divulgação

Beijos e Tiros

Um filme muito esperto

Criador da série Máquina Mortífera, o roteirista Shane Black se redime de todos os seus pecados com o delicioso Beijos e Tiros

divulgação

O americano Shane Black tem um currículo curioso. Como ator, foi a primeira vítima a ser eviscerada pelo monstro titular de O Predador. Como roteirista, reinventou o filme de parceiro com a série Máquina Mortífera, no fim da década de 80, e se tornou um dos escribas mais bem pagos do cinema americano. Agora, depois de seis anos pensando na vida, Black, de 43 anos, inaugurou mais uma de suas encarnações – a melhor delas. Como autor e diretor de Beijos e Tiros, ele recebe o espírito do escritor Raymond Chandler num delicioso misto de noir e comédia, reimpulsiona a carreira de Robert Downey Jr. e de Val Kilmer, revela uma comédienne linda e competente na quase desconhecida atriz Michelle Monaghan, satiriza Hollywood e ataca sem dó a criatura que ele mesmo gerou – o filme de parceiro ao estilo uma morte, uma piada. Tudo de um golpe só, o que provavelmente mais do que justifica suas recém-encerradas férias de meia década.

divulgação

Downey Jr. é Harold, um ladrão que, fugindo da polícia, entra sem querer num teste para um filme policial. A cena requer que ele se culpe pela morte de um parceiro – e como Harold acabou de deixar o seu próprio morrer com um balaço, a interpretação resultante é um arraso. Despachado para Los Angeles com agente, papel e convites para festas, ele surge à beira de uma piscina, numa imagem que evoca o clássico Crespúsculo dos Deuses: Harold é, afinal, aquela entidade primordial do noir que se convencionou chamar de o sujeito errado, no lugar errado e na hora errada. Sua simples presença na festa, onde ele conhece o investigador particular “Gay” Perry (Kilmer, melhor do que nunca), é o suficiente para que se enrole em múltiplos homicídios, apropriações de identidade e segredos que envolvem mulheres fatais e seus pais demasiadamente carinhosos. O diretor divide o filme em capítulos estanques, à moda de Chandler (intitulados A Dama do Lago, A Irmãzinha e assim por diante, em tributo aos romances de seu ídolo). Mas Harold não tem nada do estoicismo chandleriano: é um anti-herói que apanha sem classe e não enxerga um palmo adiante do nariz. Quando encontra alguma pista, é porque ela fez o favor de trombar com ele. Shane Black, ao contrário, talvez seja esperto demais. Fosse seu filme mais batido e menos inspirado, talvez estivesse ganhando na bilheteria americana não o quase completo desprezo, e sim o prestígio que merece.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 30/11/2005
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2005

BEIJOS E TIROS
(Kiss Kiss Bang Bang)
Estados Unidos, 2005
Direção: Shane Black
Com Robert Downey Jr., Val Kilmer, Michelle Monaghan, Corbin Bernsen, Dash Mihok, Larry Miller, Shannyn Sossamon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s