Série “Nove Desconhecidos” mira no intrigante mas acerta no ridículo

De “Big Little Lies” a “The Undoing’, a colaboração entre Nicole Kidman e o produtor David E. Kelley rende dividendos cada vez menos atraentes

Em Big Little Lies, no papel de uma mulher de vida perfeita na aparência e infernal na intimidade, Nicole Kidman se revelou a musa do produtor David E. Kelley: não só ele colocou a personagem no centro da segunda etapa da série, como criou para Nicole a trama de dissimulação e crime de The Undoing, na qual, novamente, uma esposa descobria tarde demais o caráter do homem com quem se casara. Agora, menos de um ano depois da estreia de The Undoing, e com resultados progressivamente duvidosos, lá está a atriz mais uma vez à frente de um projeto de Kelley — a minissérie Nove Desconhecidos (Nine Perfect Strangers, Estados Unidos, 2021), que começa a ser exibida com três episódios nesta sexta, 20, no Prime Video, da Amazon, e então segue, semanalmente, até 22 de setembro. Isso se o espectador se animar a seguir junto com ela: tomando-se como base os primeiros capítulos, Nove Desconhecidos — como Big Little Lies, adaptada de um romance da australiana Liane Moriarty — é o que se poderia descrever como profundamente superficial.

Em uma atuação plastificada, que beira o constrangedor, Nicole faz Masha, uma russa com sotaque de intensidade variável que, no seu exclusivíssimo spa, brinca de deus: destila os interessados em passar ali uma temporada em grupos voláteis, de nervos à flor da pele. Os nove hóspedes incluem o ex-­atleta viciado em opioides (Bobby Cannavale), a mulher de meia-idade que se apaixonou on-line e levou um golpe (Melissa McCarthy), a esposa trocada por uma namorada mais nova (Regina Hall), a jovem obcecada pela beleza (Tiffany Boone), o sujeito vítima de bullying que virou ele próprio um bully (Luke Evans) e uma família retalhada por um suicídio (Michael Shannon, Samara Weaving e Grace Van Patten). A série mira no intrigante mas acerta no ridículo, e não faz ideia do que lhe interessa ou desinteressa mais — se seu catálogo básico do dano emocional, se os métodos de Masha, se as ameaças de morte que ela vem recebendo ou se a peruca loira de Nicole. Na falta de uma decisão por parte dos responsáveis, cabe ao espectador tomar a sua e fazer reserva em outro estabelecimento.

Publicado em VEJA de 18 de agosto de 2021, edição nº 2751

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s