divulgação

Conspiração e Poder

Robert Redford é o remédio de que Cate Blanchett precisava

Quem costuma acompanhar minhas resenhas sabe que tenho sido bem severa, digamos assim, com Cate Blanchett: na última década, ela se tornou uma atriz narcisista, dessas que sugam todo o oxigênio à sua volta, e tão encantada com seu talento e técnica que, como eu já disse a propósito de Carol, me sinto dispensada de me encantar também. Daí a minha agradabilíssima surpresa: em Conspiração e Poder, ela volta a ser a atriz destemida e quase feral que vi pela última vez em Notas Sobre um Escândalo, de 2006. Pode ser coincidência, ou pode ser resultado de uma relação direta de causa e efeito, mas, em Notas, ela contracenava com outra atriz “alfa” (e infinitamente menos vaidosa), Judi Dench. E, em Conspiração e Poder, ela contracena com Robert Redford, um dos atores mais seguros e compenetrados, e menos demonstrativos, que o cinema americano produziu. Redford pertence a uma geração que considera indecentes as manifestações de vaidade e egocentrismo – e a serenidade dele é um contraponto imensamente benéfico para Cate.

divulgação

Aos fatos: em 2004, a produtora de jornalismo da rede CBS Mary Mapes (Blanchett) topou com uma história potencialmente explosiva: os indícios de que ao terminar a faculdade, em 1968, George W. Bush usara as excelentes conexões de sua família para cumprir seu serviço militar como piloto na Guarda Nacional do Texas, beeeeem longe do combate na Guerra do Vietnã. E os indícios sugeriam também que, durante os anos passados na Guarda Nacional, Bush flauteara à vontade, às vezes ausentando-se do dever por períodos prolongados. Esses boatos, na verdade, circulavam havia muito tempo; mas agora o que se prometia era documentos que poderiam comprová-los de forma inequívoca. Amiga, pupila e parceira profissional de longa data do âncora Dan Rather – um dos ícones do jornalismo americano e um emblema de integridade –, Mary Mapes propôs a Rather (Redford) fazer a reportagem como um segmento do programa 60 Minutes; o presidente da CBS (Bruce Greenwood) topou, Mary montou uma equipe (que aqui inclui Dennis Quaid, Topher Grace e Elisabeth Moss) e mergulhou na apuração.

divulgação

Para os americanos, fugir do dever militar (e durante a Guerra do Vietnã a convocação para as Forças Armadas era obrigatória) ou falsear registros do serviço militar são ofensas gravíssimas – não só do ponto de vista da lei, mas mais ainda, até, do ponto de vista ético e moral. Uma denúncia como essa seria um escândalo para Bush, que então era presidente e estava em plena campanha à reeleição. Ou, melhor dizendo, seria mais um escândalo: havia pouco, estourara a revelação de que soldados e oficiais americanos torturavam sistematicamente prisioneiros em Abu Ghraib, no Iraque. E quem trouxera a notícia de Abu Ghraib a público em primeira mão? Ela própria, Mary Mapes.

divulgação

O que aconteceu no decorrer da apuração conduzida por Mapes & equipe sobre o caso Bush, porém, foi um um tumulto de proporções colossais. A exibição da reportagem no 60 Minutes foi antecipada em várias semanas; Mary apressou o trabalho e negligenciou certos aspectos cruciais da verificação. Não vou dizer o quê, precisamente, nem contar as consequências, porque o filme contém muitos desdobramentos inesperados para quem não conhece ou não se lembra do caso.

divulgação

O que posso dizer sem estragar surpresas é, primeiro, que Conspiração e Poder é muito mais elucidativo dos dilemas do dia a dia do jornalismo investigativo do que Spotlight – simplesmente porque é muito mais comum que as apurações transcorram nessas zonas cinzentas retratadas aqui: o que uma fonte tem a ganhar com sua revelação? A que interesses ela pode estar atendendo, saiba deles ou não? As provas que chegam às mãos dos repórteres são autênticas? Mesmo que sejam, haveria outras provas, posteriores, que possam colocar em jogo essas que se está examinando? Numa reportagem sobre padres que abusam de crianças os contornos morais são tão nítidos que não há como questioná-los; há um lado certo e um lado errado, e pronto. Em geral, porém, as apurações vêm eivadas de dúvidas e incertezas.

divulgação

A segunda coisa que posso revelar é que Conspiração e Poder assumidamente narra o lado de Mary Mapes dessa história: o filme escrito e dirigido por James Vanderbilt (que escreveu o roteiro de Zodíaco para David Fincher) se baseia nas memórias que Mapes escreveu sobre o episódio, e a versão dela difere consideravelmente do veredicto que se costuma dar sobre o caso. Para um espectador brasileiro, pode parecer que a visão contrária está sendo descartada ou atropelada – mas ela é tão conhecida do público americano que a acusação não se aplica (e, de novo, o filme anuncia com todas as letras ser uma adaptação do livro de Mapes).

divulgação

Finalmente, e voltando ao ponto inicial: é eletrizante ver como Cate Blanchett se põe aqui a serviço do seu papel (em vez de colocar o papel a seu serviço, como de hábito) e ataca a personagem com gana. Cate destrincha e desmonta Mary Mapes, e então a monta de novo, peça por peça. Seu tempo em cena junto com Robert Redford nem é tão grande assim, mas é ele, nitidamente, a pedra de toque dessa revigoração: ao contrário de Cate, Redford não ataca o papel de Dan Rather; ele deixa que as qualidades pelas quais é conhecido – a seriedade, a autoridade natural, o senso de humor discreto, o caráter – pouco a pouco se mesclem com as do personagem, até que ambos passem a ser uma só pessoa. É uma abordagem que areja, ventila. E que, no toca a Cate Blanchett, transforma.


