Os 2 primeiros episódios: “Loki” chega chegando

Tom Hiddleston dá um banho. Junto com Owen Wilson, e o roteiro, a direção, o pessoal da produção, da trilha… É torcer para continuar assim até o final

Assista aqui a resenha em vídeo:


Leia aqui a minha resenha da revista VEJA:

Tom Hiddleston é intérprete e alma de “Loki’, anti-herói da Marvel

Encarnando pela sétima vez o deus nórdico da trapaça, o inglês mostra por que o mestre do ardil virou a alma da festa

Se o Universo Marvel toma lá suas liberdades com a árvore genealógica de Loki, no que toca ao temperamento ele é fiel à mitologia nórdica: deus do ardil e da astúcia, fã de provocar confusão e discórdia e capaz de mudar de aparência conforme a traquinagem, Loki é irreverente, insolente, petulante, imprevisível, inconsequente — e também espirituoso, persuasivo e sedutor. Tanto pode atrapalhar os planos dos outros deuses (e os dos Vingadores) quanto ajudá-los; difícil é saber se é uma coisa ou a outra que ele está fazendo, já que manter todo mundo na dúvida é um de seus prazeres. É uma temeridade, enfim, dar confiança a uma divindade tão manhosa. Já em Tom Hiddleston pode-se confiar de olhos fechados: interpretando o personagem pela sétima vez em dez anos na minissérie Loki (Estados Unidos, 2021), que estreou quarta-feira na Disney+, o ator inglês dá uma espécie de curso intensivo, em seis episódios (o último vai ao ar em 14 de julho), sobre o porquê de o vilão dos primeiros filmes ter aos poucos se transformado na alma da festa: porque não há minuto dele em cena que seja igual ao outro — ou que não seja uma perfeita delícia.

Loki notoriamente tem problemas com autoridade (a alheia, entenda-se), de forma que sua situação aqui é exasperadora: detido por um obscuro birô de controle da linha do tempo (uma metabrincadeira da Marvel com as complexidades de seu universo) e posto em um uniforme que fere suas sensibilidades estéticas, ele se vê à mercê da força mais cruel do universo — a burocracia. Com uma paciência que é desafortunadamente infinita, o funcionário Mobius M. Mobius, vivido com nítido prazer por Owen Wilson, está decidido a obrigar o detento a se redimir das suas transgressões: ninguém melhor do que Loki para encontrar a variante do próprio Loki (outra variante; também este Loki é uma ramificação, e não aquele que Thanos matou em Vingadores: Guerra Infinita) que vem se dedicando ao terrorismo temporal/cronológico. A questão, claro, é que com Loki nada nunca é o que parece.

“Mais Hiddleston, mais Loki”, foi como Kevin Feige, o todo-poderoso da Marvel, explicou a decisão de dar ao personagem várias horas só suas de programa. E que horas: a produção é irretocável (só o futurismo retrô do Departamento de Variação do Tempo já vale a viagem), até as menores “pontas” foram escolhidas a dedo, o roteiro é excelente e a direção — da inglesa Kate Herron — transparece alegria genuína. No centro de tudo, porém, está o desempenho efervescente e, ao mesmo tempo, de precisão meticulosa de Hiddleston, de 40 anos — e que mais de uma década atrás fez o teste para ser Thor mas acabou recrutado como Loki porque, no senso de humor e no escopo dramatúrgico, parecia naturalmente apto a ser a carta fora do baralho.

Educado em Eton — um ambiente tão rarefeito que é quase uma Asgard — desde os 13 anos, na mesma classe do príncipe William, formado com honras em Cambridge nos clássicos (o que inclui ler grego antigo com fluência) e treinado na Real Academia de Arte Dramática, Hiddles­ton foi e continua sendo um ator shakespeariano muito laureado, mas adora Loki de paixão. Em inúmeras coisas, aliás, os dois são parecidos — na fisicalidade elástica (Hiddles­ton é ótimo dançarino), nas roupas eximiamente cortadas, no carisma, no jeito meio pândego, na notável articulação verbal e, a julgar pelos tabloides, no gosto pela diversão. Sua popularidade foi tão instantânea que Feige, dando ele próprio uma de deus da trapaça, alterou radicalmente a linha do tempo do personagem: com morte prevista para Thor: Mundo Sombrio, consumada em Guerra Infinita e, como se vê agora, driblada na base da chicana em Vingadores: Ultimato, Loki merece quantas chances a Marvel consiga lhe dar. Se ele nunca se emendar, melhor ainda.

Publicado em VEJA de 16 de junho de 2021, edição nº 2742

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s