“Distrito 9”, um filme furioso para um mundo feroz

O violentíssimo Distrito 9, sobre alienígenas confinados em uma favela sórdida na África do Sul, não tem nada de sutil. Nem deveria: filmes tão cheios de indignação, imaginação e arrojo servem para quebrar regras, e não se conformar a elas

Assista aqui a resenha em vídeo:


Leia aqui a minha resenha publicada na revista VEJA:

A ferocidade deste mundo

O violentíssimo Distrito 9, sobre alienígenas confinados em uma favela sórdida na África do Sul, não tem nada de sutil. Nem deveria: filmes tão cheios de indignação, imaginação e arrojo servem para quebrar regras, e não se conformar a elas

Diz a regra geral da boa narrativa que os recursos de similaridade – metáforas, alegorias, parábolas e aparentados – devem ser utilizados com fineza, de forma a não afrontar o leitor ou espectador com obviedades e não limitar seu conteúdo. Distrito 9 (District 9, Estados Unidos/Nova Zelândia, 2009) fulmina essa regra. Não há dúvida possível sobre o alvo do diretor sul-africano Neill Blomkamp e do produtor neozelandês Peter Jackson, de O Senhor dos Anéis, nesta história sobre alienígenas confinados em um gueto sórdido na África do Sul. O assunto aqui é apartheid, em particular, e segregação em geral; a originalidade está na fúria com que diretor e produtor anunciam e destrincham esse paralelo. Há mais de vinte anos, uma nave imensa parou sobre Johanesburgo – quebrada, e ocupada por algo como 1 milhão de “camarões” (o apelido vem da aparência dos seres) desnutridos, desidratados e doentes. O acampamento provisório para o qual eles foram transferidos virou, claro, uma favela, igual a qualquer outra na pobreza, na explosão populacional e de criminalidade e na desassistência. Mas, como se está na África do Sul, antes até de ser favela ela é um campo de concentração, cercado de arame farpado e de tropas de choque. Como o gueto enfeia e assusta a cidade, o governo decide removê-lo para onde ele não mais será visto. E aí os acontecimentos se precipitam com uma violência aterradora.

No centro desses acontecimentos está Wikus Van De Merwe (o formidável Sharlto Copley), o burocrata que ganhou o comando da operação porque seu sogro quer promovê-lo. Wikus não é um arquiteto da xenofobia, mas um tolo afável que quer fazer bonito diante das câmeras de TV que acompanham a remoção. Ele repete sem nenhum senso crítico os mantras que justificam o apartheid (“o camarão não tem concepção do que é a propriedade”, diz ele, no singular genérico que, em inglês, é particularmente ofensivo) e acha que a invasão do gueto é uma aventura exótica. O estreante Neill Blomkamp, nascido em Johanesburgo, filma essa suposta aventura com o olhar dos afrikaners que instalaram o apartheid para com os negros – os alienígenas são bestiais, comem pneus e enlouquecem com ração de gato, falam com cliques que ninguém entende direito e se refestelam na imundície da favela. É impossível que um ser humano se enxergue neles – e os negros desprezam os extraterrestres com a mesma convicção com que são desprezados pelos brancos.

Blomkamp está tratando de personagens que pertencem, a rigor, à ficção científica, mas Distrito 9 é, em muitos sentidos, um documentário a posteriori. A favela é uma locação real – “100% Johanesburgo”, nas palavras do diretor –, a câmera é de reportagem, o ritmo é vertiginoso, a brutalidade é tremenda, os alienígenas, graças à competência sem rival da equipe de Peter Jackson para criar atores digitais, são aceitos pelo olhar e pelo intelecto como reais desde o primeiro instante. Não é necessário, aqui, firmar com o filme aquele contrato pelo qual se suspende a descrença diante do impossível: a ferocidade do realismo de Blomkamp é tal que o impossível e a descrença nem chegam a entrar em jogo. Só o primeiro e magistral RoboCop, de Paul Verhoeven, conseguira até hoje fundir invenção e cinema-verdade na mesma medida. Até porque, como o holandês Verhoeven, o sul-africano Blomkamp tem uma visão desenganada da humanidade como coletivo.Fantasia, na sua experiência, não é imaginar uma nave sobre Johanesburgo. É acreditar que os ódios raciais podem ser anulados e substituídos pela harmonia ou imaginar que a conversão de um indivíduo é simbólica de algum avanço moral. Em um desdobramento clássico dos filmes sobre o preconceito, o doce e apalermado Wikus põe a mão onde não deve, começa a se sentir meio mal e logo vai aprender o que é ser o outro em um país que o detesta. O ponto aonde isso leva é que não tem nada de clássico: a conversão de Wikus nada significa e nada altera, o ódio permanece intacto, e o medo de que uma vingança esteja fermentando só aumenta. Distrito 9 é, assim, uma sátira. Profundamente triste e brilhante como cinema.

Publicado na revista VEJA de 14/10/2009

Uma consideração sobre ““Distrito 9”, um filme furioso para um mundo feroz”

Deixe uma resposta para Edson Tadeu Campostrini Cruz Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s