divulgação

Bee Movie – A História de uma Abelha

A volta do homem de 1 bilhão

Há quase uma década distante de seu público, o comediante Jerry Seinfeld retorna à corrente sanguínea do pop – na forma de uma abelha – em Bee Movie

divulgação

Há quase dez anos, o comediante Jerry Seinfeld colocou o ponto final naquela que é a série de televisão mais fervorosamente cultuada em todo o mundo, Seinfeld. Não muito depois, casou-se com uma moça, Jessica, que conheceu quando ela acabava de voltar da lua-de-mel com o herdeiro de uma família de empresários teatrais (a fofoca que circulou na ocasião, e ainda não morreu, é que a noiva trocou um bom partido por um ótimo partido). Protagonizou um documentário de lançamento restrito, Comedian, e participou de um especial da HBO. Teve três filhos, escreveu um livro infantil e nunca parou de fazer suas apresentações-solo no palco. Aos olhos do próprio Seinfeld, portanto, essa foi uma década cheia de acontecimentos. Mas a percepção do público e da indústria de entretenimento é diversa: para eles, o comediante simplesmente saiu de cena. Depois de fazer uma série sobre o nada (como ele definiu Seinfeld certa vez, numa frase célebre), ele foi fazer nada, descansando sobre seus louros e sobre sua fortuna (estima-se que o programa tenha arrecadado 1 bilhão de dólares com a venda de direitos de exibição). Não é casualidade, então, que Seinfeld tenha se atirado à tarefa de promover Bee Movie – A História de uma Abelha, em prol do qual chegou a voar sobre Cannes, dentro de uma fantasia de abelha. Concebido, supervisionado e estrelado por ele (ou por sua voz), o desenho animado virou assunto sério – a aposta cara e calculada de Seinfeld para voltar à corrente sanguínea da cultura pop.

divulgação

Durante quase quatro anos, Seinfeld e três redatores trabalharam no roteiro; a direção foi repartida entre uma dupla com experiência na Disney e na DreamWorks de Shrek, que bancou o projeto de 150 milhões de dólares; e, em todo o processo, Jeffrey Katzenberg e Steven Spielberg, sócios na DreamWorks, ficaram à disposição do comediante na empreitada que lhe é duplamente nova – Seinfeld nunca fez cinema antes, que dirá animação. Bee Movie representa um saldo sólido para todo esse esforço. À primeira vista uma história infantil, sobre uma jovem abelha, Barry B. Benson, que quer conhecer o mundo antes de se entregar a um mesmo emprego pelo resto da vida, o filme rapidamente evolui, no ritmo e no tom, para uma espécie de episódio heterodoxo de Seinfeld, em que a fauna nova-iorquina é tornada mais, digamos, literal. Barry ganha o céu, sobre o Central Park, e logo cai num inferno de pequenos sofrimentos para criaturas do seu gênero – carros por todo lado, com pára-brisas ameaçadores; objetos coloridos, que parecem flores, mas zunem a velocidades espantosas (na verdade, bolas de tênis); jornais e revistas que, enrolados, são armas mortais contra insetos (a Vogue italiana, com suas centenas de páginas de anúncios, é considerada particularmente perigosa); seres humanos tão urbanizados que entram em modo assassino à vista de uma inofensiva abelha e que – horror dos horrores – consomem sem piedade o mel que a colméia se esfalfa para produzir.

divulgação

Numa guinada do mais absoluto e delicioso nonsense, Barry se apaixona pelo único ser humano que não pensa em esmagá-lo – a florista Vanessa, com a voz de Renée Zellweger. (No mundo de Seinfeld, quando os astros se alinham e um sujeito e uma garota descobrem que têm tudo a ver um com o outro, ele calha de ser um inseto e ela, uma mulher.) Papo vai papo vem, Vanessa larga o namorado brucutu para ajudar Barry em sua causa: processar a humanidade pelo roubo do mel. A essa altura, Bee Movie meio que já se esqueceu da platéia infantil, a qual dificilmente pegaria referências como o advogado sulista untuoso e racista, a preocupação da mãe de Barry com a paixão do filho por uma shiksa (uma moça não-judia, ou, aqui, não-abelha) ou a diatribe antiautoridade do pernilongo dublado pelo comediante negro Chris Rock. Embora a animação vertiginosa seja todo o tempo uma isca eficiente para as crianças, quem está se divertindo de verdade, nesse ponto, são os adultos. Bee Movie, como Seinfeld, não é genial no todo. Mas tem lampejos de genialidade intensos o suficiente para justificar a reputação de seu criador.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 05/12/2007
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2007

BEE MOVIE – A HISTÓRIA DE UMA ABELHA
(Bee Movie)
Estados Unidos, 2007
Direção: Steve Hickner e Simon J. Smith
No original, com as vozes de Jerry Seinfeld, Renée Zellweger, Chris Rock, Matthew Broderick, John Goodman, Kathy Bates, Ray Liotta, Sting, Opra Winfrey, Barry Levinson, Patrick Warburton

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s