Trailer


CONSPIRAÇÃO E PODER
(Truth)
Estados Unidos/Austrália, 2015
Direção: James Vanderbilt
Com Cate Blanchett, Robert Redford, Topher Grace, Dennis Quaid, Stacy Keach, Bruce Greenwood, Elisabeth Moss, John Benjamin Hickey, Dermot Mulroney
Distribuição: Mares Filmes

7 comentários em “Conspiração e Poder”

  1. Gostei bastante do filme. Uma pena que ele tenha passado praticamente despercebido e sido engolido entre os filmes do circuito de premiações. Ofuscado até mesmo pela própria atriz protagonista, que ganhou bastante destaque com Carol. (Será que se Carol não estivesse no páreo, esse filme ganharia mais luz pela atuação de Cate?)

    Uma boa história com boas atuações. Também achei que o diretor mandou bem, sendo seu primeiro trabalho.
    Pena que tenha flopado. Espero que ganhe mais atenção na vida pós-cinema

    Curtir

  2. (Ah, eu odeio essa minha pressa em postar comentários sem fazer revisão de texto… agora todo mundo pode ver meus erros de ortografia…)

    Lendo a matéria em versão impressa na VEJA, notamos como é bem mais vantajoso acompanhar as suas resenhas em versão completa neste blog: maiores, mais profundas e mais instigantes. O que no espaço reduzido do papel fica limitado a uma mera crítica, aqui na web cresce para se tornar um verdadeiro tratado acadêmico. Por isso recomendo este seu site a todos.

    Curtir

  3. Texto muito bem embasado, estruturado, porém peca em um aspecto fundamental: passa de uma crítica de alguns atores para vincular o filme a outro que acaba de vencer prêmios importantes… Passa a impressão ao leitor que a autora considera o filme em questão melhor do que o vencedor do Oscar, o que não estava em discussão na crítica à dupla de atuação!!!

    Curtir

    1. OK, Tony. Mas veja por esse lado: ambos os filmes tratam de jornalismo investigativo. É inevitável essa correlação. De qualquer maneira, Boscov apenas citou o outro filme ligeiramente, quase como uma nota de rodapé, sem tornar o Oscar um cavalo de batalha. Na verdade, foi mesmo necessária e oportuna essa comparação lateral com ‘Spotlight’ para ressaltar uma qualidade que ‘Conspiração e Poder’ compartilha com vantagem bem superior. É uma questão de lógica traçar esses paralelo entre as duas obras contemporâneas, como irmãs. Para qualquer analista de cinema, omitir esse fato seria uma omissão imperdoável. Então, Boscov apenas cumpriu o dever dela.

      Curtir

  4. Sobre o filme:

    “ ‘Conspiração e Poder’ é muito mais elucidativo dos dilemas do dia a dia do jornalismo investigativo do que ‘Spotlight’ — simplesmente porque é”… um filme sobre o próprio ofício do jornalismo investigativo. É inevitável que seja assim, pois o foco do enredo se concentra 100% nisso como tema principal, mais até do que o escândalo da ficha militar de Bush Junior. Seria até imperdoável se ‘Conspiração e Poder’ NÃO fosse mais elucidativo disso do que ‘Spotlight’, cujo tema principal é o objeto da investigação na Igreja, que ocupa mais de 70% do tempo e dos esforços. Auto-explicativo. De qualquer maneira, você está certa quanto ao fato subjacente de que “é muito mais comum que as apurações transcorram nessas zonas cinzentas retratadas aqui.” Triste verdade. Foi essa neblina encobrindo o chão que impediu uma grande jornalista investigativa de enxergar quão pantanoso era o terreno que ela pisava. Areia movediça pura.

    Curtir

  5. Sobre este artigo:

    Taí uma coisa que falta em 99% dos textos da crítica cinematográfica em qualquer época e país: cultura do tema, ou seja, um vasto conhecimento das atitudes na arte da atuação — e um vocabulário acurado para iluminar o leitor, como o termo “demonstrativos”. Só mesmo em artigos como este é que nós ficamos sabendo de “atores mais seguros e compenetrados, e menos demonstrativos” e aprendemos que nos anos 70 os atores surgiram em “uma geração que considera indecentes as manifestações de vaidade e egocentrismo.” São essas nuances e sutilezas que escapam por completo á quase totalidade dos jornalistas — que dirá então do público de cinema. A maneira como você descreve os diferentes estilos de atuação(e de direção é empolgante. Nos leva a examinar tudo com um novo olhar: mais atento, mais minucioso, mais crítico.

    Parabéns. Seu trabalho, ou melhor, sua arte de analisar, refletir e escrever evolui sem parar, e seu estilo fica cada vez mais refinado como os melhores vinhos.

    Curtir

  6. Isabela, você não tem ideia de como fico feliz ao vê-la elogiando a minha atriz favorita. E as suas primeiras palavras a respeito da minha atriz preferida já me fizeram esquecer o quanto você tem sido implacável com a estupenda Cate Blanchett. Belíssima crítica. Para me deixar radiante, quem sabe um dia você reconheça que a Jennifer Lawrence não é tudo isso que Hollywood pinta.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s