500 tons de cinza: a beleza do cinema de Zhang Yimou no filme “Shadow”

Cineasta pinta uma disputa trágica na China Antiga com movimento e infinitas camadas entre o preto e o branco

Nos melodramas da primeira etapa da carreira, como Lanternas Vermelhas (1991) e Tempo de Viver (1994), nos instantâneos realistas da China contemporânea, a exemplo de Nenhum a Menos (1999), ou nos dramas introspectivos disfarçados em opulentos filmes de artes marciais, como Herói (2002) e O Clã das Adagas Voadoras (2004), o diretor Zhang Yimou exercitou sempre uma constante: um preciosismo visual tão elevado que a beleza que advém dele é não raro sublime. Virou lugar-­comum, porém, dizer que Yimou é um cineasta versátil demais, no qual não se distingue uma marca autoral. Daí ser oportuno assistir ao esplêndido Shadow (Ying, China/Hong Kong, 2018), já em cartaz: ainda que às vezes se disperse em épicos sem consequência, como A Grande Muralha, de 2016, Yimou reencontra seu propósito quando faz da estética a sua linguagem e o elemento do qual o sentido das suas narrativas se origina. Não por coincidência, esses são também os momentos em que Yimou se inspira no mais indiscutível de todos os mestres, o japonês Akira Kurosawa.

Em Shadow, um rei que perdeu parte de seu território para o rei vizinho insiste na política de apaziguamento. À revelia dele, seu maior general força a guerra. Mas não é o general que está ali, diante da corte, enfrentando o soberano: é seu duplo, o plebeu Jing, manipulado pelo militar que, doente, se esconde nas entranhas do castelo (o formidável Chao Deng faz ambos os papéis). Entre os dois há, além da farsa, a paixão pela mesma mulher (a também excelente Li Sun). O diálogo com Kurosawa, entretanto, vai bem além do tema do plebeu usado como duplo de um senhor — o mote de Kagemusha. Está na dualidade de cada entrecho, nas simetrias que convergem para um ponto de fuga, na embriaguez com o movimento, na chuva, no vento ou na neblina que desenham o fundo de cada cena, na disputa trágica e, mais evidente de tudo, na expressividade do preto e branco. Yimou filma Shadow em cores, mas, à exceção da pele dos personagens e no ocasional vermelho do sangue, o que se tem aqui é uma infinidade de cinza — uma paleta tão rica e repleta de nuance que ora ela preenche a história que está sendo contada, ora a contradiz, e todo o tempo a amplia. Coisa de que só um autor seria capaz.

Publicado em VEJA de 18 de agosto de 2021, edição nº 2751

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s