divulgação

A Garota no Trem

Emily, você é melhor do que isso, querida

Se Emily Blunt não fosse tão adorável, ela seria de dar raiva: é bonita sem maquiagem, dois meses depois de dar à luz já cabe no vestidinho, tem uma voz linda e um senso de humor que é um perigo de tão afiado, e é uma baita atriz. O mais bacana no talento de Emily é o quanto ele demonstra a inteligência dela; as atuações dela são perspicazes, perceptivas e fluidas – ajustam-se ao momento, ao ator que está em cena com ela, pegam sinais que estão no ar. Emily, em suma, é muito mais atriz do que seria preciso para as exigências modestas de um suspense tão mediano quanto A Garota no Trem. Em cena como Rachel, uma moça que tomou um tombo feio na vida, caiu na sarjeta e não está conseguindo se levantar, Emily parece alguém que está tentando caber numa roupa dois números menor; se ela se mexer demais, a costura rasga.

divulgação

A inglesa Paula Hawkins, autora do best-seller em que o filme se baseia, várias vezes fez questão de dizer que já estava escrevendo seu livro quando a americana Gillian Flynn lançou o super sucesso de vendas Garota Exemplar e David Fincher o adaptou para o cinema. Não duvido, mas a coincidência (e ela vai além da “garota” no título) é ao mesmo tempo feliz e infeliz. Feliz, porque impulsionou decisivamente as vendas de A Garota no Trem. Infeliz porque a comparação é inevitável, e A Garota no Trem – livro e filme – sai perdendo feio.

divulgação

Rachel começou a beber antes mesmo de seu casamento com Tom (Justin Theroux) acabar, porque algo já não ia bem entre os dois. Mas, depois que ele assumiu o caso com a perfeitíssima Anne (Rebecca Ferguson), pediu o divórcio, casou-se de novo e teve um bebê, Rachel passou a entornar de vez. Quando a história começa, ela está já há mais de um ano sem emprego; foi demitida por se apresentar alcoolizada ao trabalho. Mas Rachel finge para a amiga em cuja casa ela mora que está tudo bem: todos os dias ela toma o trem do subúrbio de Westchester para Manhattan, onde passa o dia vagando pelos parques e pela estação ferroviária e bebericando vodca. De noite, ela pega o trem de volta. E, na ida e na volta, senta-se sempre no mesmo vagão, para poder olhar a casa onde morou com Tom, hoje reinado de Anne e seu bebê. E olhar também outra casa, no mesmo quarteirão, onde mora um casal jovem (Haley Bennett e Luke Evans), bonito e que, na fantasia que ela gosta de tecer, é perfeitamente ideal e apaixonado. Rachel está em depressão, em negação e em suspensão. A vida dela é isso. Isso, e ligar dezenas de vezes seguidas para o ex-marido, e bater na porta da casa dele, e então esquecer tudo no mar de vodca e gin que ela consome.

divulgação

Até o dia em que um crime talvez tenha acontecido. Megan, a jovem que ela gosta de observar da janela do trem, desapareceu. Cogita-se assassinato. Rachel acha que tem uma informação importante a dar à polícia. Mas, surpresa: talvez ela própria esteja envolvida. Como ter certeza que não, se está sempre embriagada e confusa?

divulgação

A Garota no Trem logo vai se revelar uma história “de mulheres”: Anne e Megan se alternam com Rachel como narradoras, e a troca de ponto de vista traz à tona aquelas rachaduras conjugais que costumam ficar nas paredes internas, ocultas do resto do mundo atrás das fachadas perfeitas. Mas a coisa toda é bem menos interessante do que possa parecer: todas as três mulheres são estereótipos consagrados, e os personagens masculinos se saem pior ainda. Juntando Paula Hawkins e o diretor Tate Taylor (de Histórias Cruzadas), não se tem meio David Fincher: Taylor é de uma banalidade inapelável. As cenas de Megan com seu terapeuta (Edgar Ramírez) são constrangedoras de tão improváveis e ruins; quando ele mostra o idílio conjugal entre Megan e seu marido que tanto seduz o olhar de Rachel, parece estar fotografando um daqueles catálogos de moda das lojas de departamentos americanas. Taylor, enfim, é um diretor estritamente descritivo. É incapaz de algum insight.

divulgação

A Garota no Trem teria salvação de duas maneiras. Uma, se fosse um daqueles filmes ingleses de Mike Leigh em que todo mundo é meio ou muito feio e infeliz para dedéu – no livro, que se passa em Londres, Rachel se largou completamente depois do divórcio: engordou, ficou flácida, está com a pele horrível e o cabelo malcuidado. Aí, Emily Blunt, com quem ninguém teria coragem de fazer uma coisa dessas (muito menos eu), teria de dar lugar a alguma das muitas excelentes atrizes inglesas que têm a cara do papel e são pouco conhecidas no cinema americano. A outra possibilidade seria assumir sem disfarces o dramalhão que A Garota no Trem é fazê-lo como um daqueles melôs dos anos 40 e 50 com Joan Crawford e Deborah Kerr, sem nenhum medo de ser infeliz. Aí, porém, a discrição e a contenção de Emily ficariam fora de lugar, e seria melhor chamar alguém como Elizabeth Olsen.

Ou seja, Emily é ao mesmo tempo mais e menos do que A Garota do Trem pede. Mas, em qualquer caso, é muito melhor do que o filme.


Trailer


A GAROTA NO TREM
(The Girl on the Train)
Estados Unidos, 2016
Direção: Tate Taylor
Com Emily Blunt, Rebecca Ferguson, Haley Bennett, Justin Theroux, Luke Evans, Edgar Ramírez, Allison Janney, Laura Prepon, Lisa Kudrow
Distribuição: Universal

9 comentários em “A Garota no Trem”

  1. Ótima crítica. Estou louco para ver sua crítica de Doutor Estranho, tenho lido maravilhas sobre o filme, ele está atualmente com 92% de aceitação no rotten tomatões, será que teremos outro acerto da Marvel Isabela?

    Curtir

  2. Ótima crítica. Estou louco para ver sua crítica de Doutor Estranho, tenho lido maravilhas sobre o filme, ele está atualmente com 92% de aceitação no rotten tomatões, será que o filme corresponde as expectativas Isabela?

    Curtir

  3. Caro amigo, você poderia, por favor, enviar notícias de cinema ( filmes, atores, bilheterias, entrevistas, resenhas, críticas, curiosidades, etc.) para o meu e-mail? Além disso, você aceitaria sugestões de filmes para futuras resenhas? Muito obrigado.

    Curtir

  4. Que bom ver minha ídola escrevendo no Uol… Sempre fui seu fã, você escreve muito sobre cinema. Parabéns a você e parabéns ao Uol que agora conta com uma excelente profissional nos seus quadros….

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s