo grandes favores. Mas, assim que a história começou a ganhar corpo e eles puderam se alargar nos personagens, minha impressão se transformou completamente: não só eles foram os três muito bem escolhidos, como Millie Bobby Brown, que se junta ao grupo, me deixou sem chão: que baita atriz. No papel de Eleven, a menina de cabeça raspada que Mike esconde em casa e que é a chave para o mistério da trama, Millie sabe coisas sobe atuar que bons atores que estão há décadas na profissão nunca vão saber. Se é para fazer referência aos anos 80, aqui vai a minha: ver Millie Bobby Brown em cena é como ver pela primeira vez Christian Bale, aos 13 anos, em Império do Sol.


E eles também não fazem feio com os adolescentes.

divulgação

O triângulo romântico que tem seu vértice em Nancy (Natalia Dyer), a irmã mais velha de Mike, também começa meio rotineiro: garota certinha e estudiosa é tratada como um troféu pelo bonitão (e galinha) Steve (Joe Keery), mas tem uma quedinha pelo pária da escola, Jonathan (Charlie Heaton), o irmão mais velho do sumido Will. Mas, ponto positivo: ninnguém é lindo demais, e todo mundo tem cara de gente de verdade. E, da mesma forma que nos filmes adolescentes de John Hughes, porém, esse arranjo entre os três vai ganhando tonalidades diferentes. No final, o que se trata aqui é de algo bem mais sério do que escolher entre este ou aquele namorado: o que está em jogo é que tipo de pessoas Nancy, Jonathan e Steve querem se tornar. Dito isto, eu, se fosse ela, ficava com Jonathan, que tem um gosto musical muito bom – ou pelo menos igualzinho ao meu.

46 comentários em “Stranger Things”

  1. Assim como muitos, vivi e bem vivido, principalmente os anos 80.
    Conheci a série através de meu filho, adolescente, amante de filmes e séries, que lamenta não ter vivido nos anos 70 e 80, pois, ama tudo da época, como filmes e música.
    A série é, realmente, uma pérola, apanhado de filmes, experiência de vida, para crianças, através das brincadeiras e liberdade, que não mais existe e a vida, digamos assim, pacata e sem preocupação dos adultos, que todos nós, invejamos atualmente.
    Concordo contigo Isabela, quanto a atuação da Winona, dos adolescentes e principalmente das crianças, que dão um show.

    Curtir

  2. Eu simplesmente amei! Para quem viveu nos anos 1980 é evidente a preocupação da produção com cada detalhe. O elenco cativa e o roteiro é competente. A única coisa da qual não gostei (para minha decepção) foi a atuação histriônica de Winona Ryder.

    Curtir

  3. eu nasci em 83 e me apaixonei muitoooo pela série num plano geral ….imagino como deve ser pra quem realmente viveu e se lembra bastante dessa época (já que eu não tenho como me lembar de muita coisa). Amei, amo e vou amar essa série pra sempre kkk. Super ansiosa para a segunda temp..

    Curtir

  4. Isabela, você feriu-me profundamente quando disse que Winona “é a mais fraca” de todo o elenco. Ah, também acho a Minnie Bobby Brown muito parecida com Winona quando jovem.

    Curtir

  5. Realmente, quem tem de 40 para cima vai, assim como eu, achar delicioso assistir essa série, referencia aos anos 80 tem aos montes, posters de filmes, musicas, roupas quem viveu essa época vai se esbaldar, mas não só por isso, meus filhos assistiram a serie toda já e adoraram.

    Curtir

  6. Legal também é referencia aos projetos secretos do governo americano, MK ultra e espionagem remota, pra um ã de teorias da conspiração isso é um prato cheio.

    Curtir

  7. Muito bom Isabela, assisti os 8 capitulos neste ultimo fim de semana, e é verdade o clima dos anos 80 transborda a tela, chega a ser lírico pra mim que vivi aquela época, desempenho das crianças é extraordinário, assim como do David Harbour, tocante a história dele que o levou a cidadezinha, espero que a série continue, só acho dificil, mas, vou achar sensacional se conseguir manter o nível desta temporada.

    Curtir

  8. Resenha muito boa, parabéns!
    – “Mas, ponto positivo: ninguém é lindo demais, e todo mundo tem cara de gente de verdade.”
    Sobre a escolha dos atores, também me chamou a atenção esse fato de nenhum ser super bonito (nem o bonitão, ou a queridinha), que o xerife é meio barrigudo, e por ai vai. Gostei disso.

    Curtir

  9. Em entrevista, os Duffer Brothers disseram que nunca foram muito fãs de televisão, mas que assistiam The X-Files, gostavam principalmente dos episódios de “monster of the week”. Se tratando de uma série de televisão com paralelos inegáveis entre Stranger Things e X-Files, grande erro deixar essa referência de lado no texto.

