divulgação

A Vila

Alerta laranja.

Os moradores de A Vila estão sob perigo. E a carreira de M. Night Shyamalan também.

É a Pensilvânia tranqüila e rural de fins do século XIX, e a aldeia não tem mais do que algumas dezenas de moradores. Ainda assim, eles vivem em perpétuo estado de alerta laranja: a floresta que delimita os contornos de seu vale próspero e ordeiro é dominada por criaturas tão terríveis que os habitantes de Covington nem mesmo conseguem dar um nome a elas. Em seu linguajar arcaico e formal, referem-se a elas apenas como “aqueles de quem não falamos”. Covington vive uma trégua delicada com essa ameaça sobrenatural. O preço para evitar uma invasão é proibir terminantemente as incursões pela floresta — e, por extensão, o contato com o restante da civilização. O jovem Lucius (Joaquin Phoenix) é um dos que suportam esse isolamento com menor grau de estoicismo, e parece provável que suas escapadas para a zona proibida sejam a razão pela qual a trégua é quebrada, com desdobramentos que se pretendem misteriosos e surpreendentes. Pretendem-se, apenas, já que A Vila é uma construção tão artificial, e fundada numa idéia tão despropositada, que sua única revelação de fato relevante — além do talento e da vivacidade da novata Bryce Dallas Howard, que faz a cega Ivy — é quanto a obsessão do diretor M. Night Shyamalan por virar uma marca e um mito está pondo a perder uma carreira que começou da forma mais auspiciosa possível, com O Sexto Sentido.

Toda a maciça publicidade de A Vila gira em torno do nome de Shyamalan, como se seu elenco — composto ainda de William Hurt, Sigourney Weaver e Adrien Brody, entre vários outros excelentes atores — não tivesse a menor importância. E, pela forma como o diretor o trata, não tem mesmo. Tudo o que esse pessoal tem a fazer é se comportar como uma versão de teatro amador dos amish de A Testemunha, falando com muitas pausas e um vocabulário antiquado. Shyamalan empresta ainda de A Bruxa de Blair, de Chapeuzinho Vermelho (até no figurino cômico, de capa e capuz ocre, que os personagens usam para se aproximar da floresta) e de fontes menos notórias, mas muito eficazes, como o romance The Chrysalids, do inglês John Wyndham. É uma colagem em que o nexo principal, o da idéia, está ausente. Por mais que surja a tentação de interpretar A Vila como uma alegoria do modo de vida americano e da reação do país ao terrorismo, o filme emite todos os sinais de que ela é só mais uma peça da colagem, algo de que o diretor se aproveitou a posteriori. Tudo, enfim, soma para o clima postiço e estéril de A Vila. Não há nada de errado em fazer um filme só para pregar alguns sustos na platéia e desafiá-la a resolver uma charada. O que mata, aqui, é a desfaçatez com que o diretor o traveste, e se traveste, de algo que ele não é. Quanto mais o sucesso de Shyamalan sobe à sua cabeça, mais seus filmes despencam ladeira abaixo.

Isabela Boscov
Publicado originalmente na revista VEJA no dia 01/09/2004
Republicado sob autorização de Abril Comunicações S.A
© Abril Comunicações S.A., 2004

A VILA
(The Village)
Estados Unidos, 2004
Direção: M. Night Shyamalan
Com Joaquin Phoenix, Bryce Dallas Howard, William Hurt, Sigourney Weaver, Adrien Brody,Brendan Gleeson, Cherry Jones, Celia Weston

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s