divulgação

Menina de Ouro

Na boca do estômago

No magnífico Menina de Ouro, Eastwood olha o passado e o futuro nos olhos. E sem tremer.

A pior coisa que se pode fazer pelo soberbo Menina de Ouro (Million Dollar Baby, Estados Unidos, 2004) é contar qualquer coisa que se passe depois dos vinte ou trinta minutos iniciais de filme — nos quais a garçonete Maggie Fitzgerald, 32 anos de idade e dezenove servindo mesas, pobre e sozinha como um vira-lata, a ponto de matar a fome com os restos deixados no prato pelos fregueses, segue o instinto natural de sua estirpe para escolher um dono e se agarrar a ele. Todos os dias o ex-boxeador Frankie Dunn a enxota de seu ginásio decadente, e todos os dias Maggie volta para socar sacos de areia, à espera de que Frankie finalmente aceite prepará-la e transformá-la na grande lutadora que ela quer ser. Maggie acredita nisso com uma fé grande o bastante para cobrir as suas deficiências e o ceticismo de Frankie, um católico que vai à missa todos os dias para questionar o padre, ou, em outras palavras, para questionar Deus. Maggie e Frankie, magnificamente interpretados por Hilary Swank e Clint Eastwood (que assina também a direção, a produção e a trilha sonora), vivem assim os papéis cardeais de mestre e discípula numa história que, em seus contornos mais básicos, poderia parecer requentada — não falta a ela nem o amigo negro e sábio do treinador (Morgan Freeman, aliás excelente). Mas, nas duas horas seguintes, Eastwood vai conduzir o enredo e seus personagens por caminhos em que nenhum clichê cinematográfico jamais teve a bravura de se aventurar, e cujo destino é o encontro tardio, árduo e terrivelmente doloroso com a salvação, e salvação com “S” maiúsculo, ainda que decidida e deliberadamente contrária a qualquer cânone religioso. Assistir a Menina de Ouro com a guarda baixa, portanto, é o que de melhor se pode fazer por ele.

divulgação

           Não é por mero capricho que Eastwood ambienta Menina de Ouro no mundo algo exótico do boxe feminino. Num contínuo com toda a sua obra desde Os Imperdoáveis, e em especial com o recente Sobre Meninos e Lobos, o filme trata em boa parte da insensatez e da futilidade da violência. Ver homens punindo um ao outro num ringue é chocante; ver mulheres golpeando-se e vertendo sangue tem o dobro do efeito. Eastwood certamente não partilha da visão católica de que o sofrimento da carne pode trazer elevação espiritual. Em seus filmes, tudo o que a agressão ao corpo faz é desfigurar a ele e à alma. O treinador Frankie Dunn já viu mais exemplos do que gostaria dessa ruína, e por isso se tornou cauteloso em excesso com seus pugilistas, sempre retardando suas chances de enfrentar adversários à altura. É sua forma de evitar que a morte comece a se intrometer cedo demais na vida — e cada cena em que as juntas de Frankie rangem sob o peso da idade ou em que Maggie sai ferida do ringue é o lembrete de Eastwood de que o fim é insidioso e não chega de uma hora para outra. Vai simplesmente ocupando um espaço cada vez maior, até expulsar de vez a vida ou a vontade. O momento dessa constatação é aquele em que se costuma iniciar o inventário do que foi deixado para trás, e Frankie e Eastwood fazem juntos a sua contabilidade, na qual figura, em destaque, a admissão de que provavelmente foram pais bem menos do que perfeitos para seus filhos.

divulgação

           Eastwood é lúcido demais para acreditar que confessar seja o equivalente a expiar. Em seu filme, os erros do passado não têm remédio, e não há como compensar as vítimas deles pelo sofrimento provocado. O máximo que se pode fazer é endereçar a reparação a alguma outra pessoa que necessite dela — no caso de Frankie, Maggie, desprezada por uma mãe frígida e que não tem metade da sua fibra. Menina de Ouro leva essa idéia de reparação até as últimas e devastadoras conseqüências, e com uma franqueza e uma coragem de que poucos homens, que dirá então cineastas, seriam capazes. Eastwood, porém, tem feito desse terceiro ato de sua carreira o melhor, o mais ousado e o mais capaz de inspirar reverência. Seu Menina de Ouro é, em si, uma espécie de salvação por atacado, para Hilary Swank, que tem uma segunda e rara oportunidade de provar que o Oscar de atriz por Meninos Não Choram não foi mera sorte de iniciante, para o cinema clássico americano, revigorado pelo estilo direto e avesso à indulgência de seu diretor, e para o próprio Eastwood. Sua indicação ao prêmio de ator vem sendo atribuída ao fato de, às vésperas de completar 75 anos, ele ter finalmente deixado de interpretar a si mesmo para envergar um personagem. Talvez o correto seja o inverso: em Menina de Ouro, Eastwood pela primeira vez abandona por completo a inflexibilidade de sua persona artística. As rachaduras, manchas e pecados expostos aqui parecem pertencer não ao ator, mas ao homem.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 09/02/2005
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2005

2 comentários em “Menina de Ouro”

  1. Fora isso, esse texto é tão forte e austero quanto os próprios filmes de Clint Eastwood.

    Eloquente e sucinto. Digno do velho mestre.

    Sua entrevista com Clint Eastwood é antológica, histórica, de arrepiar.

    Digna dos anais da crítica cinematográfica mundial.

    Parabéns. Essa vai para os livros.

    Curtir

Deixe uma resposta para Ernesto Ribeiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s