divulgação

O Quarto de Jack

Neste candidato ao Oscar, uma história que chega a dar vertigem

Vai que você ainda não sabe nada da história – nem quem é Jack, nem por que ele tem um quarto, nem o que acontece no quarto em questão. Isso cria um problema: como é que eu vou explicar por que o filme é surpreendente sem estragar a surpresa?

Tentemos assim: surpresa não é exatamente a melhor palavra; “revelação” seria mais adequado, já que é terrível a situação que o filme do diretor irlandês Lenny Abrahamson retrata (e que, lá pela metade, será virada de ponta-cabeça). Jack, que tem 5 anos, e sua mãe, que tem uns 20 e poucos, moram num quarto de 3 x 3 metros, sem janelas, com uma claraboia no teto e uma porta com fechadura eletrônica. Jack não faz ideia de que é anormal viver assim. O mundo dele é completo: consiste de Quarto e tem Mãe, Cama, Relógio, Tapete, Armário (e, a certa altura, para enorme excitação dele, tem também Camundongo). Tudo com maiúsculas mesmo: como nunca viu outro exemplar de qualquer uma dessas coisas, Jack não tem compreensão do que seja um substantivo comum; todos, para ele, são nomes próprios. Jack, aliás, não imagina que “mãe” e “filho” possam ser palavras aplicáveis a um sem-número de mulheres e meninos. No seu mundo, só há Eu e Mãe.

divulgação

De forma que, quando Mãe começa a insistir na existência de um Lá Fora e explica que esse é um lugar em que cabem infinitas pessoas e objetos, Jack resiste, nega, se fecha: como qualquer criança pequena, ele é avesso a perturbações na sua ordem – e pressente que Lá Fora não é uma perturbação qualquer, mas uma revolução na ordem cósmica do seu universo, um rearranjo que vai pôr fim à sua singularidade e à exclusividade entre ele e Mãe. Nem ele nem sua mãe, contudo, imaginam o ataque aos sentidos que será sair de Quarto. Mas, graças ao talento de Jacob Tremblay (que estava com 8 anos quando filmou), a plateia consegue, sim, imaginar muito bem o seu atordoamento.

room_mat2

Roteirizado pela escritora irlandesa Emma Donoghue a partir de seu próprio romance, O Quarto de Jack tenta imaginar como poderia ser a experiência real em que o livro se inspirou, de um caso muito noticiado. Mas o faz não do ponto de vista do adulto que tem de suportar o confinamento, e sim da perspectiva da criança para a qual ele é a única coisa conhecida – e então inverte seus elementos centrais a partir da metade da história. Como exercício teórico, já seria interessantíssimo; e imaginar que existem corrrespondentes concretos para essa experiência imaginada chegava a me causar vertigem enquanto eu lia o livro. Em uma entrevista curtinha que fiz por telefone com a atriz Brie Larson, aliás, ela disse que se recusou terminantemente a imaginar as coisas de que ela própria mais sentiria falta se estivesse no lugar da mãe, dentro do quarto, por achar que o papel se tornaria então insuportável. (Neste momento, Brie é favoritíssima ao Oscar, e O Quarto de Jack concorre também nas categorias de melhor filme, direção e roteiro.)

divulgação

Mas, se no livro a experiência sensorial de Quarto e de Lá Fora é o mais interessante, o filme privilegia outro aspecto: a turbulência emocional. E assim, na segunda metade, abre espaço para explorar o choque não só de Jack, mas também o de sua mãe, na sua tentativa de se ajustar a um mundo dos quais eles estavam ausentes – além do drama da família em receber de volta alguém que julgava perdido. Me fez lembrar um pouquinho aquela série francesa Les Revenants, em que pessoas mortas há anos ou décadas subitamente reaparecem vivas, do jeitinho que estavam antes de morrer: passado o primeiro momento de alegria em ter de volta um ente querido, o sentimento dominante é o de confusão – como abrir de novo um espaço que já estava totalmente fechado? No saldo final, porém, talvez o mais bacana de O Quarto de Jack seja sua visão do amor materno: uma coisa tão obstinada que, se para o filho ser feliz é preciso fazê-lo acreditar que o mundo é um quarto, Mãe não hesita em ensinar Jack a amar o que ela própria mais detesta.

P.S.: Tenho ouvido teorias um bocado bizarras sobre o cabelo comprido de Jack. Calma com a imaginação, pessoal: por razões que logo são compreendidas por quem assiste ao filme, no quarto não há tesouras nem qualquer outro objeto cortante. Repare na faquinha de plástico vagabunda que Jack e Mãe usam quando estão preparando uma refeição. Impossível cortar cabelo com ela.

E outro P.S.: Vale a pena ver o filme anterior de Lenny Abrahamson, Frank – aquele em que Michael Fassbender fica o tempo todo com a cabeça enfiada em uma máscara. Saiu em DVD por aqui.


Trailer


O QUARTO DE JACK
(Room)
Irlanda/Canadá, 2015
Direção: Lenny Abrahamson
Com Brie Larson, Jacob Tremblay, Joan Allen, William H. Macy, Sean Bridgers, Tom McCamus
Distribuição: Universal

7 comentários em “O Quarto de Jack”

  1. Impossível não lhe parabenizar por esta resenha. Esta é a primeira critica que não solta nenhum obvio spoiler sobre o filme, o que realmente é muito difícil. Você foi extremamente inteligente em seu texto. Parabéns. Li o livro e me lembro que na primeira noite só consegui larga-lo quando eles sairam do quarto, mas até hoje digo, que ele saíram do Quarto,mas o Quarto nunca saiu de mim.

    Curtir

  2. Room é uma obra-prima! Amei e me emocionei com vários de seus aspectos. Mas aqui vou destacar um. Sou enfermeira e pra mim, mais do que filmes sobre doença, este é o tipo de filme perfeito pra gente que cuida de gente. A “turbulência emocional” de que Isabela fala às vezes é tão difícil de manejar quanto a própria doença. Room fala da capacidade de adaptação do ser humano diante das situações mais complexas; da postura das pessoas frente ao sofrimento psíquico umas das outras; da capacidade (ou incapacidade) de seguir em frente após uma mudança brusca e imutável nos planos; um treinamento para não julgar as pessoas – spoiler – no caso do pai da ‘Mãe’; fala de frustração, amor de mãe…
    Em fim, assim como “As Horas” de 2002, esse é um filme que por anos eu vou continuar indicando, assistindo, me emocionando e aprendendo… O Oscar já é de Brie, merecidamente. Sei que Isabela não concordaria, mas queria que o Jacob tivesse pelo menos sido indicado. Destaco aquela cena dele brigando aos gritos com a Mãe e a cena – spoiler – do cachorrinho chegando. Excelentes! Ele estava realmente dominando como tinha que fazer.
    Quem puder assista. É pesado, por vezes mto triste, mas não tem como não amar!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s