divulgação

Hellboy II – O Exército Dourado

Um diretor infernal.

Em Hellboy II, o mexicano Guillermo del Toro alimenta o que poderia ser uma mera fantasia com sua imaginação exuberante e cheia de mistérios.

Com seu talento e imaginação transbordantes, o mexicano Guillermo del Toro é uma criatura quase tão singular quanto os seres estranhíssimos que povoam seus filmes: é um diretor, primeiro, que guarda dentro de si um universo próprio, o que é marca quase que indispensável dos verdadeiramente grandes, de Fritz Lang a Ingmar Bergman ou Martin Scorsese; e é também alguém que sabe, como esses, desdobrar seu universo em registros diversos. Ou, em outras palavras, vê-lo e mostrá-lo por prismas variados. Cronos, que rodou no início de carreira, era um filme de terror sobre o desespero e o vazio de ser imortal; A Espinha do Diabo, de 2001, era um drama, eivado de tons sobrenaturais, sobre como a Guerra Civil impôs aos espanhóis uma não-existência fantasmagórica; Hellboy, feito três anos depois, era uma adaptação de um quadrinho na qual não faltava humor, mas que percorria grandes distâncias na argumentação de que bem e mal são escolhas, e não destino (o personagem-título é um demônio invocado pelos nazistas, mas que elege combater as trevas); e o magnífico O Labirinto do Fauno, de 2006, acompanhava uma menina que tentava, por meio de um mergulho na fantasia, suportar e dominar o horror do fascismo. Sobre todos esses filmes pairam tanto a angústia cristã da vida – ou não – após a morte quanto uma visão muito católica da necessidade do sacrifício (embora não seja religioso, Del Toro amargou a criação por uma avó fanática, que ainda o assombra). E são esses os temas que o diretor avança em Hellboy II – O Exército Dourado. Não por meio do enredo, que trilha caminhos palmilhados já à exaustão pelo gênero, mas pela maneira exuberante e exaltada como o encena.

Nesta continuação, um mundo subterrâneo tenta se reerguer para aniquilar o mundo visível. Em uma seqüência estupenda em animação com figuras de madeira (e que lembra muito, nas suas tintas trágicas, a seqüência feita à maneira de uma lanterna mágica com que Francis Ford Coppola explicava por que o Conde Vlad virara Drácula), Del Toro mostra como, em tempos imemoriais, uma guerra prolongada entre elfos e seres humanos terminou com uma trégua: o Rei Balor guardou para sempre seu invencível exército de máquinas douradas e recolheu sua espécie em alguma outra dimensão, deixando a terra para os homens. Uma coroa foi quebrada e dividida entre os oponentes, para que nenhum lado pudesse retomar sozinho o conflito. Não, porém, com a anuência do príncipe Nuada, o herdeiro de Balor, que odeia os homens e a destruição e a feiúra de que eles são capazes. Algo acontece então no presente que dará a Nuada a chance de levar seus planos a cabo; e caberá a Hellboy (Ron Perlman), sua namorada, Liz (a adorável Selma Blair), e seu amigo Abe Sapien (um poético homem-peixe interpretado por Doug Jones) frustrar esses planos. Ou seja, o de praxe – não fosse o sentido de drama do diretor e sua criatividade tão copiosa.

Nas mãos de Del Toro, esse enredo dá margem a um lamento sobre como a prevalência de um mundo obriga ao desaparecimento de outro – um tema clássico que aqui é explorado na atuação inesperadamente repleta de presença, voz e habilidade física do pop star inglês Luke Goss, da dupla Bros, no papel de Nuada. Por meio da figura de Nuala (Anna Walton), a irmã gêmea de Nuada, ele serve de pretexto também para mais um comentário sobre resignação e sacrifício, e o preço terrível que cobram de quem se dispõe a eles. E, como sempre, isso tudo é a matriz sobre a qual o cineasta irá conjurar as imagens que o tantalizam: mecanismos de relógios, pessoas que são máquinas antiquadas, monstros que têm os olhos fora do rosto, criaturas que combinam a forma humana a elementos da natureza, seres vindos de tradições diversas do inferno. Da maneira como Del Toro as concebe, porém, elas nada têm de pueril ou inverossímil (e quem achar que isso é uma alfinetada em Star Wars não estará errado). As imagens de Del Toro, ao contrário, guardam todo o poder de símbolos primitivos e inconscientes, e o amplificam. Vai ser difícil esperar até 2011 para saber o que esse mexicano muito meigo e gentil, e de imaginação tão tumultuada e misteriosa, vai fazer da adaptação de O Hobbit, de J.R.R. Tolkien, que o neozelandês Peter Jackson confiou a ele.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 03/09/2008
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2008

HELLBOY II – O EXÉRCITO DOURADO
(Hellboy II: The Golden Army)
Estados Unidos/Alemanha, 2008
Direção: Guillermo del Toro
Com Ron Perlman, Selma Blair, Doug Jones, Luke Goss, Anna Walton, Jeffrey Tambor, John Hurt

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s