divulgação

Hoje é um bom dia para rever…Arraste-me para o Inferno

Uma escolha sob medida para esta sexta-feira 13 de 2015.

É dia de terror, estamos em crise econômica brabíssima. O que poderia reunir as duas coisas com mais harmonia do que o horror-comédia de Sam Raimi sobre prestações vencidas e pragas infernais? Difícil é decidir de qual das duas coisas ter mais medo, se da inadimplência ou da magia negra. Leia aqui a resenha que eu fiz quando o filme foi lançado em 2009:

A crise é um pavor.

No delicioso terror com humor de Sam Raimi, a funcionária de um banco é mandada para o inferno – literalmente – por tirar a casa a uma velha.

divulgação

Na sua encarnação anterior à de diretor da bilionária série Homem-Aranha, o americano Sam Raimi tinha um público bem menor, porém ainda mais fiel que o atual. Um público de admiradores arrebatados do gênero que teve nele um dos pioneiros e principais praticantes: o “terrir”, ou terror que causa medo e hilaridade na mesma proporção. Com A Morte do Demônio e Uma Noite Alucinante, lançados em 1981 e 1987, Raimi, então um garoto (ele tem hoje 49 anos), demonstrou que orçamento baixo só limita quem não tem imaginação nem domínio técnico. O cineasta tem ambos, em farta quantidade. Usando quase o mesmo roteiro para os dois filmes – um espertalhão, interpretado pelo virtuose da canastrice Bruce Campbell, vai parar em uma cabana no meio da mata onde coisas horríveis o atacam e atormentam –, Raimi cunhou um estilo particular, no qual duas vertentes do horror, a fantasmagórica e a repulsiva, se combinam com audácia. Os espíritos e caveiras assombram Campbell, mas também o estapeiam, e lhe dão cabeçadas, e enfiam os dedos esqueléticos em seus olhos, como se fossem os espectros dos Três Patetas. O ator se vê repetidas vezes coberto de sangue e secreções putrefatas; e, na cena seguinte, já está limpo de novo. Raimi, entretanto, de fato assustava com essas parvoíces, graças acima de tudo ao seu senso de ritmo e às suas inovações – câmeras e lentes que distorciam as imagens de forma a reproduzir a sensação provocada pelo medo, de que o tempo e os espaços se alongam ou se abreviam conforme a intensidade da emoção. Esse é o espírito que Raimi procura recuperar com Arraste-me para o Inferno.

divulgação

No enredo delicioso concebido por Raimi e seu irmão Ivan, a delicada Alison Lohman é Christine, a encarregada do setor de empréstimos de um banco. De olho no posto de gerente assistente, ela quer mostrar que pode ser uma profissional agressiva e recusa renovar a hipoteca de uma velha senhora, que vai assim perder a casa. A repelente senhora Ganush (Lorna Raver), porém, tem noções avançadas de magia negra. Depois de se atracar com Christine, em uma sequência espetacular, ela completa a vingança rogando-lhe uma praga que tem repercussões tanto imediatas quanto de longo prazo. Mais ou menos como uma hipoteca – só que a de Christine deve terminar em um inferno ainda mais escaldante que o da inadimplência.

divulgação

Raimi não só prova que é possível fazer terror a partir de um tópico aparentemente incongruente – a crise econômica que roubou as casas a milhares de americanos –, como atesta que permanece insuperável no gênero que popularizou. Metade do tempo, Arraste-me para o Inferno apavora, recorrendo a não mais do que sombras e ruídos, em cuja edição o diretor é mestre. Na outra metade, faz rir (e enoja) com cenas maravilhosas como a do encontro de Christine com um defunto expectorante. E, em dois ou três momentos, atinge o máximo a que o “terrir” pode almejar: provoca arrepios e gargalhadas simultaneamente. Se dá margem a ressalvas, é porque há outros momentos em que é evidente que Raimi poderia ter ido muito mais longe, como o faria em outros tempos. A questão é que, como dizia o tio de Peter Parker, o Homem-Aranha, com grandes poderes vêm grandes responsabilidades – e Raimi, hoje poderosíssimo, já não pode se entregar à anarquia exigida pelo “terrir” com o abandono de antes.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 12/08/2009
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2009

ARRASTE-ME PARA O INFERNO
(Drag Me to Hell)
Estados Unidos, 2009
Direção: Sam Raimi
Com Alison Lohman, Justin Long, Lorna Raver, David Paymer, Adriana Barraza, Dillep Rao, Bojana Novakovic

2 comentários em “Hoje é um bom dia para rever…Arraste-me para o Inferno”

  1. A ideia toda é muito boa e o filme tem seus momentos, mas achei que Sam Raimi afundou o pé na lama aqui. O filme é todo exageros. Eu sei que vários deles são propositais e servem à trama, mas muitos outros não funcionam e acabam comprometendo o resultado. E, para minha tristeza, ele seguiu na lama com aquele horroroso “Oz: mágico e poderoso” que fez na sequência.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s