120 Anos de Cinema, 120 Filmes #1

Os 120 filmes que eu sempre paro para ver e rever.

Sabe quando você está fazendo aquela ronda dos canais na TV e daí passa por uma cena de, digamos, O Poderoso Chefão ou Um Sonho de Liberdade – e estaciona ali na hora, e simplesmente não consegue mais avançar para o canal seguinte?

Pois esse é o critério adotado nesta seleção que comemora os 120 anos de cinema a partir de hoje, 28 de dezembro – data em que os irmãos Lumière fizeram a primeira exibição pública de seu cinematógrafo, em Paris, em 1895. Hoje você encontra aqui os filmes de #1 a #30. A seleção vai rolar durante quatro dias, com 30 títulos por dia, em ordem alfabética. Muitos dos filmes que eu escolhi são indiscutivelmente obras-primas; outros renderiam um bocado de discussão. E alguns vão fazer muita gente torcer o nariz. Mas todos eles têm esse mesmo efeito sobre mim: são irresistíveis, e nunca consigo deixar de revê-los.


Aconteceu Naquela Noite

120_001

(It Happened One Night, 1934)
Direção: Frank Capra

Eu sei de cor tudo que vai acontecer, desde o momento em que a socialite fujona Claudette Colbert conhece o jornalista cínico Clark Gable até a última cena. Mas é sempre como se fosse a primeira vez: uma surpresa atrás da outra.
* O contrabando: outra jóia das comédias românticas da era de ouro é Cupido É Moleque Teimoso (The Awful Truth, 1937), de Leo McCarey, com Irenne Dunne e Cary Grant


Acossado

120_002

(À Bout de Souffle, 1960)
Direção: Jean-Luc Godard

Jean-Paul Belmondo rouba um carro, mata um policial; seduz (ou deixa-se seduzir) por Jean Seberg, com um corte de cabelo à la garçonne que marcou época; os dois são perseguidos. O primeiro filme de Godard, quando ele já filmava bem para dedéu mas – que alívio – ainda não era Godard.


Alien – O Oitavo Passageiro

120_003

(Alien, 1979)
Direção: Ridley Scott

Está com pressa? Vá ver outro filme. Porque, neste aqui, Ridley Scott ensina que, quanto mais um diretor segura o ritmo, mais torturantes são o suspense e o terror. Alien foi imitado literalmente centenas de vezes. Em nenhum delas chegou-se sequer perto do artigo original.


Amadeus

Amadeus

(Amadeus, 1984)
Direção: Milos Forman

O roteiro de Peter Shaffer é uma sacada brilhante: como quem conta a história de Wolfgang Amadeus Mozart é seu rival medíocre, Antonio Salieri, isso significa que vamos conhecer não só o gênio que Salieri tanto invejava, como também o rapaz vulgar que ele desprezava, com aquela risada maravilhosa que Tom Hulce inventou para Mozart.


Anatomia de um Crime

120_005

(Anatomy of a Murder, 1959)
Direção: Otto Preminger

“Estupro”, “relações sexuais” e “clímax” não eram coisas para ser mencionadas pelo nome em filmes dos anos 50, e menos ainda naqueles estrelados por James Stewart, o mais decente dos homens decentes. Mas o alemão Otto Preminger faz seus atores usarem todas elas nesta drama de julgamento que é um tributo ao cinismo, aos diálogos maravilhosos, aos desempenhos sensacionais, à trilha sonora avant-garde (de Duke Ellington) e à montagem superlativa. Um verdadeiro cinco estrelas.


Apertem os Cintos – O Piloto Sumiu

120_006

(Airplane!, 1980)
Direção: Jim Abrahams, David Zucker & Jerry Zucker

Só a cena em que o pessoal faz fila para dar tapas na cara da passageira histérica já valeria um filme todo. Mas ainda tem aquela outra, e aquela, e mais aquela, e daí aquela…O momento mais inspirado do trio ZAZ (Zucker, Abrahams & Zucker), os reis da comédia dos anos 80.


