“The Mosquito Coast”: em fuga, uma família fica ainda mais complicada

Adaptação de Paul Theroux protagonizada por Justin Theroux – sobrinho do autor – muda muita coisa para ser mais fiel ao espírito do livro

Assista aqui a resenha em vídeo:


Na série ‘The Mosquito Coast’, pai narcisista põe família em fuga infernal

Leia aqui a minha resenha da revista Veja:

A produção altera e reconfigura o romance do americano Paul Theroux — e não só o enraíza no contexto atual como faz assim justiça plena ao seu espírito

Em uma entrevista recente, o americano Paul Theroux disse que, ao escrever o romance A Costa do Mosquito, publicado em 1981, imaginou o personagem de Allie Fox como um Joseph Smith, o febril fundador do mormonismo, ou como um Jim Jones, o líder da seita que apenas três anos antes, em 1978, induzira mais de 900 de seus seguidores ao suicídio coletivo — um homem tão envolvido com as próprias convicções que seu universo começa e termina nelas, e tão narcisista que é ao mesmo tempo o profeta e o deus que ele anuncia. Mas o rebanho de Allie é pequeno: consiste na mulher e nos dois filhos, cuja vida ele domina em todos os aspectos e aos quais prega sem descanso sua doutrina de autossuficiência, de crítica ao consumismo e de indignação com a letargia intelectual e o conformismo bovino em que a América se acomodou. Allie imagina um outro mundo para si e a família — um mundo que eles mesmos vão forjar a partir do mínimo de recursos, mais ou menos como a fábrica de gelo que ele acabou de inventar, capaz de funcionar só à base de água e fogo, sem eletricidade.

No livro e na sua adaptação fiel — mas não muito bem-sucedida — de 1986 para o cinema, essa fábrica é a quimera que faz Allie transplantar o clã dos Estados Unidos para uma parte selvagem da América Central. Não, porém, em The Mosquito Coast (Estados Unidos, 2021), cuja primeira temporada acaba de estrear na AppleTV+. Aqui, mal o espectador tem a chance de ver os Fox em seu hábitat espartano — uma velha casa de fazenda na Califórnia em que telefones, celulares, televisão e computadores são proibidos — e eles são descobertos e se põem em fuga da NSA, a Agência de Segurança Nacional. A razão pela qual o governo persegue os Fox é um mistério que não será elucidado até o desfecho desta temporada inaugural (três dos sete episódios já estão disponíveis): estrito senso, só um quarto do livro foi utilizado nesta primeira leva.

As alterações em relação ao enredo original são tão numerosas e profundas que “reimaginação” é o termo mais adequado para a série. E, no entanto, ela encarna à perfeição o espírito de derrocada e de paradoxo em que o romance foi escrito, e a era de certezas e verdades absolutas para a qual foi adaptado: os Fox desprezam a arro­gân­cia e a indiferença americanas, mas as levam consigo em cada passo da viagem, dispondo à sua conveniência das pessoas (Paul Theroux é um viajante experimentadíssimo, e sabe do que fala). Sobretudo, o criador Neil Cross, de Luther, encontra um Allie ideal em Justin Theroux, que é sobrinho de Paul mas, mais importante, um ator excelente, um roteirista respeitado e — aí, sim, o parentesco pode ter algo a dizer — alguém íntimo da visão e da trajetória do tio.

É mérito de Justin que Allie agora não mostre só o lado exaustivo que Harrison Ford tornou preponderante no filme de 1986, dirigido por Peter Weir — a mania de grandeza e de certeza, o otimismo delusório, a energia desenfreada, o controle ferrenho sobre a família. No desempenho repleto de nuances de Justin, essas qualidades exasperadoras vêm entremeadas com lábia, com sedução, com uma aptidão prática que é um prazer em si mesma e com uma capacidade real para a alegria. Allie irrita, mas também contagia. É por isso, por exemplo, que consegue persuadir dois “coiotes” a ajudá-lo a empreender uma fuga ao contrário, dos Estados Unidos para o México, cruzando a fronteira pelo Deserto de Sonora — uma extensão tão mortal que a natureza ali é que faz o trabalho de patrulha. As consequências são dramáticas e de longa repercussão. E Allie, que tanto se orgulha de tirar a família de perigo após perigo, não registra que ele mesmo é que os cria, um após o outro, e deixa um rastro de vítimas colaterais atrás de si.

Também a mulher de Allie, Margot, e os filhos ganham impacto redobrado sobre os rumos da história. Margot é um enigma, mas Melissa George, que a interpreta, deixa pistas sobre um passado tão complicado quanto o do marido, ou mais. Como no livro, o caçula Charlie (Gabriel Bateman), de seus 14 anos, idolatra o pai. Mas não só os traumas da viagem começam aqui a conferir expressões sinistras à idolatria, como ele perde a posição de principal ponto de vista para Dina (Logan Polish), 15 anos e única detentora de clareza e senso de absurdo na família. Bateman e Polish estão fantásticos em seus papéis: dois adolescentes a quem o pai promete uma aventura como a de A Família Robinsonenquanto os conduz para o horror de O Coração das Trevas.

Publicado em VEJA de 12 de maio de 2021, edição nº 2737

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s