Divulgação

The Walking Dead – O Final da 6ª Temporada

Ou seria fim de feira?


Atenção: tem SPOILERS, claro.


Nunca fui muito com a cara de Jeffrey Dean Morgan, por aquelas razões insondáveis com que a gente vai ou não vai com a cara de alguém. Mas ele fez valer os minutos derradeiros do episódio 6:16 de The Walking Dead, em que o tão falado Negan finalmente aparece: tenho muito mais medo de vilões bem-humorados do que de vilões de cara feia, porque deduzo que os bem-humorados têm prazer no que fazem e, portanto, fazem-no mais e melhor. Só não vou dizer que os minutos passados na companhia de Negan foram os únicos desta sexta temporada que não me pareceram uma completa perda de tempo porque: 1) o segundo episódio, JSS (“Just Survive Somehow”), em que se vê como a garota Enid (Katelyn Nacon) chegou a Alexandria, está ombro a ombro com os melhores de TWD; 2) adorei a participação especial de John Carroll Lynch no quarto episódio, Here’s Not Here; 3) até a volta de TWD, em outubro, ainda posso crer que talvez nem Eugene (Josh McDermitt) nem Abraham (Michael Cudlitz) sejam a vítima misteriosa de Negan – e Eugene e Abraham são os únicos personagens pelos quais ainda tenho alguma afeição genuína e com cujo destino me importo.

Divulgação

E ponto final. Encerra-se aí o meu balanço dos pontos positivos desta etapa de uma série que, até a quinta temporada, era uma das mais espetaculares que a TV americana produziu desde sua grande virada do final da década de 90. TWD, hoje em dia, vive de pedaladas – não fiscais, mas narrativas. As interações entre os personagens não traduzem mais nada dos pontos dramáticos ou morais que estão em jogo: tudo tem de ser explicado e mastigado, em diálogos fraquíssimos. Nem em filme independente se discute tanto a relação. Rick, sempre um líder tão interessante nos seus recuos e avanços, foi totalmente descaracterizado e virou um rato que ruge: os seus dois grandes planos, que formaram os eixos das duas metades desta temporada (livrar-se dos zumbis da pedreira e eliminar os Sobreviventes), provaram-se ambos fiascos lógicos e logísticos. Andrew Lincoln era a âncora da série, e fizera por merecer esse posto. Mas, graças ao surto de idiotia a que submeteram seu personagem, foi reduzido a um ator que fala de jeito ofegante. (É até possível que, com a destituição de Rick por Negan e a escravização do grupo de Alexandria, a série consiga recobrar algo da sua urgência. Eu, porém, não pretendo perder dinheiro apostando nisso.)

Divulgação

TWD, além disso, agora faz que mata um personagem central e daí diz: brincadeirinha, ele não morreu. Recorre ao truque fajuto dos personagens transitivos (como a dra. Denise de Merritt Wever), que não exigem nem conquistam nenhum investimento emocional do espectador: eles servem apenas para fazer um ponto qualquer do enredo avançar e, esgotada a sua utilidade, são descartados sem maiores cerimônias e sem deixar saudade. Dispersa-se em enredos secundários que, curiosamente, lembram muito as encheções de linguiça de novela das 9 – sintoma inequívoco de que os roteiristas têm tão pouca coisa de interesse real a propor que precisam economizar para ocasiões “especiais”. Finalmente, tendo já encerrado a midseason em enganação, com um falso gancho, sucumbe agora à covardia mais nua: quer saber quem Negan matou? Então sente e espere – para, no dia 9 de outubro, provavelmente decepcionar-se mais uma vez, neste mesmo horário e neste mesmo canal.

twd6_final3

5 comentários em “The Walking Dead – O Final da 6ª Temporada”

  1. A adaptacão feita pela telltale games dos quadrinhos continua sendo muito mais inteligente/íntima que o da série da AMC. É uma pena que eles fiquem com uma audiência tão pequena no Brasil, principalmente pela falta de dublagem

    Curtir

  2. Olá Isabela, você acredita que sendo eu um devorador de séries nunca tive a coragem de assistir twd. Mesmo com a insistência de amigos e filhos, sempre tive um certo preconceito. Mas lendo sua crítica e percebendo que vc gosta da série me arrisco a entrar nesse mundo. Abraço!

    Curtir

  3. Realmente, os pontos elencados no texto demonstram a inanição criativa dessa sexta temporada da série. Talvez o formato de 16 episódios não seja mais sustentável para manter a força dramática da narrativa, e temporadas mais curtas como a primeira e a segunda poderiam atingir maior densidade.
    Isabela, não gostou do episódio “The Same Boat”? O ângulo feminino presente nele foi mais vigoroso que muita coisa na temporada…

    Curtir

    1. Se bem que The Killing que vale é só as duas primeiras temporadas, que passaram na AMC. Mas por gostar tanto daquele universo não resisti ver até o fim.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s