divulgação

Jogos Vorazes: A Esperança – O Final

Leia em seguida a minha resenha para o filme publicada na revista Veja.


Choque de realidade.

No capítulo final da saga Jogos Vorazes, não há idealismo que não venha temperado pela experiência. Até a celebração do girl power, aqui, é moderada por ressalvas e advertências.

divulgação

Como é hábito nos filmes da série, Jogos Vorazes: A Esperança – O Final , começa sem nenhum preâmbulo e retoma a ação do exato momento em que ela havia parado. Mas trata-se de um momento carregado de simbolismo: uma médica examina os extensos hematomas na garganta da protagonista Katniss Everdeen e pede a ela que tente encontrar sua voz. Não é só o inchaço causado por uma tentativa de estrangulamento que silencia Katniss. Joguete de um governo totalitário nos dois primeiros filmes da saga, e brandida como símbolo da resistência no filme anterior e neste capítulo derradeiro, Katniss é uma heroína de singulares lucidez e maturidade – e isso inclui saber que a independência de espírito e a independência de ação não são proporcionais. Seu dilema, portanto, é complexo: quando (ou se) falar com sua própria voz, o que deveria dizer? Que conhecimento ou mensagem poderia propagar que não venha, com o tempo, se provar uma nova mentira?

divulgação

A saga Jogos Vorazes, da autora Suzanne Collins, é a pioneira da leva recente de distopias para o segmento “jovem adulto”. E é também, com vantagem expressiva, a melhor delas até aqui. Escrita com circunspecção por Suzanne e interpretada por Jennifer Lawrence com a gravidade natural e a garra férrea que primeiro a destacaram em Inverno da Alma, de 2010, Katniss é uma heroína verdadeira: a ficção juvenil é sempre heróica e guiada por conceitos como autossacrifício, abnegação, desprendimento, lealdade, incorruptibilidade, e Katniss é capaz de todas essas coisas. Mas ela já passou fome, já matou muito e acumula um imenso conhecimento pragmático acerca da vida. Seu problema, em cada episódio, é o mesmo, em diferentes contextos – até que ponto deixar-se usar para, em troca, usar também e promover aquilo que seus princípios e sua consciência lhe dizem ser o certo. A matéria-prima, aqui, não é a introdução ao mundo adulto: é o cálculo de prejuízos e benefícios que ser adulto implica.

divulgação

A maturidade costuma chegar rápido em Panem, um país que se formou a partir dos escombros de alguma catástrofe e no qual doze distritos vivem sob o tacão da Capital e do presidente Snow (Donald Sutherland). Houve um 13º distrito, mas ele foi arrasado 74 anos antes, por causa de um levante. Para que ninguém volte a pensar em rebelião, desde aquela data realizam-se anualmente em Panem os Jogos Vorazes. Cada distrito sorteia um menino e uma menina de 12 a 18 anos, e as 24 crianças são jogadas numa arena para se digladiarem até a morte. Só um vitorioso pode restar. Mas, no ano em que participou, Katniss se recusou a matar o último sobrevivente, seu amigo e ocasional paixão Peeta (Josh Hutcherson), e abalou Panem: como método de controle, poucas coisas são tão eficazes quanto lembrar aos cidadãos que nem seus próprios filhos lhes pertencem, e que o Estado tem sobre eles direito de vida e morte; mas, se é possível subverter essa prerrogativa, tudo o mais pode ser subvertido também.

divulgação

Em A Esperança – O Final, Katniss está na etapa derradeira do caminho que começou a trilhar naquele dia. Está do lado certo da guerra com a Capital: serve ativamente à resistência, incitando a população dos doze distritos a juntar-se à rebelião. Em suas constantes visitas às áreas bombardeadas pelo presidente Snow, Katniss é seguida por uma equipe de filmagem, que então leva ao ar os discursos inflamados da heroína. Desde o filme anterior, desenhou-se uma cumplicidade interessante entre Katniss e a diretora dessas peças de propaganda, Cressida (Natalie Dormer), que é tão jovem quanto ela: Cressida eliminou da agenda de Katniss os discursos ensaiados, e só filma os momentos em que ela está sendo absolutamente sincera. Cressida talvez queira apenas o valor publicitário da indignação genuína. Ou pode ser que pressinta a mesma coisa que Katniss: do lado certo também há gente errada, e não é improvável que a chefe da resistência, a presidente Coin (Julianne Moore), esteja só à espera de conquistar o poder para se tornar tão tirânica quanto Snow. No desassombrado Jogos Vorazes, até essa norma da cultura pop contemporânea, a celebração do girl power, vem com ressalvas e advertências. É fantasia, mas com um choque de realidade.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 18/11/2015
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2015

JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – O FINAL
(The Hunger Games: Mockingjay – Part 2)
Estados Unidos, 2015
Direção: Francis Lawrence
Com Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Julianne Moore, Philip Seymour Hoffman, Donald Sutherland, Mahershala Ali, Patina Miller, Woody Harrelson, Liam Hemsworth, Natalie Dormer, Jena Malone, Jeffrey Wright, Stanley Tucci
Distribuição: Paris Filmes

10 comentários em “Jogos Vorazes: A Esperança – O Final”

  1. Estava órfão dos seus vídeos…
    Você é uma das melhores críticas de cinema Brasil!
    Ler o que você escreve é um dos motivos que me fez
    gostar de cinema, e eu sempre renovo esse prazer
    a cada vez que leio uma crítica sua.
    Seu texto, tão elegante e claro, também é uma inspiração.
    Sucesso (mais ainda) !!

    Curtir

  2. Isabela, que saudades que eu tava de comer assistindo seus vídeos. hahahaha talvez seja um hábito estranho, mas nada melhor que almoçar assistindo suas reviews. ❤

    Recentemente entrei nesse mundo dos blogs pra falar sobre ciências, educação e as relações que faço dessas temáticas com artefatos culturais. Seria uma honra que você visitasse o meu blog, tem alguns textos que falam sobre filmes e séries de TV.

    http://www.precisamosfalarsobreciencias.wordpress.com

    Sucesso com o blog e nessa nova empreitada. Sou seu fã.

    Beijão.

    Curtir

  3. Vi o filme ontem. Realmente ele é excelente. Uma coisa, no entanto, me incomoda nestes finais de série divididos. Vistos em conjunto, os dois filmes finais ficam meio desequilibrados. O primeiro é sempre “parado”, enquanto o segundo é só corre-corre, ação. A ação e os momentos reflexivos poderiam ser mais bem divididos entre os dois filmes, acho eu.

    Curtir

  4. Críticas superficiais ou ‘compradas’ a gente NÃO lê por aqui. Parabéns Isabela, o que mais admiro no seu trabalho é que, independente do veículo que você esteja se comunicando com o público, suas críticas são sempre justas e honesta – doa a quem doer. Continue assim que nós, seus leitores, continuaremos acompanhando você, sempre.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Entrei no ‘Blogs Recomendados do WordPress’ e lá estava o seu, Isabela!
    Que bacana que entrei! 🙂
    Parabéns pelo espaço. Super clean e ótimos posts. Sempre gosto de conhecer novos colegas de blog assim vou aumentando minha rede e claro, conhecendo sobre diversos assuntos e até mesmo cultura.
    Bom, já estou seguindo para não perder as novidades. Sucesso.

    Estendo aqui o convite para conhecer o meu blog… Ficarei contente com sua visita! 🙂
    HuG!
    http://www.andrehotter.com
    👻 Snapchat: andrehotter

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s