    Curtir

  10. ISABELA, É INCRÍVEL como você sabe passar para palavras o que agente sente pelos filmes. Tudo que eu senti por essa série você descreveu com maestria, nós somos almas gêmeas kkkkkk

    Curtir

    1. Os comentários da boscov sao cansativos e rebuscados. Não é pq o tema é cinema q precisa passar ar de intelectual. Tem um artigo do J R guzzo na veja de 2015 sobre o stf e suas falas rebuscadas na época do mensalão.

      Curtir

  11. Isabela, não se trata de como sem tecnologia, e todos os penduricalhos de hj , algo pode agradar, o que agrada é uma boa estória e bem contada,sem saudosismo, ou o que o valha, a identificação de época, com os mais velhos é natural, pois vivemos isso… sendo assim, o público seria apenas de meia idade para cima, e tem agradado à todas faixas etárias. Aqueles tempos eram marcados pelas pessoas e suas mentalidades, nitidamente mais completas, autenticamente individuais e menos deslumbradas com a portabilidade, conectividade e etc, que aliás surgiu com o rádio portátil à pilha, só mudou o formato, as mesmas que se esquecem que este Admirável Mundo Novo, não foi sequer imaginado ou criado por elas, e sim por essas supostamente tecnologicamente atrasadas, lá atrás. O cover de outros roteiros,e filmes, é feito todo dia , principalmente pela Rede Globo, e outras emissoras, a série é boa porque a estória é boa e bem contada.

    Curtir

    1. O que é muito ruim são os comentários imbecis de pessoas pseudo intelectuais. Estão em todos os lugares. Parabéns pela crítica e análise. Perfeita. Muito bem escrita e verdadeira. Só para finalizar, um dos imbecis abaixo falou sobre saudosismo. Quem teve o que esses meninos da série tiveram e quem viveu a época desses filmes citados no texto são de uma sorte que as gerações que nos procederam não podem SABER o como tudo isso foi delicioso. Procurar pokémom agora é que é o legal. Então tá.

      Curtir

    2. Cara, você sim descreveu a série, não tinha lido seu comentário antes de eu comentar ali embaixo. Parabéns por sua análise, não fez a série ficar parecendo algo chato e cult demais como ela fez parecer.

      Curtir

    1. Julia, tem uma baita de uma faixa amarela no início da resenha com os seguintes dizeres: “Atenção. Pessoas mais sensíveis podem achar que contém Spoilers”. Parece um aviso pra mim.

      Curtir

  12. Só discordo da análise em um ponto: Winona está muito bem no papel. Suas cenas tentando se comunicar com o filho são realmente tocantes e, veja bem nunca fui muito fã dela…no mais série maravilhosa.

    Curtir

  13. Pessoal, várias pessoas apontaram meu erro: no texto original, eu equivocadamente atribuía a versão de Heroes a Phil Collins. Imperdoável mesmo. Meu único atenuante é que fico meio transtornada quando alguém mexe com o Bowie.

    Curtir

    1. olha isabela no filme imperio do sol vim saber a pouco tem que se tratava de Christian Bale , pois eu ficava pensando, por onde anda aquele talentoso garoto , e era o batmam e eu nem percebi , um abraço a voce

      Curtir

  14. Nasci em 81…sinceramente, meu coração se encheu de ternura assistindo a essa série. Terminei de ver a temporada ontem e já estou ansiosa esperando a próxima. Foi amor a primeira assistida. Não concordo com a critica feita a Winona Rider, achei ela excelente no papel, um grande retorno para uma atriz que andava sumida há um bom tempo. Todo o elenco me encantou, a ”eleven”, o Dustin…até o Will que quase não apareceu na temporada. Nossa…muito amor envolvido por Stranger Things. Quero mais!!!!

    Curtir

  15. Isabela, uma correção: a versão que você colocou como imperdoável de Heroes, é na verdade do Peter Gabriel e não do Phil Collins. Apesar de ambos serem oriundos da mesma banda (Genesis) são coisas bem diferentes. 🙂

    Curtir

  16. Comecei assistir essa série ontem e, CARACA! É boa demais!!! Tenho 44 anos e os anos 80 fizeram parte de minnha vida, me identifiquei muito: os amigos, as aventuras, a liberade de poder se divertir na rua sem adultos por perto, as músicas, etc. Excelente atuação dos atores, suspense de arrepiar, trilha sonora fantástica. Nota dez!

    Curtir

  17. Prezada Isabela, a versão de Heroes que aparece na séria, se não me engano no final do episódio 2, é interpretada por Peter Gabriel, não Phil Collins. A bola fora foi sua. Além do mais, naquele momento dramático da série, a música caiu como uma luva. Como pôde criticar uma interpretação tão sensível de Gabriel? A cena e a música são simplesmente comoventes! Abraços de um fã que viveu intensamente os anos 1980.

    André Paes Leme

    Curtir

  18. Só não vivem nesse mundo mágico porque não querem, eu vivo nesse, pouco me importam a redes sociais, e esse imposição da tecnologia, só uso o necessário e o que veio para melhorar a vida.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s