Desajustados

Um homem muito grande que se sente muito pequeno

divulgação

Fúsi, o protagonista deste filme islandês, tem 43 anos, mora com a mãe, transporta bagagens no aeroporto de Rejkavik, nunca teve uma namorada, tem um único amigo e passa o tempo livre pilotando carrinhos de controle remoto ou montando miniaturas de campanhas da II Guerra Mundial (no momento, está enfronhado numa das batalhas de El Alamein). É provável que a timidez extrema e o comportamento regressivo de Fúsi sejam pelo menos em parte resultado da sua aparência: ele é uma montanha de homem, tão largo quanto alto – e, por chamar tanto a atenção, faz de tudo para tentar passar despercebido. Como não pode encolher-se por fora, aprendeu a encolher-se por dentro, e virou uma pessoa tão assustada que, a despeito do seu tamanho intimidador, sofre bullying dos colegas de trabalho. Fúsi poderia ser um clichê cinematográfico – mas é tão delicado e preciso o filme do diretor Dagur Kari, e tão maravilhosa a interpretação do ator Gunnar Jonsson, que nem por um momento Desajustados corre esse risco.

divulgação

A certa altura, Fúsi começa uma amizade – quase uma amizade de parquinho mesmo – com Hera, uma menina de uns 8 ou 9 anos que mora no seu prédio, e sente uma ponta de alento. Outra novidade em sua vida: o namorado da mãe de Fúsi, louco para tirá-lo de casa por algumas horas que seja, presenteia-o com a matrícula numa academia de dança country (!!!!), onde ele conhece a florista Sjöfn, com quem inicia uma lenta – lentíssima – aproximação. Nenhum desses dois relacionamentos, porém, toma exatamente o rumo que se poderia prever. Sjöfn, em particular, é mais complicada e menos solar do que o primeiro contato com ela sugere. Mas o que a progressão do relacionamento entre eles mostra é, primeiro, como Fúsi é um sujeito genuinamente agradável e interessante, apesar de seu mutismo; e, segundo, como ele é surpreendentemente apto a cultivar sentimentos, a amparar outra pessoa, a ceder espaço em sua vida.

divulgação

Gunnar Jonsson é mais conhecido como comediante na Islândia, e eu não imagino como seja o trabalho dele nessa seara. Mas, como talento dramático, ele é de primeira grandeza (sem trocadilho): é de uma minúcia e uma expressividade tão medidas que duvido que, a olho nu, fosse possível perceber as coisas sensacionais que ele está fazendo em cena; só a câmera mesmo é capaz de registrar certos semitons. Assisti a uma entrevista em que o diretor Dagur Kari (do cult Noi Albinoi) diz que ele e Jonsson mal conversaram sobre o papel – nem antes, nem durante nem depois das filmagens –, porque estavam tão obviamente sintonizados na mesma frequência que qualquer discussão extra seria supérflua. A maneira como o filme evolui, sempre guiado pelo compasso de Fúsi e abrindo-se para o espectador junto com o personagem, atesta que não se trata de papo de cineasta: Kari e Jonsson nasceram um para o outro.


Trailer


DESAJUSTADOS
(Fúsi/Virgin Mountain)
Islândia/Dinamarca, 2015
Direção: Dagur Kari
Com Gunnar Jonsson, Ilmur Kristjansdottir, Franziska Una Dagsdottir, Margret Helga Johannsdottir, Sigurjon Kjartansson
Distribuição: Imovision

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s