Apocalipse Now

120_007

(Apocalypse Now, 1979)
Direção: Francis Ford Coppola

A sequência de abertura é talvez a mais hipnótica de todos os tempos (e isso não é figura de expressão): os helicópteros, as palmeiras, o fogo do napalm, Jim Morrison cantando This Is the End. E isso é só o começo.


Aquele que Sabe Viver

120_008

(Il Sorpasso, 1962)
Direção: Dino Risi

Vittorio Gassman é um fanfarrão, Jean-Louis Trintignant é um tímido; num domingo de sol, saindo de Roma, eles vão percorrer juntos, em um carrinho conversível, a estrada que leva da comédia à tragédia. Para mim, o mais sublime de todos os filmes da era de ouro do cinema italiano, nos anos 50 e 60.


Assim Estava Escrito

120_009

(The Bad and the Beautiful, 1952)
Direção: Vincente Minnelli

Em geral, as distribuidoras brasileiras bolavam ótimos títulos nacionais nessa época, mas aqui erraram feio: deram título de melodrama ao que é uma das sátiras mais ácidas já feitas sobre o “mundinho” de Hollywood. Uma estrela (Lana Turner), um roteirista e um diretor dão suas visões do apogeu e queda de um produtor de cinema (Kirk Douglas), e aproveitam que ele está em desgraça para dar seus chutes e cotoveladas nele.


Bastardos Inglórios

120_010

(Inglourious Basterds, 2009)
Direção: Quentin Tarantino

Na última cena, Brad Pitt rasga, a faca, uma suástica na testa de Christoph Waltz, e admira sua artesania: “Acho que este é meu melhor trabalho até aqui”. Eu concordo. Tarantino nunca foi tão bom, cena a cena e no conjunto, quanto nesta sua fábula de II Guerra Mundial.


A Batalha de Alger

120_011

(La Battaglia di Algeri, 1966)
Direção: Gillo Pontecorvo

Poucos filmes conseguem reproduzir tão a quente e com tanta urgência um acontecimento real quanto esta recriação da guerrilha pela independência da Argélia. É como entrar numa montanha-russa: não há como sair dela no meio do caminho.


Batman – O Cavaleiro das Trevas

120_012

(The Dark Knight, 2008)
Direção: Christopher Nolan

Heath Ledger é o Coringa. O caos reina.


Ben-Hur

120_013

(Ben-Hur, 1959)
Direção: William Wyler

A corrida de bigas! As galés! A gruta dos leprosos! Vi pela primeira vez aos 8 anos, em uma reprise num cinema de bairro, e o filme nunca mais perdeu perdeu os pontos de exclamação para mim. Gosto tanto do jeito desbragado com que William Wyler filma este épico que eu o perdoo por me fazer aguentar Charlton Heston durante quase quatro horas.


Os Bons Companheiros

120_014

(Goodfelas, 1990)
Direção: Martin Scorsese

Ray Liotta é Henry Hill, o garoto irlandês que desde pequeno sonha ser parte da máfia italiana que domina a vizinhança em que ele mora; o sonho de Henry se realiza – e ele é meio delírio, meio pesadelo, uma espécie de embriaguez de que o espectador compartilha junto com os personagens. Um dos quatro mais intensos e brilhantes filme de máfia já feitos (os outros três também estão nesta lista).


Os Brutos Também Amam

120_015

(Shane, 1953)
Direção: George Stevens

Na superfície, o maior e mais complexo dos faroestes “white hat” parece simples: forasteiro defende família de fazendeiros da brutalidade dos valentões que querem as suas terras. Mas o que me arrasta, no filme, são as correntes subterrâneas – os arrependimentos que Alan Ladd traz do passado, a sugestão de sua homossexualidade, a sua atração afetiva pela mulher do fazendeiro, sua ligação com o filho pequeno do casal, e a amargura de saber que, no momento em que matar os malfeitores, terá de deixar para trás tudo que aprendeu a amar. George Stevens era um mestre.


