divulgação

Invasão Zumbi

Não, o título não diz tudo sobre este formidável thriller/horror/drama sul-coreano

Um pai distante, com tempo só para o trabalho, pega a filha pequena para levá-la de trem de Seul até Busan, onde mora sua ex-mulher. Antes mesmo de eles chegaram à estação para iniciar o trajeto de 400 e tal quilômetros, percebe-se uma perturbação rolando na cidade – e, mal eles embarcam, a epidemia eclode de vez, transformando ordeiros e educados sul-coreanos em predadores irracionais e famintos.

divulgação

Bom, pensei, muito legal, mas quanta coisa será que dá para inventar com zumbis num trem que ocupe duas horas inteiras de filme? A resposta é, dá para inventar coisa que não acaba mais. Este é o primeiro filme em live-action do diretor e roteirista Sang-ho Yeon, mas ele traz para cá toda a imensa criatividade e o senso de ritmo do seu trabalho anterior em longas de animação de suspense/drama/horror (um deles, aliás, se chama Seoul Station, e também trata da erupção de uma epidemia zumbi). Os mortos-vivos são um primor: as posturas retorcidas, com os membros e o pescoço em ângulos anormais, os sons guturais – é ao mesmo tempo repugnante e fascinante. E, quando vão se juntando em bandos, eles adquirem um comportamento coletivo que me botou para pensar: onde é que eu já vi isso antes? A certa altura, me dei conta. Não sei se você já viu alguma vez um ninho de ratazanas; eu já tive esse desprazer, e é igual – os bichos se empilhando uns sobre os outros, se atropelando, entrando e saindo de formação. Da concepção à execução, a coreografia é de deixar o cabelo em pé. E Yeon é ainda um desses talentos naturais para o enquadramento. Dá vontade de voltar ao início e congelar o filme segundo a segundo, para admirar o apuro dele.

divulgação

Não é só a ação, porém, que escala em níveis extraordinários em Invasão Zumbi. Cineastas de animação têm o hábito da economia; sabem que nenhum segundo pode ser desperdiçado, e cada frame tem que servir para várias coisas ao mesmo tempo. Yeon compacta ação, horror, tensão e drama – muito drama – com um desenvolvimento de personagens muito acima da média para um filme de gênero. No centro de tudo, está o relacionamento de Seok (Yoo Gong) com a pequena Soo-an (Soo-an Kim), que vai de zero a cem durante o trajeto: Seok parte da indiferença quase absoluta e chega até o vínculo mais profundo com a menina, passando por todas as fases da dinâmica paterna, à medida que a situação aperta. À volta deles, outros personagens vão despontando e ganhando importância (e, claro, às vezes sumindo de cena de forma bem abrupta) – a grávida casada com um fortão boa-praça, os adolescentes de uma excursão, um quarentão mau-caráter, duas irmãs idosas, o maquinista.

divulgação

Na última cena, depois de uma sequência de imaginação e nervosismo incalculáveis, caí no choro. Sang-ho Yeon é um monstro de criatividade. E, como a maioria dos bons diretores sul-coreanos, não tem a menor dó nem dos seus personagens, nem dos seus espectadores. O que, claro, é a razão pela qual a Coreia do Sul faz hoje um dos cinemas mais originais e excitantes do mundo. Não conhece? Então vai aí uma lista de meia dúzia de sul-coreanos imperdíveis para você procurar nas plataformas digitais e/ou em DVD.


1. O HOSPEDEIRO (2006)

Uma espécie de bagre/lagarto gigante se cria nas águas do Rio Han e cata a filha do atrapalhado Gang-Du (o magnífico Kang-ho Song) durante uma confusão num parque – para mim, uma das sequências mais sensacionais do século. Uma obra-prima do diretor Joon-ho Bong.

2. MEMÓRIAS DE UM ASSASSINO (2003)

Outra obra-prima de Joon-ho Bong: num vilarejo rural, os despreparados policiais provincianos (Kang-ho Song é um deles) tentam resolver uma série de homicídios de meninas. Assim como em O Hospedeiro, Bong consegue virar do pastelão para a tragédia mais cortante no espaço de um segundo, dentro do mesmo movimento de câmera.

3. ZONA DE RISCO (2000)

Na fronteira da Coreia do Sul com a Coreia do Norte, um punhado de guardas que deveriam ser inimigos e se vigiar ininterruptamente trava uma camaradagem secreta. Não, isso não vai acabar bem. Chan-yook Park manda maravilhosamente no drama antes de ficar famoso com a Trilogia da Violência.

4. OLDBOY (2003)

O protagonista vivido pelo genial Min-sik Choi passou quinze anos trancado num quarto, sem saber por quem nem por quê. Quando seu captor um dia deixa a porta aberta – também por razão desconhecida –, o capturado sai estraçalhando. Literalmente. Uma das mais intrigantes e impactantes criações de Chan-yook Park e do cinema sul-coreano em geral.

5. O CAÇADOR (2008)

No filme de estreia do diretor Hong-jin Na, em pouco tempo o assassino já foi capturado pelo cafetão e ex-policial Jung-ho, que já arrancou dele uma confissão – e aí é que a coisa vai esquentar de verdade.

6. UM DIA DIFÍCIL (2014)

Uma noite de pesadelo para o policial Go: sua mãe morreu e está sendo velada; sua unidade na delegacia está sendo investigada por corrupção; e ele acabou de atropelar e matar um sujeito numa rua deserta – e cada problema que ele resolve faz com que outros dois apareçam em seu lugar no exímio thriller cômico do diretor Seong-hun Kim.


Trailer


INVASÃO ZUMBI
(Train to Busan/Busanhaeng)
Coreia do Sul, 2016
Direção: Sang-ho Yeon
Com Yoo Gong, Soo-an Kim, Yu-mi Jung, Dong-seok Ma, Ei-sung Kim, Woo-sik Choi, Sohee, Gwi-hwa Choi
Distribuição: Paris Filmes

4 comentários em “Invasão Zumbi”

  1. Acho que houve alguma influência de Guerra Mundial Z neste filme em relação aos zumbis, mas mesmo assim acredito que Invasão Zumbi foi bem mais efetivo. Top!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s