divulgação

O garimpo da semana: Jornada pela Liberdade

A virtude de ser um cabeça-dura

Até as nações mais civilizadas são capazes de barbarismo. A questão é: como reconhecê-lo pelo que ele é? Dirigido pelo inglês Michael Apted de um jeito bem convencional, mas com muito apuro e um resultado que às vezes é eletrizante, Jornada pela Liberdade está disponível no Netflix e também em DVD e conta a história de um sujeito que estava várias décadas à frente do seu tempo: William Wilberforce, que passou quase cinquenta anos brigando no Parlamento para obrigar a Inglaterra a abdicar do tráfico de escravos – e, depois, a usar sua Marinha para reprimir os países que continuavam a traficar, como Portugal (destino da maioria dos escravos traficados no período em que Wilberforce atuou: o Brasil). Foi uma briga boa, e Michael Apted, que é craque em transformar biografias em painéis muito ricos do tempo e lugar em que elas se passam (é dele O Destino Mudou Sua Vida, com Sissy Spacek, que eu adoro), juntou ainda um elenco de primeiríssima: Ioan Gruffudd, Benedict Cumberbatch, Michael Gambon, Albert Finney, Ciarán Hinds e por aí vai.

Leia a seguir a resenha que eu escrevi quando o filme foi lançado em 2008


 Um político dos bons

A empolgante história de William Wilberforce, o parlamentar que fez a Inglaterra abolir o tráfico de escravos

divulgação

William Wilberforce e William Pitt são nomes conhecidos de qualquer inglês que tenha prestado um mínimo de atenção às aulas da escola – e um dos méritos de Jornada pela Liberdade é apresentá-los ao restante do público. Amigos do peito desde a universidade, esses dois prodígios do século XVIII chegaram ao Parlamento britânico no início dos seus 20 anos; aos 24, Pitt se elegeu primeiro-ministro (não à toa ganhou o apelido de “O Jovem”, para diferenciá-lo de seu pai, de quem herdou o nome e que também ocupara o cargo). Mas, em vez de só fazer alguns discursos e conchavos, como era costume até então, decidiu fortalecer o cargo e implantar um projeto político. Entre os itens prioritários de sua agenda estava banir o tráfico de escravos, que a Inglaterra liderava, e ao qual ele não podia se opor diretamente, já que a maioria dos parlamentares tirava dele, de alguma forma, sua fortuna. Pitt convocou então Wilberforce para a tarefa, apresentando-o a um grupo de religiosos que eram abolicionistas devotados e convencendo-o a usar toda a sua invectiva, energia e extroversão para pleitear uma lei contra o tráfico. Wilberforce acabou ficando mais realista do que o rei: de 1787, quando iniciou a missão, até sua morte, em 1833, pôs todo o resto de lado para trabalhar pela abolição, erguendo um movimento que ecoaria, nas décadas seguintes, em outros dois grandes centros escravagistas – os Estados Unidos e o Brasil.

divulgação

Jornada pela Liberdade é um desses filmes de época que os ingleses fazem como ninguém: é convencional (até quadrado, seria possível dizer), mas meticulosamente bem estruturado e narrado, e tem fartura daquele tipo de ator que floresce nas ilhas: gente que sabe vestir uma meia até o joelho e envergar uma peruca empoada sem que pareça estar numa festa a fantasia. O galês Ioan Gruffudd, de Quarteto Fantástico, é o indominável Wilberforce, que gostava tanto de abrir a cozinha de sua mansão para os mendigos locais quanto de entreter figurões em seu salão. O elegante e longilíneo Benedict Cumberbatch interpreta William Pitt com um misto cativante de esperteza, secura e afeição. O veterano Michael Gambon (o Alvo Dumbledore de Harry Potter) dá um banho como o conservador que se passa para o lado dos abolicionistas, e Albert Finney encarna de forma soberba John Newton, um ex-capitão de navio negreiro que se arrependeu de seus pecados, compôs o belíssimo hino evangélico Amazing Grace e foi o mentor espiritual de Wilberforce.

divulgação

Pitt e Wilberforce se opunham à escravidão por razões morais, mas eram duas raposas que sabiam como qualquer outro político usar lábia e artimanhas para chegar aonde queriam. A diferença está, claro, no aonde ao qual eles queriam chegar. A argumentação de Wilberforce, exposta em décadas de campanha junto ao público, sobre a inviolabilidade do conceito de que todos os homens são iguais foi tomada de empréstimo em parte pelo presidente americano Abraham Lincoln no ato de 1863 que aboliu a escravidão – e praticamente na íntegra por brasileiros como Joaquim Nabuco, Rui Barbosa e o ex-escravo Luiz Gama, que cumpriram no Brasil papel semelhante ao que Wilberforce desempenhou junto aos ingleses. Eis aí, portanto, o que há de mais inteligente e atual em Jornada pela Liberdade: a defesa que o filme faz da política como uma arena não apenas possível, mas ideal, para o exercício da ética.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 16/04/2008
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2008

JORNADA PELA LIBERDADE
(Amazing Grace)
Inglaterra, 2006
Direção: Michael Apted
Com Ioan Gruffudd, Benedict Cumberbatch, Albert Finney, Michael Ganbom, Romula Garai, Rufus Sewell, Youssou N’Dour, Ciarán Hinds, Toby Jones

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s