O duplo pontificado de Jude Law e John Malkovich na série “O Novo Papa”

O cineasta Paolo Sorrentino usa todo o seu formidável talento visual para testar tudo o que é profano na busca pelo sagrado

Afetado e melancólico, sempre estendido em algum divã ou mirando com os olhos marcados de delineador pelas janelas, o cardeal e duque inglês John Brannox (John Malkovich) faz um gesto de enfado quando o mordomo tenta lhe passar o celular – é Meghan Markle, de novo, querendo a opinião dele sobre o que vestir (mais tarde ele a aconselha: “O Dior, claro”). Brannox vem dando um baile na delegação do Vaticano que foi ao seu castelo instá-lo a aceitar uma candidatura ao papado. As circunstâncias são singulares: o americano Lenny Belardo, ou papa Pio XIII (Jude Law), está vivo, mas seu coma já dura meses. Houve um sucessor desastroso – e que morreu com rapidez muito conveniente. É preciso que o conclave eleja unanimemente, e logo, alguém capaz de estancar o crescimento da idolatria em torno do ferozmente conservador, combativo, místico e misterioso Pio XIII. Conhecido pela habilidade para o consenso, Brannox é o nome ideal, mas ele hesita, vacila e não se define. O ardiloso cardeal Voiello (Silvio Orlando), secretário de Estado do Vaticano, tem a solução: apelar à vaidade de Brannox, que durante toda a vida se sentiu à sombra de seu gêmeo morto, para afinal convencê-lo a se tornar João Paulo III. Em O Novo Papa (The New Pope), a série com que dá continuidade à extraordinária O Jovem Papa e que já está disponível na Fox Premium, o cineasta italiano Paolo Sorrentino explora paradoxos espirituais talvez ainda mais extremos que na leva de episódios de 2016. Como um São Tomé que toca a chaga de Cristo para se certificar de que ela (ou Ele) é real, Sorrentino sonda tudo que é tido como profano – sensualidade, venalidade, ganância, frivolidade, presunção, carência, confusão, desamparo, raiva, revolta – em busca das provas de sua convicção: a de que, nisso tudo, quase sempre há uma partícula, ou até mais, de sagrado.

Sorrentino tem o dom não só de escrever maravilhosamente – os diálogos cortam como navalha, e as pregações de Pio XIII e de João Paulo III são arrebatadoras -, como também o de fazer seus atores se expandir de forma assombrosa dentro de seus papéis (a despeito da excelência do elenco como um todo, Law e Orlando continuam imbatíveis). Além disso, possui um domínio visual tão peculiar e exuberante que assistir aos seus Papas, ou ao formidável A Grande Beleza, ganhador do Oscar de filme estrangeiro de 2014, é uma rendição dos sentidos: opulentas, delirantes, desconcertantes – barrocas, enfim -, as imagens articulam aquilo que seria impossível colocar em palavras, ou que se fosse dito soaria vulgar ou apelativo. Por exemplo, a menção de que, em certa cena, uma mãe desesperada por dinheiro se prostitui a um homem deformado enquanto, ao fundo, ouve-se a Ave Maria de Bach; fica o choque, mas perde-se o poder da iconoclastia de Sorrentino, que demole símbolos para reerguê-los com novos sentidos.

A título de ilustração, veja-se a abertura: mais lascivas e menos vestidas a cada episódio, as jovens freiras que servem aos clérigos do Vaticano dançam com abandono à luz de cruzes de neon e ao som de Good Time Girl, da dupla Sofi Tukker. O objetivo de Sorrentino não é simplesmente colocar-se na soleira do desvario; um dos enredos de O Novo Papa acompanha o descontentamento das religiosas e seu desejo de que a Igreja dê a elas funções espirituais ativas – que a Igreja se modernize e as liberte de alguma forma, enfim. Mas a Igreja não é um iPhone, argumenta João Paulo III; não pode ser trocada por uma Igreja mais nova, porque tudo aquilo que pode ser trocado um dia termina no lixo. Em determinada altura desta nova temporada, Sorrentino troca a abertura, e as freiras deixam de ser o centro da atenção para se tornarem as observadoras boquiabertas do papa Pio XIII, que, de sunga branca contrastando com a pele bronzeada, caminha provocador por uma praia; tamanha é a beleza dele que uma das noviças, coberta por um manto azul-celeste como o de Nossa Senhora, desmaia. Nenhum caminho que possa levar ao sublime, defende Sorrentino, deve ser vetado.

Publicado em VEJA de 29 de abril de 2020, edição nº 2684

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s