Jeff Daniels expõe lado decadente da América na série “American Rust’

A Pensilvânia exausta é a coadjuvante do ator, numa interpretação que articula a pressão das tragédias econômicas sobre os dramas pessoais

Entre as regiões americanas que apanharam feio da economia nas últimas décadas — a parte da Costa Leste que viu sua indústria pesqueira definhar, a hoje quebrada Detroit das montadoras de automóveis —, talvez nenhuma tenha sofrido um declínio tão drástico e inexorável quanto aquela parte da Pensilvânia e da Virgínia Ocidental que concentrava a siderurgia. Fustigada pela transferência maciça da produção para outros países, sem a visão e os recursos necessários para se modernizar e condenada ambientalmente pela sua dependência do carvão, essa parte do antigo “Cinturão da Manufatura” começou a virar “Cinturão da Ferrugem”, ou “Rust Belt”, nos anos 70 para os 80: uma paisagem de cidades semimortas e esvaziadas e de fundições em ruínas, cheirando a desalento, pobreza e desespero, onde o consumo de opioides e metanfetamina é epidêmico. Trata-se de muito mais que uma locação; é um lugar que já vem com a própria dramaturgia, um conceito que está no centro de American Rust (Estados Unidos, 2021), série que acaba de estrear no Paramount+ e ganha novos episódios semanais até 7 de novembro.

Igualmente no centro dela está um ator que é um mestre da austeridade, da secura e de um tipo essencialmente americano de estoicismo: Jeff Daniels, 66 anos de idade e quarenta de uma carreira muito frutífera que, na última década, desde sua colaboração com o criador e roteirista Aaron Sorkin em The Newsroom, afinal adquiriu a grandeza devida. Na série de 2012 ou em A Lula e a BaleiaSteve JobsPerdido em MarteThe Looming Tower e Godless, entre tantos outros trabalhos, o ator que a certa altura foi famoso por Débi & Lóide sempre se distinguiu pela inteligência analítica e algo implacável com que constrói seus personagens. Del Harris, o chefe de polícia da fictícia Buell, Pensilvânia, é um exemplo consumado dessa arte. Daniels não é só o protagonista de American Rust; desde que leu o romance homônimo de 2009 de Philipp Meyer, colocou-se como deflagrador do projeto, seu maior defensor e, em certo sentido, seu principal realizador.

Filho de um ex-prefeito de uma cidade pequena do Michigan — outro estado sacudido pelo declínio —, Daniels diz ter reconhecido, no livro, o ambiente do qual veio. “Conheço essas pessoas. Sei como elas falam, como elas pensam, como elas andam”, disse o ator ao The New York Times. Veterano da primeira Guerra do Golfo e da força de Pittsburgh, Del Harris tem muito em comum com os cidadãos de Buell, e por isso os compreende tão bem: sua carreira é um fim de linha, sua vida pessoal fica entre o não existente e o desastroso e ele briga com sua dependência de medicamentos. Quando um ex-policial demitido por má conduta aparece assassinado, Harris se divide entre cumprir o dever e proteger o provável autor do crime — porque ele é um rapaz triste e sofrido (Alex Neustaedter está excelente no papel), que já se meteu com a lei em uma situação que não provocou, e porque ele é filho de Grace (Maura Tierney), a costureira por quem Del é apaixonado, mas que ainda vive sob cerco do marido inútil e mulherengo.

Como em outros filmes e séries que têm essa Pensilvânia exausta como cenário — O Franco-Atirador (do qual American Rust “rouba” a célebre sequência de uma festa de casamento), Tudo por Justiça e a recente Mare of Easttown —, as circunstâncias sociais e econômicas se fundem de modo indivisível nos dramas pessoais. Mas é sobretudo na atuação quase impassível mas repleta de nuances de Daniels que a tragédia se articula.

Publicado em VEJA de 22 de setembro de 2021, edição nº 2756

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s