Caçadores da Arca Perdida

120_016

(Raiders of the Lost Ark, 1981)
Direção: Steven Spielberg

Preciso justificar por que o primeiro filme de Indiana Jones está aqui? Não, acho que não preciso.


Cassino

120_017

(Casino, 1995)
Direção: Martin Scorsese

Da mesma forma que Os Bons Companheiros, Cassino é uma colaboração entre Scorsese e Nicholas Pileggi, que de novo escreve o roteiro baseado em um livro-reportagem de sua autoria. Mas substitua aquela embriaguez de Os Bons Companheiros pelo clima de bad trip. Igualmente brilhante, totalmente diferente.


Cidade de Deus

120_018

(Cidade de Deus, 2002)
Direção: Fernando Meirelles

Um caso único de filme que começa com uma galinha assustada e termina como a mais feérica, audaciosa e inovadora síntese deste lugar muito estranho em que a gente vive.


Colateral

120_019

(Collateral, 2004)
Direção: Michael Mann

Eu adoraria visitar, um dia, a cabeça de Michael Mann, para entender como é o mundo visto por um cineasta com um dos sensos de espaço x tempo mais analíticos de que se tem notícia. Colateral é não só o ápice do talento geométrico de Mann, como também sua mais consumada homenagem à ética profissional – seja o sujeito um assassino de aluguel, como Tom Cruise, ou um motorista de táxi, como Jamie Foxx, ele tem que ser bom no que faz.


Confidências à Meia-Noite

120_020

(Pillow Talk, 1959)
Direção: Michael Gordon

Doris Day tinha 37 anos e ainda estava fazendo papel de virgem; Rock Hudson não podia jamais deixar a plateia saber que era gay. Hoje em dia, pensando assim, parece meio triste essa negação fantasiosa do público dos anos 50 e começo dos 60. Mas passe cinco minutos assistindo à história da mocinha e do conquistador que têm de dividir uma linha de telefone – e fique até o final.


Contatos Imediatos do Terceiro Grau

120_021

(Close Encounters of the Third Kind, 1977)
Direção: Steven Spielberg

A possibilidade de que exista vida inteligente fora da Terra ganha colorações diversas neste que é o mais maduro dos filmes da primeira fase de Spielberg: é motivo tanto de deslumbramento quanto de incredulidade e de medo e angústia. Fica melhor ainda na “versão do diretor” de 1980, em que a narrativa é mais detalhada e ainda mais fluida.


Contrastes Humanos

120_022

(Sullivan’s Travels, 1941)
Direção: Preston Sturges

Preston Sturges era um gênio, e para mim é uma dor de cabeça eleger uma das comédias dele como a melhor. Com muito sofrimento, então, vou me declarar por esta história deliciosa sobre um diretor de comédias de sucesso que sente que não está dando sua devida contribuição à humanidade se não fizer um filme “sério”. É difícil também achar par mais afinado do que Joel McCrea e Veronica Lake.
* O contrabando: todos os filmes de Sturges que tive de deixar de fora – em particular Natal em Julho, As Três Noites de Eva, Mulher de Verdade, Herói de Mentira e Odeio-te Meu Amor.


Um Corpo que Cai

120_023

(Vertigo, 1958)
Direção: Alfred Hitchcock

De novo o mesmo problema: como escolher o Hitchcock mais envolvente? Um Corpo que Cai leva vantagem porque faz a perfeição parecer um critério insuficiente. É absolutamente perfeito e tem quantidades fartas daquele algo mais – é uma viagem tão inacreditável pela obsessão de James Stewart por Kim Novak que é impossível largá-lo no meio.


