Divulgação

My Mad Fat Diary, The Inbetweeners, Misfits

Três séries adolescentes inglesas que vão muito bem para gente grande

Você acha que série para adolescente tem de ser sempre aquela coisa superficial e maldosa de Pretty Little Liars e Gossip Girl, ou superficial e desmiolada como Once Upon a Time e The Vampire Diaries? Nananinanão. Não mesmo.

Divulgação
My Mad Fat Diary

Neste momento, por exemplo, estou apaixonada por uma série que descobri no NOW: mal posso esperar o fim da noite para assistir a mais um episódio de My Mad Fat Diary, sobre a tumultuada reentrada de Rachel Earl no mundo real, depois de um período de internação psiquiátrica. Rachel – ou Rae, como gosta de ser chamada – tem 16 anos, muitos quilos a mais do que desejaria e menos amigos do que gostaria. Não lembra do pai, que deu no pé quando ela era bem pequena. E, claro: se dá mal com a mãe (Claire Rushbrook); se acha feia; tem certeza que todo mundo a acha esquisita. Alguns meses antes, em um dia de desespero particularmente intenso, Rae cortou os pulsos – daí a internação. Agora, o psiquiatra que a atende (Ian Hart, maravilhoso no papel) acredita que está na hora de ela retomar a vida.

Rae está apavorada com a ideia. Mas por acaso ela reencontra sua melhor amiga de infância, a miss perfeição Chloe (Jodie Comer), e toma coragem para ir ao pub com a turma dela. Surpresa: não que é Rae seja um sucesso de cara – mas, pouco a pouco, Chop (Jordan Murphy), Izzy (Ciara Baxendale), Archie (Dan Cohen) e Finn (Nico Mirallegro) vão se acostumando com ela, e então começando a gostar dela e, inacreditável (é o que Rae acha), em algum momento começam a considerá-la parte deles. O que Rae não percebe é quanto ela é inteligente, viva, cheia de humor, meiga e encantadora. Aliás, a série é escrita de forma a que também o espectador demore um pouquinho a apreciá-la. Mas, quando a paixão vem, ela é fulminante: estou na segunda temporada (são três, todas com seis episódios ou menos) e já entrei naquele modo desespero – o que é que vai ser de mim quando Rae tiver saído da minha vida?

O mérito pelo que My Mad Fat Diary tem de bom (e é muita coisa, da franqueza com que trata dos problemas de Rae ao senso de humor delicioso) tem de ser repartido. Metade vai para os roteiristas e diretores, metade para o elenco. Em especial, para a excelente Sharon Rooney, que interpreta Rae com inesgotáveis conhecimento de causa, empatia e riqueza de personalidade. Rae é perfeita do jeito que é, e eu só espero que ela não seja a última a se dar conta disso.

Divulgação
The Inbetweeners

The Inbetweeners, outra série inglesa com que eu me diverti muito (essa está no Netflix), segue esse mesmo mote da convivência em turma. É mais sem compromisso e engraçadinha do que My Mad Fat Diary, mas vale a pena também. O peixe fora d’água aqui é Will McKenzie (Simon Bird), que teve de sair de sua escola particular chique depois do divórcio dos pais e ir enfrentar a sorte numa escola pública, onde todos o acham um idiota. Will é mesmo meio sem-noção, mas é muito boa gente. E, de tanto insistir, acaba se juntando a uma turma que não é lá o auge da popularidade, mas também não é o último degrau da escala social escolar a que ele parecia predestinado. Will e os amigos interpretados por Simon Cooper, James Buckley e Blake Harrison têm um repertório fixo de angústias: como serem servidos no pub (eles são menores de idade); como conseguir que os convidem para festas; como ganhar uma garota; como fazer para esquecer que os pais existem. A cada episódio das três temporadas, as respostas a esses problemas variam, mas também nunca solucionam nada, claro. Na verdade, acabam virando um inventário das humilhações infinitas (e divertidíssimas, a posteriori) da adolescência. Cuidado: há também um longa-metragem de The Inbetweeners no Netflix, mas ele deve ser visto como encerramento das três temporadas.

Divulgação
Misfits

A mais sui generis desse trio de séries é Misfits (“desajustados”), que também está no Netflix. Cinco delinquentes juvenis estão cumprindo uma pena de serviço comunitário quando são atingidos por uma tempestade e desenvolvem poderes estranhos: um faz o tempo voltar, outro às vezes fica invisível, uma garota lê pensamentos, a outra desperta uma fúria libidinosa em quer que a toque – e o quinto garoto, o engraçadinho da turma, não consegue de jeito nenhum descobrir qual seu superpoder (além do de chatear o espectador; fiquei feliz quando o personagem saiu de cena e foi trocado por um outro engraçadinho bem mais simpático). Misfits é uma combinação nem sempre harmoniosa de realismo e fantasia, mas vai fundo nas caracterizações – para quem só assiste a séries americanas, vai ser um choque o jeito desencanado com que os ingleses tratam de sexo, álcool e drogas nessa faixa etária. Aos poucos, porém, ela vai acertando o passo. E dois dos atores valem tudo: Iwan Rheon, que é também o formidável Ramsay Bolton de Game of Thrones, e Lauren Socha, que faz a leitora de mentes. Repare como eles vão ganhando terreno sobre o restante do elenco: está na cara que o plano era que outros atores tivessem mais peso, mas Iwan e Lauren não demoram a deixar todo mundo comendo poeira.

3 comentários em “My Mad Fat Diary, The Inbetweeners, Misfits”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s