divulgação

Scoop – O Grande Furo

Como antigamente

Depois da mordacidade de Match Point, Woody Allen volta à sua boa forma cômica com Scoop

divulgação

Woody Allen trocou Nova York por Londres, recrutou Scarlett Johansson e foi fundo no drama da traição e da dissimulação em Match Point. Todo mundo adorou. Para Scoop – O Grande Furo, Allen continuou em Londres, chamou Scarlett de novo e tratou mais uma vez de traição e dissimulação – mas em tom de farsa. A maior parte da crítica torceu o nariz. Vá entender. Scoop trata de como Sondra Pransky, loira avoada e estudante de jornalismo, é contactada pelo espírito de um ás da reportagem durante um show de mágica. Joe (Ian McShane), o repórter recém-falecido, nem chegou ainda ao além e já ficou sabendo de um furo: Peter Lyman (Hugh Jackman), filho de um lorde, é o provável “Assassino das Cartas de Tarô”, que mata prostitutas de cabelo curto e preto. A estudante quer corresponder às expectativas do jornalista desencarnado, até porque ele não pára de voltar da morte e insistir que ela apure a notícia. Sondra e o mágico Splendini (o próprio Allen), então, fingem ser pai e filha e dão um jeito de se infiltrar na intimidade de Peter. Que é bonitão, sedutor e um cavalheiro e, como tal, derrete a resistência de Sondra e faz sua objetividade evaporar sempre que está perto dele. Mal os encontros terminam, porém, a dúvida volta: será que Peter não é de fato o assassino? As evidências são apenas circunstanciais, mas nem por isso desprezíveis.

divulgação

Jackman e Scarlett têm um charme à antiga, no bom sentido: dirigidos de forma adequada (e aqui o são), eles emitem aquele mesmo tipo de vibração de pares famosos de outrora, como Cary Grant e Rosalind Russell ou Clark Gable e Claudette Colbert – algo entre o sensual e o travesso, numa medida que toda comédia romântica tenta atingir e raramente consegue. Allen não apenas sabe dosar essa química, como replica com muita eficiência a arquitetura falsamente simples dos filmes estrelados por aquelas duplas – na verdade, um feito de construção, em que a trama tem de recuar um passo a cada dois avançados. (Vale também mencionar a decisão sensata de Allen de não se incluir no romance, ficando com a figura paterna, e como sempre neurótica, do triângulo.) Scoop, em suma, não tem nada de furado. É apenas leve, divertido e atraente. Como se não bastasse.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 14/03/2007
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2007

SCOOP – O GRANDE FURO
(Scoop)
Inglaterra/Estados Unidos, 2006
Direção: Woody Allen
Com Scarlett Johansson, Woody Allen, Hugh Jackman, Ian McShane, Romola Garai, Charles Dance, Julian Glover, Pete Mastin

Uma consideração sobre “Scoop – O Grande Furo”

  1. É o meu favorito do Woody Allen. É divertido e a Scarlett está ótima. Uma pena ter sido tão mal recebido pela crítica na época em que foi lançado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s