divulgação

Happy Feet

A ginga do imperador

No excelente Happy Feet, um grupo de pinguins rejeita um filhote que não sabe cantar – só sapatear

divulgação

O australiano George Miller produz pouco (nove longas-metragens) e dirige menos ainda (apenas sete filmes, desde 1979). Mas, quando faz qualquer uma das duas coisas, costuma mostrar a que veio. Como em Mad Max, que inventou a aventura pós-apocalíptica, ou em Babe – O Porquinho, um dos melhores filmes infantis já realizados. Agora, depois de quase cinco anos de trabalho insano, Miller repete o feito: Happy Feet é um desenho absolutamente original – um musical e uma comédia que evoluem para o épico e a tragédia, numa animação de beleza extraordinária. (Aliás, original também por ter entrado em produção antes do documentário A Marcha dos Pinguins.) Miller parte de um dado real, o de que cada pinguim imperador desenvolve uma “voz” distinta. Em seu filme, cantar bem (de Queen e Prince a Frank Sinatra) é o orgulho dos imperadores, e a razão pela qual Mano já sai do ovo como um pária: seu canto é medonho. Mano só sabe se expressar sapateando, algo de que os imperadores nunca ouviram falar e que imediatamente rejeitam. Organizados numa sociedade puritana e conformista, eles acham que sacudir os quadris, ou apenas os pés, é uma profanidade.

divulgação

Happy Feet começa, então, como uma história clássica – a do filhote rejeitado –, sobre um pano de fundo que lembra os primeiros tempos do rock, quando os Estados Unidos se escandalizaram com os meninos brancos que aderiam à tradição negra do ritmo. Daí prossegue para a jornada heróica de Mano, que o levará a conhecer uma comunidade latina de pequenos pinguins de Adélia, a ouvir as profecias de um grupo de elefantes-marinhos fatalistas e, finalmente, a descobrir que a escassez de alimento, que os anciãos atribuem ao seu nascimento, é na verdade resultado da ação de seres que se movem em colossais engenhos flutuantes, nos quais apanham quantidades infinitas de peixe. Mais ou menos como Ulisses, o jovem Mano se verá preso numa ilha estranha (um oceanário), e então empreenderá uma volta não apenas triunfal, mas também reveladora.

divulgação

À medida que os horizontes de Mano se ampliam, cresce também a ambição do filme – até ele se tornar verdadeiramente grandioso, como na imagem dos pesqueiros em meio à bruma ou na seqüência em que o imperador enfrenta o ataque de duas baleias. Estreante em desenho, o diretor levou para Happy Feet sua capacidade singular de conceber mundos vivos e inteiros. A exemplo do deserto nuclear de Mad Max ou da perfeição pastoral de Babe, sua Antártica é ao mesmo tempo realista e impregnada de assombro. O que multiplica esse efeito, porém, é o contraponto com a intimidade e o detalhe com que os personagens são retratados – aquele “fator fofura” de que nenhum desenho comercial pode (ou quer) prescindir.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 22/11/2006
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2006

HAPPY FEET
Austrália/Estados Unidos, 2006
Direção: George Miller
No original, com as vozes de Elijah Wood, Hugh Jackman, Nicole Kidman, Robin Williams, Hugo Weaving, Brittany Murphy, Magda Szubanski, Miriam Margolyes, Carlos Alazraqui, Jeffrey Garcia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s