A Costela de Adão

120_024

(Adam’s Rib, 1949)
Direção: George Cukor

Spencer Tracy e Katharine Hepburn eram um estouro na tela, amavam-se loucamente fora dela, e nunca se casaram porque ele era católico e se recusava a divorciar-se de sua mulher. Com um tempero desses, mais o toque de ouro de George Cukor na direção, não há como resistir à história do marido e da mulher que entram em guerra ao assumir os lados opostos no tribunal, em um caso de crime passional.


Crepúsculo dos Deuses

120_025

(Sunset Boulevard, 1950)
Direção: Billy Wilder

Quem narra o filme é o morto que, na cena inicial, está sendo pescado da piscina de uma mansão: William Holden, roteirista de segunda linha que topa escrever um filme para Gloria Swanson, uma estrela decadente, voltar à glória. Segue-se uma relação perversamente doentia – e um dos maiores filmes já feitos em Hollywood, sobre Hollywood.


Curtindo a Vida Adoidado

120_026

(Ferris Bueller’s Day Off, 1986)
Direção: John Hughes

O melhor filme adolescente de todos os tempos, escrito e dirigido pelo sujeito que melhor entendeu a adolescência na história da humanidade. Já vi algumas dezenas de vezes. Espero ver várias outras dezenas mais.


O Diabo a Quatro

120_027

(Duck Soup, 1933)
Direção: Leo McCarey

Groucho Marx é Rufus T. Firefly, o presidente de Fredonia, que decreta guerra conta a nação vizinha de Sylvania. Ou, em outras palavras: um pretexto para os irmãos Marx aprontarem sua melhor sequência de presepadas. O que é um recorde por si só.


Diário de uma Paixão

120_028

(The Notebook, 2004)
Direção: Nick Cassavetes

Ryan Gosling é pobretão e intenso, Rachel McAdams é rica e não resiste. Tenho direito aos meus momentos baba, ora essa.


A Doce Vida

120_029

(La Dolce Vita, 1960)
Direção: Federico Fellini

Na Roma do pós-guerra, enquanto todos buscam o prazer, Marcello Mastroianni se perde no vazio existencial. Também conhecido como uma das mais sedutoras, envolventes e melancólicas sequências de fotogramas já concebidas por um ser humano.


Dogville

120_030

(Dogville, 2003)
Direção: Lars von Trier

Durante uns dois minutos, estranhei os cenários riscados no chão a giz. Durante os 173 minutos seguintes, acreditei que o mundo era assim. Nos três minutos finais, com imagens da Grande Depressão dos anos 30 ao som de Young Americans, do David Bowie, recolhi meu queixo do chão e pensei: caramba, nunca mais vou ter três horas que se comparem a estas.


Ver os próximos 30 filmes.


10 comentários em “120 Anos de Cinema, 120 Filmes #1”

  1. Quis começar a 4 listas com Dogville. Realmente, Isabela! Hj teria só uns 30 minutos disponíveis para ver apenas o início e não consegui parar até o final. Lars von Trier é Gênio. Precisa só de uns objetos, giz e um pequeno espaço pra nos deixar vidrados na tela por quase 3 horas. Que obra, que soooco no estômago, que mal-estar, que final.

    Curtir

  2. Estão no Netflix :

    Aconteceu naquela noite
    Apertem o cinto, o piloto sumiu
    Bastardos Inglórios
    Cidade de Deus
    Colateral
    Contatos Imediatos de Terceiro Grau
    Um corpo que cai
    Curtindo a vida adoidado

    Curtir

  3. Só uma pessoa muito bacana colocaria Colateral e Diário de Uma Paixão na lista! Isabela, vc é demais.
    Ps. concordo com ambos, e quando vi Colateral fiz até um coração com a mão, hahahaha.

    Curtir

  4. Sem dúvida alguma esses são filmes que já estão na história do cinema.Destaque para “Os Bons Companheiros”,”Cidade de Deus”,”Curtindo a Vida Adoidado”,”Cassino”,”Apocalipse Now”…vou procurar os filmes dessa lista que ainda não assisti(como “Acossado” por exemplo).

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s