divulgação

Scoop – O Grande Furo

Como antigamente

Depois da mordacidade de Match Point, Woody Allen volta à sua boa forma cômica com Scoop

divulgação

Woody Allen trocou Nova York por Londres, recrutou Scarlett Johansson e foi fundo no drama da traição e da dissimulação em Match Point. Todo mundo adorou. Para Scoop – O Grande Furo, Allen continuou em Londres, chamou Scarlett de novo e tratou mais uma vez de traição e dissimulação – mas em tom de farsa. A maior parte da crítica torceu o nariz. Vá entender. Scoop trata de como Sondra Pransky, loira avoada e estudante de jornalismo, é contactada pelo espírito de um ás da reportagem durante um show de mágica. Joe (Ian McShane), o repórter recém-falecido, nem chegou ainda ao além e já ficou sabendo de um furo: Peter Lyman (Hugh Jackman), filho de um lorde, é o provável “Assassino das Cartas de Tarô”, que mata prostitutas de cabelo curto e preto. A estudante quer corresponder às expectativas do jornalista desencarnado, até porque ele não pára de voltar da morte e insistir que ela apure a notícia. Sondra e o mágico Splendini (o próprio Allen), então, fingem ser pai e filha e dão um jeito de se infiltrar na intimidade de Peter. Que é bonitão, sedutor e um cavalheiro e, como tal, derrete a resistência de Sondra e faz sua objetividade evaporar sempre que está perto dele. Mal os encontros terminam, porém, a dúvida volta: será que Peter não é de fato o assassino? As evidências são apenas circunstanciais, mas nem por isso desprezíveis.

divulgação

Jackman e Scarlett têm um charme à antiga, no bom sentido: dirigidos de forma adequada (e aqui o são), eles emitem aquele mesmo tipo de vibração de pares famosos de outrora, como Cary Grant e Rosalind Russell ou Clark Gable e Claudette Colbert – algo entre o sensual e o travesso, numa medida que toda comédia romântica tenta atingir e raramente consegue. Allen não apenas sabe dosar essa química, como replica com muita eficiência a arquitetura falsamente simples dos filmes estrelados por aquelas duplas – na verdade, um feito de construção, em que a trama tem de recuar um passo a cada dois avançados. (Vale também mencionar a decisão sensata de Allen de não se incluir no romance, ficando com a figura paterna, e como sempre neurótica, do triângulo.) Scoop, em suma, não tem nada de furado. É apenas leve, divertido e atraente. Como se não bastasse.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 14/03/2007
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2007

SCOOP – O GRANDE FURO
(Scoop)
Inglaterra/Estados Unidos, 2006
Direção: Woody Allen
Com Scarlett Johansson, Woody Allen, Hugh Jackman, Ian McShane, Romola Garai, Charles Dance, Julian Glover, Pete Mastin

Uma consideração sobre “Scoop – O Grande Furo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s